Conhecendo a Baixada Maranhense

Autor George Raposo

A região é uma das mais ricas do Maranhão em diversidade de vegetação e fauna, mas sofre com os problemas de desenvolvimento.

Para os maranhenses, o termo Baixada é bastante conhecido e muito utilizado principalmente pelas pessoas provenientes desta região e espalhadas pelo restante do estado. Mas o que é realmente a Baixada Maranhense e o que ela representa para o Maranhão? A Baixada Maranhense localiza-se no extremo norte do estado do Maranhão, abrange 21 municípios e tem 1.775.035,6 hectares de extensão. Pinheiro, com uma população de 78 mil pessoas, é considerado o município mais populoso entre os que integram esta região.

É composta por 21 municípios – Anajatuba, Arari, Bela Vista do Maranhão, Cajari, Conceição do La- go-Açu, Igarapé do Meio, Matinha, Monção, Olinda Nova do Maranhão, Palmeirândia, Pedro do Rosário, Penalva, Peri-Mirim, Pinheiro, Presidente Sarney, Santa Helena, São Bento, São João Batista, São Vicente Férrer, Viana e Vitória do Mearim.

A Baixada Maranhense possui uma população predominantemente rural, com exceção de Arari, Pinheiro, Santa Helena, São Bento e Viana, que apresentam a população urbana como mais expressiva, segundo o Censo 2010 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Características

A área é reconhecida principalmente por conta de seus imensos campos, que podem ser divididos em inundáveis e tesos. Na época das chuvas, de dezembro a julho, os campos baixos ficam alagados, restando ilhas de terras firmes e áreas de campos em terreno um pouco elevado, chamadas regionalmente de “teso”.

Durante as cheias, ocorre o transbordamento dos rios, formando-se numerosos lagos. Os rios da Baixada Maranhense são típicos de planícies, caracterizados por baixo declive nos trechos médio e baixo. A região é drenada pelos rios Mearim, Pindaré, Grajaú, Pericumã e afluentes. Além dos campos, há quatro vegetações importantes para a caracterização da Baixada: manguezais, babaçuais, matas de galeria e Floresta Amazônica.

Nos estuários, os manguezais ocorrem penetrando os igarapés, por entre os campos, até onde existe influência das marés. Os babaçuais ou cocais são um tipo de ecossistema característico da área. O solo é argiloso, pouco consolidado, com grande retenção de água.

Área de proteção

A região foi transformada em Área de Proteção por meio de um decreto estadual em 1991. Em 2000, a Área de Proteção da Baixada Maranhense ganhou a classificação de Sítio Ramsar. O governo federal inclui nesta lista as áreas úmidas do Brasil que precisam ser protegidas. Além da Baixada, o Maranhão tem outros dois locais deste tipo: Parque Estadual Marinho do Parcel de Manoel Luiz (2000) e Área de Proteção Ambiental das Reentrâncias Maranhenses (1997).

O Ramsar foi criado em uma convenção mundial realizada no Irã em 1971. Em 2011, a Convenção das Zonas Úmidas (Ramsar) descreveu a importância da conservação da Baixada Maranhense.

“A APA da Baixada Maranhense é uma área de rica biodiversidade, pois incorpora uma complexa interface de ecossistemas, incluindo manguezais, babaçuais, campos abertos e inundáveis, estuários, lagunas e matas ciliares. Esse mosaico de fisionomias e sua extensão na paisagem torna a APA uma unidade de conservação de extrema importância, pois permite a ocorrência de processos ecológicos de grande escala, além de que a área de manguezal funciona como regulador local dos estoques pesqueiros”, descreve o documento.

Ecossistemas localizados na zona de transição entre os biomas Amazônia e Cerrado, com influência dos ambientes costeiros e marinhos, destacando-se as zonas úmidas que proporcionam habitat para diversas espécies aquáticas, incluindo aves, em abundância, além de espécies vegetais (castanheira, gameleira, embaúba, cedro e babaçu) que são importantes para a economia das populações locais.

Campos inundáveis

São o sistema ecológico mais representativo na região, dominado por herbáceas (gramíneas e ciperáceas) e sofre inundação sazonalmente. Predomina a água doce, mas há incursões de água salobra nas partes mais próximas à costa. A salinidade também varia sazonalmente, sendo, mesmo nessas áreas, 100% doce na época chuvosa e salobra, na seca.

Rios e igarapés

São um conjunto bastante complexo, variando desde nascentes em bacias locais até rios de grande porte, de bacias bastante extensas. Inclui alguns igarapés que secam por inteiro na época seca.

Tesos

São ilhas de terra firme (campos herbáceos) inseridas no meio de uma matriz formada por campos inundáveis e estuário. A altura chega a um máximo 10m, com média de 5m. A vegetação inclui palmeiras, floresta pré-amazônica e arbustos. Em algumas áreas há presença de cactáceas consorciadas com mata amazônica. É o lugar preferido para ocupação humana e pecuária bovina ou para criação de outros animais domésticos.

Complexo de lagos

Domina a parte mais meridional do Sítio Ramsar, com a exploração mais intensa de recursos pesqueiros. Apresenta bastante sazonalidade, com conectividade entre os lagos no auge da época chuvosa, que é interrompida quando o nível da água baixa com a seca. A água é 100% doce, normalmente, mas alguns lagos (por ex., o lago Viana) excepcionalmente sofrem incursão de água salgada durante intensas secas. Há presença de macrófitas aquáticas e igapós.

Manguezais e estuários

São vegetações dominadas por Avicennia, Rhizophora, Laguncularia. Há grande diversidade fisionômica, com vegetação que varia de pequeno a grande porte, com árvores de até 30m. Os manguezais ocorrem desde o início da influência da maré, na foz dos rios Pindaré, Mearim, Turiaçu e Pericumã e se estendem ao longo da baía de São Marcos, inclusive ocupando a grande maioria da Ilha do Caranguejo. O estuário inclui extensas áreas de apicuns (clareiras com areia e lama nos manguezais – áreas mais procuradas para criação de camarão em cativeiro). O estuário é muito importante para a vida aquática, incluindo peixes-boi, botos e várias espécies de peixes que utilizam a área em suas rotas migratórias, etc. O mangue abriga o caranguejo, de altíssima importância econômica local.

Matas de terra firme

Este alvo abriga tanto manchas de mata de terra firme pré-amazônica, como os babaçuais, capoeira e matas ciliares. A maior parte da população humana está nessas áreas, onde, inclusive, se localizam as sedes da maioria dos municípios. São ricas em palmeiras de importância econômica. Esta é a zona de uso mais intensivo na APA

Ictiofauna

A ictiofauna inclui espécies endêmicas da bacia amazônica e espécies estuarinas. As espécies de maior importância econômica incluem, no estuário: camurim, sardinha e bagre de água salobra, e, nos lagos e rios de água doce: surubim, curimatã, pescada, piaba, traíra, jeju, piranha, mandi, cascudo etc. Há tanto camarões de água salgada/salobra como espécies de água doce.

Espécies caçadas

Inclui as seguintes espécies de aves: jaçanã (Jacana jacana), o piaçoca (Prophyru- la martinica), inhambus, patos e outras aves caçadas para o comércio, como curió e demais Sporophilas, além de algumas espécies de psitacídeos. Entre os mamíferos: tatus, tamanduás, capivaras, primatas, veados, cutias e pacas. Entre os répteis: quelônios dos mais diversos e o jacaré (Caiman crocodilus).

Desenvolvimento

Em 2016, pesquisadores do Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais (Nepa) da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) destacaram a importância do uso de indicadores sociais como base para as atividades de planejamento e formulação de políticas públicas nas diferentes esferas do governo.

Os estudiosos realizaram uma pesquisa no intuito de conhecer a realidade socioambiental dos municípios da Baixada Maranhense, para que as políticas públicas sejam elaboradas conforme a situação de cada um, no que se refere ao desenvolvimento. O grupo busca elaborar um sistema de indicadores para avaliar a qualidade urbana dos municípios  que compõem a região. Segundo a coordenadora da pesquisa, Zulimar Márita Ribeiro Rodrigues, doutora em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo(USP), no Maranhão, as cidades crescem sem planejamento prévio, ocasionando a acentuação dos aspectos negativos como ausência de saneamento básico, baixos indicadores sociais, violência urbana, dentre outros.

“Tomando com base este índice, para diagnosticar a qualidade dos municípios da Baixada Maranhense, percebe-se que todas as cidades são classificadas como ‘Desenvolvimento Médio’ dentro do limite mínimo para estar neste intervalo. Ou seja, a média dos municípios da referida região é de 0,584”, afirma Márita.

Os intervalos considerados pelo Pnud, para classificar o IDHM, são de: baixo (menor que 0,500), médio (0,500 a 0,800) e alto (superior a 0,800). Esses índices e indicadores como instrumentos para medir e informar sobre as cidades podem ser classificados em duas formas: indicadores intermunicipais e intramunicipais.

O Maranhão é o segundo estado do país com menor IDH. Diante desta realidade, o governo do estado implementou o Plano de Ação “Mais IDH” com a intenção de promover a superação da extrema pobreza e das desigualdades sociais no meio urbano e rural, por meio de estratégia de desenvolvimento territorial sustentável, com políticas públicas que valorizem a diversidade social, cultural, econômica, política, institucional e ambiental das regiões do estado.

O programa definiu como prioridade os 30 municípios do estado com menor desempenho no Índice de Desenvolvimento Humano. Entre eles três municípios da Baixada Maranhense: Cajari, Conceição do Lago-Açú e Pedro do Rosário.

Artigo publicado no Jornal O Imparcial de 24 de outubro de 2017. Autor George Raposo. E-mail: gdinamite@gmail.com

Poema para a Baixada Maranhense

Autor Hilton Mendonça*

Deslumbra-se a Baixada maranhense

Em vasta paisagem de sol e de chuva

E nela escreve a sua singular epopeia.

 

Sob um dezembro ofegante

Ou debaixo de um abril lacrimoso,

A Região ecológica enamora golfo,

Serpenteia lagos,

Abraça rios,

Revigora campos

E luta pela vida.

 

Útero de tanta gente

– geradora de santos e santa –

A Baixada é mãe de Helena,

De Bento.

De João Batista

E de Vicente Ferrer.

 

Como todas as mães seculares,

Perfilhou gentes até o corpo fatigar,

E dezenas de filhos

Ainda lhe escaparam do ventre:

Nasceram as belas Viana, Vitória, Olinda e Palmeirândia,

Que se irmanaram às formosas Conceição,

Anajatuba, Matinha e Penalva,

Todas de excelsa Bela Vista.

 

E como a descendência baixadeira

Não se podia compor só de princesas,

Eis que das suas entranhas regionais

Irromperam rebentos varonis,

Crismados de Pinheiro, Peri-Mirim, Monção e Cajari,

Este último de perfeita rima com o ribeirinho Arari.

 

E para não rimar com mais irmãos

E serem a singularidade do todo,

Vieram Igarapé do Meio e Pedro do Rosário,

Para, à mesa, sentarem-se com Presidente Sarney

Uma bacia hidrográfica.

-farta de Mearim, Pindaré, Turiaçu e Pericumã – Plantada

bem no seio dessa Planície olímpica,

Faz a vida seguir bagrinhos, mandis e jacanãs.

Siamesa, outra bacia, lacustre,

-servida de Itans, Formoso, Viana e Aquiri –,

lacrimeja curimatás, jandiás e socós,

Além de japeçocas, surubins e acaris.

 

E para pescar esse peixe abundante,

Há o choque, o caniço e o landruá,

A se juntarem à tarrafa, ao espinhel e ao puçá.

 

No quintal baixadeiro,

Um cardápio de galinhas e patos avizinha-se

De suínos, bovinos e caprinos,

Espalhados pelos vastos campos,

Dos litigiosos búfalos africanos.

 

Na bela Planície inundada,

Sobre aguapés, juncos, mururus e gameleiras

Inda paira a memória da luz azul da curacanga,

Que assusta até o boi marrequeiro…

 

Se o verão é o pote de barro

-que se esvazia e se racha –,

O inverno é o copo cheio,

Derramado nesse Jardim flutuante,

Que seca e que enche e que pulsa

Na mente e no corpo da gente…

E viva a Baixada!

*Hilton Mendonça é natural de Arari (MA). Graduado em Direito pela UFMA. Advogado, poeta e escritor. É autor das seguintes obras: “Julgados do Tribunal Trabalhista do Maranhão”, “Julgados das Turmas Recursais do Maranhão”, “Justiça Gratuita”, “Uma Ação Rescisória de Matar: TJ e STJ” e coator do livro Ecos da Baixada.

 

Programa Maranhão Verde chegou neste ano de 2021 à Baixada Maranhense

Criado para incentivar projetos de conservação e recuperação ambiental, o Programa Maranhão Verde chegou neste ano de 2021 à Baixada Maranhense. São mais 400 famílias atendidas.

O programa dá bolsas financeiras para pessoas que ajudem a preservar o meio ambiente. Os participantes recebem capacitação ambiental, social, educacional, técnica e profissional.

Ao todo, mais de 60 mil mudas serão plantadas na Baixada. Cada uma das 400 famílias vai receber a Bolsa Maranhão Verde de R$ 300 bimestrais.

Lançado em 2017, o programa já beneficiou mais de 452 famílias. Agora, chega a quatro municípios da Baixada Maranhense (Pinheiro, Penalva, Palmeirândia e Santa Helena).

“A efetivação das políticas públicas ambientais perpassa pela produção e plantio de mudas objetivando a recuperação de áreas degradas, pelo enfrentamento das queimadas por meio da brigada contra o incêndio e pela preservação da flora e corpos hídricos por meio da conscientização e educação ambiental de modo amplo”, disse o secretário de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais, Diego Rolim.

Mais sobre o Programa

O primeiro projeto do Maranhão Verde foi executado no Parque Estadual do Mirador, por meio do Projeto Berço do Rio Itapecuru, com a participação de 189 famílias do parque. Atualmente, o programa é realizado no Parque Estadual do Bacanga, com o projeto Florestas Protetoras de Mananciais, destinado à conservação e recuperação das matas ciliares e áreas de recarga do parque, com foco nas regiões do reservatório do Batatã e do Rio Prata.

Matéria publicada em 06/02/2021

Preservação ambiental é o foco do projeto (Foto: Handson Chagas)

No Terreiro da Bisa Bebel

Autora Eni Amorim

No terreiro da Bisa Bebel havia uma infinidade de animais domésticos: galos, galinhas, frangos, frangas, patos e paturis.

A bisa nunca tinha ouvido falar em logística, mas na sua sabedoria popular já utilizava na administração do seu sitio princípios de logística.

O seu galinheiro era bem dividido: as partes das galinhas adultas onde eram colocados os ninhos para postura e chocagem de ovos; a parte dos frangotes, a dos pintos. Todas as acomodações tinham vasilhas com água e poleiros para os animais.

 À parte ficava o chiqueiro dos patos e paturis adultos e o compartimento dos patos e paturis pequenos.

Tibúrcio era o galo do terreiro, ele era garboso, possuía o peito carnudo e avermelhado, cristas e esporas e uma barbela pendurada no queixo. Sem dúvidas nenhuma possuía o posto mais alto na hierarquia do galinheiro; ele gostava de procurar sempre os locais mais altos para cantar seu cocoricó estridente de forma a mostrar quem mandava naquele espaço.

Tibúrcio arrancava suspiros das galinhas e franguinhas do galinheiro, estas quando o viam desfilar garbosamente pelo terreiro diziam entre suspiros: – Nossa que galo bonitão e gostoso! E reviravam os minúsculos olhinhos.

As franguinhas coitadinhas, não podiam “arrastar as asas” para os frangos porque o galo logo chegava ciscando o terreiro chamando o frangote pra briga, quando o franguinho dava uma de valente logo provava dos afiados esporões do Tibúrcio.

As galinhas poedeiras quando se ajeitavam no ninho para botar ovos o ilustríssimo galo se punha a andar pra lá e pra cá em um nervosismo animal; Tão logo que a galinha põe o ovo, ela abre o bico anunciando que botou o ovo, por outro lado, o galo esgoela-se numa cantoria como se anunciando: – Meu filho nasceu!

As donas galinhas, como todas as mães são seres incríveis, são carinhosas, amorosas e fazem tudo pelos filhotes, elas não fazem discriminações, cuidam de qualquer filhote órfão como nos mostram filmes e documentários.

Especialistas dizem que as galinhas são as melhores mães do reino animal. Quando ela sai com sua ninhada para passear, veste a sua melhor armadura e aí do predador que se atrever a mexer com seus filhotes. Muito cuidadosa quando encontra um marisco chama a ninhada para degustar e é uma alegria só ver o piar dos pintinhos mariscando. As galinhas falam com seus filhotes em tons suaves ainda no ovo, e estes podem ouvi-las a partir de sua casca.

Os animais possuem sua linguagem própria; além do famoso “cacarejar” as galinhas também gritam e alertam seus companheiros do perigo de predadores nas proximidades.

Os patos e paturis são animais bem alegres, são também precoces, seus filhotes são capazes de andar, deixando o ninho algumas horas depois de serem chocados. A mamãe pata leva seus filhotes para nadar e é uma bela  paisagem ver os patinhos nadando atrás de sua mamãe pata.

Os patos machos ficam com suas penas mais exuberantes  no período de reprodução também são mais silenciosos do que as patas. (Acho que faz parte do lado feminino ser mais barulhento, risos)

Como todo amor de mãe a mamãe pata faz tudo para proteger os seus filhotes. Quando faz o seu ninho, puxa do seu próprio peito as mais macias penas para alcochoar o ninho e aquecer melhor os ovos.

Enquanto os machos são mais silenciosos, as fêmeas são capazes de fazer diferentes barulhos e são bem mais vocais. É muito comum quando elas avistam pessoas no terreiro darem um sonoro quak, quak, quak…

Com todos os cuidados com seus animais domésticos a bisa Bebel quando tinha que sacrificar um dos seus animais para fazer comida sofria um pouco devido o apego ao animal. Todos os dias no final da tarde na hora de agasalhá-los ela ia conferir se tudo estava nos conformes e ficava triste quando percebia que seus animais tinham sido atacados por raposas, maracajás, teiús, gambás ou outros predadores.

Era agradável ver quando a bisavó saia no terreiro, os animais faziam a maior festa pra ela em cantos, piados ou até beliscões típicos da linguagem do mundo animal dessa maneira podemos dizer que os animais interagem e aprendem com o mundo e tem muito a ensinar os humanos.

Peri-Mirim, 03 de abril de 2021.

Fotos atuais do terreiro do Sítio Boa Vista de Ana Cléres, sobrinha-neta de Isabel Nunes.

O Mercado de Matinha

Autor Aroucha Filho*

Verdadeiramente um mercado moderno, bem construído e funcional, bela fachada. Era, sem dúvidas, o melhor mercado da região, em todos os aspectos.

Na década de 50, na gestão do Prefeito Aniceto Costa, primeiro prefeito eleito de Matinha, portanto no início da emancipação política do município, período das obras estruturantes tão necessárias para a sede do município adquirir a feição de cidade, foi construído o Mercado Municipal de Matinha.

O mercado apresentava-se como uma obra bastante avançada àquela época, tanto pelo aspecto arquitetônico, como pela concepção urbanística. A localização escolhida foi o centro da cidade, buscando equidistância de percurso aos frequentadores daquele importante logradouro público.

O conceito arquitetônico da obra, optou pelo formato geométrico de um quadrilátero, com acesso pelos quatros lados, possibilitado por amplas portas em arcos, no centro de cada lado. Chamava à atenção a sua fachada simétrica, igual em qualquer ângulo de visão frontal. Quatro faces iguais. Destaque ao telhado com quatro águas invertidas, isto é, a queda d’água era para a parte interna do mercado, em um quadrado de piso rebaixado, essa área era descoberta e bem no centro existia um poço, devidamente revestido com tijolos compactos, com poial e tampa de madeira.

O destaque, da bonita fachada do prédio, era o “platibanda”, recurso da arquitetura moderna, que permitia embutir, encobrir a vista do telhado. A primeira obra em Matinha com esse recurso da arquitetura.

O ponto alto dessa simbólica obra foi a funcionalidade projetada, concebida para esse período tão remoto. A começar pela localização na parte central da cidade, edificado quase no centro de um grande espaço vazio, hoje Praça Juarez Silva Costa, antes, Praça Professora Etelvina Gomes Pinheiro. Diz-se que a edificação não ocorreu no centro desse espaço para não sacrificar um frondoso pé de bacaba (Oenocarpus bacaba ), ali existente. Demonstração de avançado sentimento de preservação ambiental.

O prédio era circundado por uma larga calçada, em torno de dois metros de largura. Em razão do desnível do terreno o lado que ficava voltado para a praça, a calçada era alta com degraus. Nos quatros cantos, face externa, tinha espaço reservado para lojas, mercearias ou quitanda como denominávamos esse tipo de estabelecimento comercial. Eram espaços razoáveis, com uma porta de cada lado. Pela parte interna, em cada canto, ficavam os cortes, açougues, destinados à venda de carne verde (bovina e suína) e pescados. Os ambientes eram equipados, com ganchos, mesa, balança com conjunto de pesos e uma tora de madeira onde os açougueiros com a ajuda de machado de cabo curto, cortavam os ossos das rezes em desmonte.

Açougueiros que a memória alcança, trabalharam no mercado, os senhores: Seixas, Maneco Sena, Machado, Domingos Serra, Zé Sena (Zé de Maneco).

* José Ribamar Aroucha Filho (Arouchinha) é natural do município de Matinha-MA, Engenheiro Agrônomo aposentado do INCRA, exerceu os cargos de Executor do Projeto Fundiário do Vale do Pindaré e Executor do Projeto Colonização Barra do Corda. Ex Superintendente do INCRA Maranhão. Foi Superintendente da OCEMA e Chefe de Gabinete da SAGRIMA.

Academia Perimiriense debate a obra “O meu pé de laranja lima”

Clube de Leitura “João Garcia Furtado da Academia de Letras, Ciências e Artes Perimiriense (ALCAP) é um sucesso. No último dia 07/11/2020), mais uma atividade importante para discute sobre a obra O Meu Pé de Laranja Lima, com participação do professor doutor Ozaias Batista.

O encontro virtual foi realizado por meio da plataforma Google Meet e foi coordenado pela acadêmica Ana Creusa que explicou a metodologia do debate, apresentando todos os presentes na sala virtual, bem como fez um breve relato sobre o currículo do professor, Ozaias, com ênfase para seu amplo conhecimento sobre a obra objeto de debate, inclusive sua tese de Doutorado versa sobre o tema, cujo título é: Sonhos entre as páginas do meu pé de laranja lima: imaginação e devaneio poético voltado à infância.

Após a apresentação da escritora, a coordenadora do debate passou a palavra à professora Nasaré Silva que fez uma rica apresentação sobre vida e obra do autor do José Mauro de Vasconcelos que escreveu muitas obras como Arara Vermelha, Rua Descalça, Farinha Órfã, Longe da Terra, O Garanhão das Praias,  Rosinha – Minha canoa, (inclusive, essa obra foi usada num curso de português, na Sorbonne, em Paris. Entre tantas obras escritas e publicadas, nos atentemos mais em:  O Meu Pé de Laranja Lima, obra que se tornou um clássico da literatura brasileira, apresentada pelo Prof. Dr. Ozaias Batista.

Passada a palavra ao Prof. Manoel Barros que é gestor pelo Fórum da Baixada do Projeto Academias na Baixada, do cujo principal objetivo do projeto é fomentar a criação de academias populares no território da Baixada Maranhense, voltadas à cultura e à historiografia dos municípios.

Ato contínuo o convidada iniciou os debates, fazendo considerações interessantes sobre a obra, dando ênfase à imaginação do personagem principal da obra, Zezé, respondendo a vários questionamentos dos presentes.

O Projeto Clube da Leitura da ALCAP está avançado para se tornar referência no estímulo aos jovens e adolescentes no maravilhoso munda da leitura.

Conheça mais sobre o  Clube de Leitura João Garcia Furtado.

Coordenadores do Projeto: Ana Creusa Santos, Eni do Rosario Pereira, Diêgo Nunes Boaes, Jessythannya Carvalho Santos, Maria de Lourdes Campos, Nasaré Silva e o aluno Paulo Silva, que recebem os parabéns e agradecimentos.

Fórum da Baixada e UFMA visitam o Centro Espacial de Alcântara

Integrantes do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (FDBM) e da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) visitaram as instalações do Centro Espacial de Alcântara (CEA). A visita foi precedida de ofício dirigido ao Diretor do CEA, Coronel Aviador Marcelo Corrêa de Souza, no qual o FDBM demonstrou interesse em conhecer o projeto pela sua importância econômica, social e tecnológica para as microrregiões da Baixada e Litoral Ocidental Maranhenses. A solicitação foi aceita e, na manhã do último dia 29 de outubro, os membros da comitiva do FDBM e UFMA (Alberto Muniz, Ana Creusa, Expedito Moraes e Zefinha Bentivi) dirigiram-se à cidade de Alcântara a bordo de uma das lanchas da Força Área Brasileira, acompanhados pelo Coronel Tavares. Na chegada, foram recebidos com um delicioso café da manhã.

Durante a apresentação das instalações da base, parou-se para admirar a construção da sede administrativa, cuja construção possui excelsa beleza, com paredes que captam a ventilação natural do ambiente externo. Em seguida dirigiram-se ao auditório para assistirem à brilhante palestra proferida pelo Vice-diretor do CEA Glauco Candido que falou que o Centro é a segunda base de lançamento da Força Aérea Brasileira, com uma localização equatorial privilegiada, que permite que os lançamentos sejam feitos com mais facilidade. É uma parte importante no caminho do país como protagonista no cenário geopolítico mundial, que já fez 111 operações e o lançamento de 490 foguetes.

Falou, ainda, sobre as ações de assistências às comunidades do entorno do Centro, para quem mantém um mini hospital e uma escola (Caminho das Estrelas) para 130 (cento e trinta) alunos que obtiveram nota 7 (sete) no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), segundo informou Huxley Bruno, Coordenador Regional da Agência Espacial Brasileira (AEA).

O Presidente do FDBM, Expedito Moraes, agradeceu a honra de o CEA receber integrantes do FDBM e UFMA para conhecerem o projeto, bem como se colocou à disposição da instituição para colaborar, no que for possível, uma vez que esse projeto, além do desenvolvimento científico e tecnológico, pode viabilizar o desenvolvimento social e econômico do Estado do Maranhão, bem como das pessoas, direta ou indiretamente envolvidas nesse magnífico projeto.

A Pró-reitora de Extensão e Cultura da UFMA, Josefa Bentivi, discorreu sobre a parceria com o FDBM para construção do Plano de Desenvolvimento da Baixada, iniciando-se com o Termo de Cooperação Técnica e a realização do Fórum do Turismo da Baixada Maranhense que surge da necessidade de se pensar o turismo na região.

Em seguida, partiram em um transporte do CEA para conhecer as demais instalações, acompanhados sempre de fatos históricos e flash fotográfico daquela beleza inusitada para os visitantes. Após o saboroso almoço passaram às homenagens. A biblioteca do CEA foi presenteada com algumas obras sobre a Baixada, entre as quais o livro Ecos da Baixada. Os visitantes receberam dos anfitriões um belo book sobre o CEA: uma janela brasileira para o futuro.

No caminho de volta do futuro para a realidade, houve uma parada no Centro Histórico de Alcântara para apreciar e tirar fotos. A viagem de volta, pontualmente às 16 horas, foi marcada pela saudade, pela certeza que há um Brasil possível com amor e disciplina, marcas daquele espaço de competência. Como disse Zefinha, ali cada indivíduo fazia a diferença pela sua competência, parecia uma orquestra – lindo de assistir.

Bosque das Mangueiras em Matinha

Autor Gusmão Araújo*

Trata-se de um itinerário que não pode parar: sonho coletivo, novas parcerias construídas, pessoas entusiastas e muito trabalho!

O Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (FDBM) lançou, em 2018, sob a gestão de Ana Creusa, a proposta de institucionalizar o projeto de “Bosques da Baixada”, sob a coordenação dos professores Gusmão e Jucivam da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), ambos filhos de Bequimão.

A partir da inciativa e trabalho de forenses e sob a inspiração do professor José de Jesus Lemos da Universidade Federal do Ceará (UFC) foi gestado o projeto “Paricás em Paricatiua: um sonho possível” ou “Bosque dos Paricás”, que culminou com a o plantio das mudas em 26/01/2019. O Bosque dos Paricás foi um sonho acalentado há anos pelo professor Lemos, filho de Paricatiua, Comunidade ribeirinha de Bequimão.

O Bosque dos Paricás foi inspiração e referência para o Fórum decidir-se pela implantação do “Bosque das Mangueiras em Matinha”, considerada capital dessa fruta na Baixada. Tal iniciativa foi concretizada em evento técnico do FDBM realizado em Matinha no dia 26/08/2018, no “Santuário Ecológico de Ponta Grossa”, na propriedade do forense César Brito.

Na ocasião, foi apresentado e discutido primeiramente as ideias do projeto “Diques da Baixada” plataforma socioambiental redentora para a Região, sob a liderança do forense Alexandre Abreu e, em seguida, foi lançada a proposta do Bosque das Mangueiras, então acolhida pelos forenses, pela comunidade matinhense presente ao evento e pela prefeita municipal. A Srª Linielza comprometeu-se comprometeu em apoiar e providenciar a doação de uma área próxima à sede do município.

No referido evento, o Prof. Gusmão, após apresentar o projeto do Bosque dos Paricás, lançou o desafio para Matinha ao parafrasear Geraldo Vandré “pra não dizer que não falei das Mangas” e reforçando que o “itinerário dos Paricás pode ser um bom guia para Matinha e pra toda a Baixada: sonho, parcerias, pessoas e trabalho”!

O projeto avançou, os forenses se mobilizaram, especialmente o entusiasta César Brito localmente e foi cumprida a expectativa de doação da área do novo Bosque. Os líderes comunitários do Povoado Graça fizeram a doção do terreno.  O espaço escolhido reside uma comunidade quilombola que acolheu o projeto, sendo esta visitada e aprovada pelos forenses em 11 de janeiro de 2019. Na verdade, nessa área possui 2 (dois) hectares, com vegetação preservada e nascente de águas, viceja a possibilidade de se ampliar a ideia inicial de “Bosque das Mangueiras” para “Parque Ambiental de Matinha”, no qual será inserida mudas de mangas de variedades representativas das várias comunidades do Município.

Na sequência, no início de 2020, foram semeados os caroços de manga no viveiro da UEMA, com o objetivo de formar os “cavalos” (porta-enxertos) sobre os quais serão enxertadas as variedades de manga de Matinha. O forense César Brito coletou sementes de mangas de Matinha que foram agregadas ao mesmo trabalho.

No momento, vive-se a expectativa da aguardada viagem, no próximo dia 16 de outubro de 2020, com o objetivo de se realizar a coleta dos ramos de mangueiras selecionadas (tradicionais ou históricas) de Matinha e entorno para enxertia. Desse processo resultarão as mudas que serão plantadas entre fevereiro e março de 2021.

* José Ribamar Gusmão Araújo é natural de Bequimão/Maranhão. Membro-fundador do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (FDBM), Gestor do Projeto Bosques na Baixada do FDBM. Engenheiro Agrônomo, formado pela UEMA. Mestre em Agronomia/ Horticultura pela UNESP, Campus de Botucatu/SP. Doutor em Agronomia/Horticultura pela UNESP, Campus de Botucatu/SP. Leciona no Departamento de Fitotecnia e Fitossanidade (DFIT) da UEMA.
FDBM em Matinha 2018
Palestra de Alexandre Abreu sobre os Diques da Baixada
Palestra de Gusmão Araújo sobre Paricás em Paricatiua
Palestra de Manoel Barros sobre o Projeto FDBM Academias na Baixada
Visitação ao local do Bosque de Matinha

Ozaias Batista aceitou o convite da Academia Perimiriense para o debate sobre a obra “O Meu Pé de Laranja Lima”

Com participação especial do Prof. Dr. Ozaias Batista, o Clube de Leitura da Academia de Letras, Ciências e Artes Perimiriense (ALCAP) promoverá no próximo dia  31 outubro, às 16 horas um debate virtual, por meio da plataforma digital Google Meet, para análise da obra “O Meu Pé de Laranja Lima”, do autor José Mauro de Vasconcelos.

Ozaias Antonio Batista é professor de Sociologia na Licenciatura em Educação do Campo da Universidade Federal do Piauí (UFPI/CPCE). Doutor em Ciências Sociais (UFRN). Mestre e Licenciado em Ciências Sociais (UFRN). Pesquisador do Núcleo de Estudo, Pesquisa e Extensão em Educação, Ciência Descolonial, Epistemologia e Sociedade (NEPEECDES) (UFPI). membro e pesquisador do grupo de pesquisa Mythos-logos: ciência, religião e imaginário da UFRN.

O convidado possui experiência como professor no ensino médio, superior e educação à distância nas disciplinas de Sociologia, Ciências Sociais e Educação. Tem amplo conhecimento sobre a obra objeto de debate, inclusive sua tese de Doutorado versa sobre o tema, cujo título é: Sonhos entre as páginas do meu pé de laranja lima: imaginação e devaneio poético voltado à infância.

A escolha do livro O Meu Pé de Laranja Lima foi objeto de votação aberta à comunidade, sendo a 3ª obra a ser lida dentro do projeto do Clube de Leitura “João Garcia Furtado” promovido pela ALCAP. Além da convidada especial, haverá sorteio de livros.  Inscreva-se no Clube de Leitura e participe da reunião, pelo link para o grupo de WhatsApp:  https://bit.ly/2EmmhWF

Após a leitura da obra, os participantes poderão escrever uma breve dissertação, sem delimitação de conteúdo e forma, apenas como incentivo à leitura de interpretação de texto. Os textos serão dirigidos à Comissão, para análise.

A acadêmica e professora Nasaré Silva será a responsável pela apresentação sobre a vida e obra do autor da obra, José Mauro de Vasconcelos e Ana Creusa Martins dos Santos será a mediadora do debate.

Conheça mais sobre o  Clube de Leitura João Garcia Furtado.

Coordenadores do Projeto: Ana Creusa Santos, Eni do Rosario Pereira, Diêgo Nunes Boaes, Jessythannya Carvalho Santos, Maria de Lourdes Campos, Nasaré Silva e o aluno Paulo Silva.

Academia Perimiriense debate a obra O Mágico de OZ com Carol Chiovatto

Clube de Leitura “João Garcia Furtado da Academia de Letras, Ciências e Artes Perimiriense (ALCAP) é um sucesso. Ontem (12/09/2020) fizeram uma atividade importante para discutir sobre a obra o Mágico de Oz, com participação da escritora e tradutora de livros da série Mágico de Oz, Carol Chiovatto.

O encontro virtual foi realizado por meio da plataforma Google Meet e foi coordenado pela acadêmica Jessythanya Carvalho Santos que explicou a metodologia do debate, apresentando todos os presentes na sala virtual, bem como fez um breve relato sobre o currículo da escritora, Carol Chiovatto, que é doutoranda (Inglês-USP), escritora, tradutora de obras sobre o Mundo Mágico de OZ.

Após a apresentação da escritora, a coordenadora do debate passou a palavra à professora Lourdes Campos que fez uma rica apresentação sobre vida e obra do autor do Mágico de OZ, Lyman Frank Baum.

Ato contínuo a convidada iniciou o debate, fazendo considerações interessantes sobre a obra. Em seguida, alunos, acadêmicos e professores discorreram sobre as suas impressões sobre a obra e realizaram perguntas à debatedora que dirimiu as dúvidas dos participantes sobre o papel dos personagens da obra, sobre os valores de capacidade de liderança, coragem, humildade, individualidade, respeito, possibilitando reflexão sobre o contexto histórico e atual sobre a obra em análise.

A debatedora presenteou a ALCAP com algumas obras sobre o maravilhoso Mundo de OZ e a Academia a presenteou com a obra Dicionário do Baixadês do acadêmico Flávio Braga.

O debate superou as expetativas, possibilitando um novo olhar sobre a obra analisada. Após o encontro, a escritora postou em seu Twitter, o seguinte: “Acabei de falar sobre Oz com alguns alunos no ensino médio e da academia de letras de Peri Mirim (MA) Nada é mais legal, enquanto pesquisadora, do que poder falar da minha pesquisa com uma turma que leu o livro que o originou e está a fim de conversar”.

O Projeto Clube da Leitura da ALCAP está avançado para se tornar referência no estímulo aos jovens e adolescentes no maravilhoso munda da leitura.