PERI-MIRIM: A Prefeitura recebeu equipamentos da CODEVASF

A Prefeitura de Peri-Mirim-MA recebeu de Celso Adriano Costa Dias, Superintendente Regional da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), os equipamentos para inclusão produtiva, incluindo máquina fabricadora de gelo, barracas de feira, motores de popa, kits de irrigação, caixas d’água e bombas d’água.

Os recursos foram obtidos por Emenda Parlamentar da perimiriense e ex-Deputada Federal, Luana Costa, com valor investido de R$ 75.570,32 (setenta e cinco mil, quinhentos e setenta reais e trinta e dois centavos).

Imagem

Fonte: Twite @CelsoDias8SR.

 

Rodoviários entram em greve e São Luís amanhece sem ônibus

Apesar de a decisão da Justiça estabelecer que, em caso de greve, 90% do transporte público deveria circular nesta quinta.

A decisão liminar foi proferida pela desembargadora federal do Trabalho, Ilka Esdra Silva Araújo, nenhum ônibus deixou as garagens em São Luís, a capital maranhense amanheceu sem ônibus nesta quinta-feira (21), devido a paralisação dos rodoviários, que já havia sido anunciada em assembleia geral com os trabalhadores desde a quarta-feira (13).

Caso as medidas sejam descumpridas, a multa diária estabelecida pela Justiça do Trabalho é de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) ao STTREMA e ao SET.

A greve dos rodoviários foi deflagrada por tempo indeterminado, ou até que uma proposta convincente aos trabalhadores do transporte coletivo da capital seja apresentada pelo Sindicato das Empresas de Transporte (SET).

A categoria reivindica itens como reajuste de 13% nos salários, jornadas de trabalho reduzidas para 6 horas, tíquete alimentação no valor de R$ 800,00, manutenção do plano de saúde e outras pautas.

Fontes: https://diariodotransporte.com.br/ e Jornal O Imparcial.

MARANHÃO: Empresa sul-coreana quer lançar foguetes a partir da Base de Alcântara em 2022

Uma empresa sul-coreana enviou representantes ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações para apresentar a produção de um foguete com capacidade de enviar dispositivos ao espaço, que poderá ser lançado do Centro de Lançamentos de Alcântara, no Maranhão, em 2022.

A empresa sul-coreana enviou representantes ao MCTI – Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações para apresentar ao ministro, astronauta Marcos Pontes, a produção de um foguete com capacidade de enviar dispositivos ao espaço.

As tratativas da empresa Innospace com o Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial da Força Aérea Brasileira (FAB) e com a Agência Espacial Brasileira (AEB/MCTI) estão avançadas.

A ideia é utilizar o Centro Espacial de Alcântara, no Maranhão e compartilhar o veículo com projetos que fazem parte do Programa Espacial Brasileiro.

Para o lançamento do veículo, de propulsão híbrida, no Brasil, a empresa sul-coreana deverá trazer todos os componentes do foguete, treinar os envolvidos como programa e construir a estrutura de lançamentos na região.

A previsão é que o foguete seja lançado entre agosto e setembro do ano que vem”, afirmou o diretor de negócios da Innospace do Brasil, Élcio Jeronimo de Oliveira.

O ministro, astronauta Marcos Pontes, afirmou que o MCTI está disposto a ajudar no que for preciso e é de interesse do governo brasileiro que mais empreendimentos como esse seja implementado no Centro Espacial de Alcântara.

“Nosso interesse é ter lançamentos o quanto antes lá no centro, não só no sentido de desenvolvimento do sistema em si, mas também para mostrar que o centro está funcionando”, destacou o ministro do MCTI.

Estiveram presentes na reunião representando a Innospace no Brasil, o CEO e Membro do Conselho de Pacificação e Unificação das Coreias, Ju Hyun Gong, e o professor adjunto da Universidade de Brasília (UnB), Jungpyo Lee. O diretor de Gestão de Portfólio da Agência Espacial Brasileira (AEB/MCTI), Paulo Roberto Braga Barros, e a chefe da Assessoria de Cooperação Internacional da AEB, Daniela Miranda representaram a agência no encontro. Também participaram da reunião, o chefe da Assessoria Especial de Assuntos Internacionais do MCTI, Bernardo Sylvio Milano Netto, e o diretor do Departamento de Tecnologias Aplicadas do ministério, Eduardo Soriano.

Innospace

A empresa sul-coreana recebeu da Agência Espacial Brasileira (AEB/MCTI), por meio de portaria em maio de 2020, licença para operar atividades espaciais de lançamento em território brasileiro até o ano de 2026. A empresa de engenharia espacial com origem na Coréia do Sul é pioneira na construção de foguetes de propulsão híbrida, que são menos poluentes que os demais foguetes desenvolvidos do mundo.

MCTI FOGUETE COREANO.jpg

Fonte: https://inforel.org/ e https://www.gov.br/mcti/. Imagem: Força Aérea.

Flávio pode se tornar imortal da Academia Maranhense de Letras

Imortalidade hereditária: Flávio Dino concorre à vaga do pai na Academia Maranhense de Letras.

A Academia Maranhense de Letras realiza nesta quinta-feira (21) eleição para escolha do novo ocupante da cadeira 32. Pela primeira vez, uma vaga para o seleto grupo de intelectuais da Casa de Antônio Lobo será disputada por um governador, no exercício do mandato, e mais: o resultado pode inaugurar um sistema de hereditariedade na imortalidade maranhense, pois um dos concorrentes é filho do antecessor imediato.

A cadeira em disputa tinha, até o ano passado, como ocupante, o advogado, jornalista, escritor e político Sálvio Dino Costa, que foi, dentre outros cargos públicos exercidos, prefeito de João Lisboa, na região tocantina maranhense, e deputado estadual. Ele é pai do governador Flávio Dino, que decidiu pleitear a cadeira.

Flavio Dino entende que a sua candidatura é para herdar a vaga aberta com o falecimento do pai e assim dar sequência a raízes familiares na Academia Maranhense de Letras, como se fosse herança, quando na verdade é para reunir escritores, literários e intelectuais maranhenses e radicados neste torrão natal, que construíram histórias e dimensionaram as letras, não apenas no Maranhão, mas no Brasil e no exterior e vivem em constantes produções, onde estão.

Não é a primeira vez que um o governador entra para a AML porém nunca a função poderá ter peso para desequilibrar uma disputa.

Em 1984, o médico Pedro Neiva de Santana foi escolhido para a cadeira 39. Ele foi governador, de 1970 a 1974, ou seja, se imortalizou dez anos depois de deixar o Palácio dos Leões.

Antes dele, José Sarney, governador de 1966 a 1970, foi escolhido membro da entidade em 1959, isto é, seis anos de se candidatar e sete de tomar posse na chefia do Poder Executivo Maranhense.

Além de Flávio Dino, que é membro da Academia Maranhense de Letras Jurídicas, concorrem a ocupante dessa cadeira, o advogado, antropólogo e escritor José Rossini Corrêa, muito elogiado pelo seu trabalho intelectual, e o escritor e historiador Antônio Guimarães de Oliveira, membro do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão (IHGM).

Com esta eleição, a Academia dá por concluído o processo para preenchimento das quatro vagas que foram abertas em 2020.

A cadeira 02 será ocupada por Fernando Braga, que sucede Waldemiro Viana; para a de número 15, que era ocupada por Milson Coutinho, foi eleito o advogado Daniel Blume; para a cadeira 38, o escolhido para suceder José Maria Cabral Marques é o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Reynaldo Soares Fonseca.

Fontes: https://maranhaohoje.com/ e https://aldirdantas.com/. Imagem Correio do Povo.

Peri-Mirim: Povoado de Taocal convida para festejo

A Comunidade do Povoado de Taocal em Peri-Mirim convida a todos para o grandioso festejo de Nossa Senhora Aparecida que acontecerá dias 21 a 23 de outubro.

Este ano o tema do festejo tem inspiração na Bíblia, Lucas 1:53.

Aos famintos encheu de bens, e vazios despediu os ricos.

Nossa Senhora Aparecida é considerada a padroeira, ou protetora, do Brasil segundo os católicos. Sua imagem foi encontrada por pescadores no rio Paraíba do Sul, no atual estado de São Paulo, em 1717. Ela é um dos principais símbolos da religião católica no Brasil. A Comunidade de Tacoal resolveu adotar a famosa Santa como sua padroeira.

COISAS E LOAS XVI (BENEDITAS CONSULTAS!?)

Há alguns dias, peregrinando por clínicas e hospitais, enfrentando uma bateria de exames, venho testemunhado situações as mais inusitadas possíveis. Da simplicidade dos pacientes à má vontade das atendentes. Da ingenuidade dos pacientes à ignorância dos médicos, técnicos, secretários. Tantos juramentos perdidos em palavras vãs!

Tenho escapado de algumas dessas situações vexatórias, assim que informo a minha profissão. Poucas vezes, ser PROFESSOR dá-me algum privilégio. Mas, verdadeiramente, nesses últimos dias, tem-me salvado.

Apego-me a esse mote, por lembrar alguns episódios hilários, ocorridos em consultórios médicos de nossa cidade; e algumas referências, que se fizeram importantes em nossa querida Baixada e me acompanham desde a infância. Referências estas, que sempre se apresentam em suas abnegações e vontade de aliviar a dor do próximo.

A maioria não conheci, porém suas presenças sempre estiveram presentes em minha casa. Isidoro Pereira, Zé Alvim, Zé Santos, dr Antenor, padre Fernando (…) Nessa “seara”, Almir Soares, Zé Arimatéia e doutor de Memeco são-me familiares. Incansáveis “operários” da saúde, que muito assistiram os baixadeiros.

Já, no tocante aos episódios hilários, resgato dois. Um “sinhôzinho”, oriundo da zona rural, traz sua companheira para uma consulta. Em conversa com a filha, que estudava na sede do município, fica estabelecido que durante a consulta é terminantemente proibido que ele empregue o substantivo monossilábico, começado com C e terminado em U.

A filha esmera-se em que o pai não faça má figura. “Pai, tem qui dizê ÃNUS, entendeu. Nunca c.”. Após muito ensaio, o pai achou-se pronto. No consultório, muita gente. A espera foi longa. Quando a paciente foi chamada e levada à presença do médico, “não deu outra”. No nervoso acompanhante, “deu o branco”. Tudo acabado! O “papai”, nervoso, pediu licença, abriu a porta e “mandou direto” à filha, que estava na lotada sala de espera. “Miafia, qual o pilido do c. da tua mãe?!” Como bem dito no “baixadês”, a “fia” não tinha onde “enfiar a cara”. Novamente, tudo acabado.

O outro episódio aconteceu comigo, quando adolescente. Mesmo. Um médico, muito conhecido, após a inquirição, informações detalhadas e, por fim, o diagnóstico, saiu-se com está. “Esqueci o nome do remédio. Vai pra casa e, quando me lembrar, digo pra teu pai. Não vou fazer ele gastar dinheiro à toa”. Acreditem!!! Nunca fiquei sabendo o nome do bendito remédio, meu pai nada desembolsou e fiquei curado.
Santo esquecimento!

Peri-Mirim: Povoado Canaranas realiza festival de brincadeiras antigas em comemoração ao dia das crianças

Continuando as homenagens em comemoração ao dia das crianças, hoje pela manhã, dia 17/10/2021 (domingo), o Sargento César e a Comunidade do Povoado Canaranas participaram de um festival de brincadeiras.

O evento deu início com um momento de louvor a Deus na capela do Povoado.

As brincadeiras foram selecionadas de forma a recordar as brincadeiras antigas praticadas pelos pais e avós das crianças. A animação ficou por conta das brincadeiras de: 1) Bambolê; 2) Corrida de saco; 3) Vôlei; 4) Futebol; 5) Queimado; 6) Rouba bandeira; 7) Peteca; 8) Dominó; 9) Pula Corda; 10) Caça Tesouro; 11) Torta na Cara; 11) Cabo de guerra; 12) Equilíbrio sobre a lata; 13) Pião; 14) Pata cega; 15) Amarelinha e 16) Apoio em frente sobre o solo.

Durante o evento, foi servido um delicioso lanche solidário para a criançada, com bolos, refrigerantes, salgadinhos, bombons e outros. 

O evento foi marcado de significados e emoções, ocasião em que os pais das crianças demonstraram sua gratidão pela oportunidade de relembrar as brincadeiras de suas infâncias e poder ver seus filhos e parentes com a oportunidade de viver essa emoção.

Sargento César, grande entusiasta do evento, justificou sua participação afirmando que “o resgate das brincadeiras de antigamente ajuda as crianças a aprenderem a se expressar, desenvolver a disciplina, o respeito ao próximo, bem como aprendem a respeitar os limites de cada um“. Ele utilizou sua experiência de militar para dirigir a brincadeira de apoio em frente sobre o solo, que fez o maior sucesso na garotada.

A comunidade de Canaranas ficou satisfeita com o resgate das brincadeiras antigas que permite unificar os jovens, adultos e crianças em prol da união, pois desenvolve o espírito colaborativo da comunidade, bem como sugeriu que outras comunidades de Peri-Mirim realizem eventos dessa natureza.

Ao final, todos puderam constatar a importância de resgatar o espírito de comunidade, enfatizando que o resgate de brincadeiras antigas desperta a união, pois cultiva o espírito de solidariedade e Amor ao próximo.

 

Dia do Professor

Hoje, Dia do Professor, minha homenagem à minha filha Márcia Fernanda Pereira Gonçalves, e também a Carlos Figueiredo, Rita Figueiredo Figueiredo, José Eulálio Figueiredo de Almeida, Sá Marques, Glorilene Costa Sales, Marcondes Serra Ribeiro, Valéria Montenegro, Lucidalva Pinheiro, e a todos os professores neste dia, mas, especialmente às irmãs Teodolinda (Tudu) e Dalva Costa (in memoriam), esta última, que com carinho e doçura, me ensinou a ler.
ESTRELA DALVA
Professores são discípulos
Do Grande Mestre Jesus,
Deixando por onde passam
Um lindo rastro de luz.
Mas, quem nesta data sublime
Ainda guarda na lembrança
A primeira professora
Do seu tempo de criança?
Como é mesmo que se chamava?
Nome de santa ou de flor?
A minha tinha nome de estrelinha,
Por sobrenome, labor.
Que a estrela Dalva incansável
Carregava sua cruz
Ostentando sempre na face
A doçura de Jesus
E a meiguice de Maria,
Aquela de Nazaré,
Que o Redentor em seu ventre
Recebeu com muita fé.
O brilho daquela estrela
Iluminando-me o caminho
Tornou-me a vida mais bela
Com a graça do seu carinho.
As lições que sua calma
Ensinava a todos nós
Ecoaram em nossa alma
No compasso de sua voz
Acumulando riquezas
Que ninguém pode roubar,
Que tormentas não arrastam,
Que nada pode tirar…
Nos seguem por toda vida
E dela as iremos levar.
Hoje, em gratidão àquela
Que me ficou na lembrança,
Pelos tesouros que dela
Recebi como herança,
Vou uma grande homenagem
A todo mestre prestar,
Que possa esta mensagem
A cada um abraçar.
À Dalva, Francineth, Graça…
Minha saudade e amor.

Aos demais Mestres

um abraço
Com respeito e com louvor.
(Imagem do acervo familiar Professora Márcia Fernanda Gonçalves)

Homenagem ao centenário de nascimento de Raimundo Pereira de Almeida

Por Eulálio Figueiredo*

HOMENAGEM QUE FIZ HOJE A NOITE  NA MISSA EM AÇÃO DE GRAÇAS PELOS 100 ANOS DO ANIVERSÁRIO DE NASCIMENTO DO MEU PAI.

Boa noite.
Hoje estamos aqui reunidos, em missa de ação de graças, para celebrarmos 100 anos de nascimento do nosso pai e patriarca Raimundo Pereira de Almeida, conhecido por todos os membros da nossa família e amigos como Raimundo Castelo.

Sinceramente, não considero que nosso pai tenha morrido; ele ainda está vivo entre nós por muitas razões que haverei de demonstrar nestas poucas palavras de reflexão, principalmente porque, de acordo com o texto bíblico, a morte não é o fim, mas recomeço, renascimento.

Considero, portanto, que nosso pai partiu para viver na morada eterna do paraíso cerúleo, onde também nossa mãe Gilda, chamada carinhosamente de “Boneca”, habita com ele na tranquilidade do paraíso, sob a proteção de Deus.

Quem acredita nas promessas divinas jamais morrerá; quem encarnou com devoção e dignidade aqui na terra um papel digno do ser humano escorreito nunca terá sua existência esquecida.

Por essa razão, concluo que nosso pai ainda vive entre nós pelo seu exemplo, pelos seus ensinamentos, pelo seu companheirismo e pela saudade que jamais passará.

Na verdade, ele apenas partiu ao encontro do pai celestial. Sua partida se assemelha à do viajante, do qual nos despedimos numa estação de trem, num porto ou num aeroporto, onde, após a despedida, ficamos aguardando os veículos de transporte se afastarem de nossas vistas até sumirem definitivamente.

Perdemos o contato visual com o nosso pai, mas não conseguimos esquecer seu rosto, sua voz, seus abraços, seus beijos, suas bênçãos, seus conselhos, suas atitudes, enfim, todo o legado que fez valer a pena nossa convivência terrena com ele.

Para os padrões de qualidade de vida dos anos vividos pelo nosso pai, ele conquistou níveis suficientes de saúde e existência lúcida. Nunca perdeu a memória e a capacidade de ensinar, apesar de não haver conquistado um diploma de ensino básico, médio ou superior. Sua grande formação foi feita na escola da vida, onde os bancos escolares do cotidiano lhe ensinaram tudo que precisava aprender para ser um homem honrado e construir uma grande família.

Embora não tenha concluído o ensino primário, juntamente com nossa saudosa e cuidadosa mãe, ensinou-nos tudo que precisávamos saber durante nossa infância, desde o alfabeto para bem falarmos e escrevermos à tabuada que continha as quatro operações matemáticas. Ambos foram grandes pedagogos a nos ministrar inesquecíveis lições, que incluíam educação moral e princípios religiosos.

Recorro à memória para retratar a figura sossegada, mansa, tranquila e pacífica de nosso pai, nos finais de semana ou nas noites silenciosas, sentado à sua mesa favorita escrevendo cartas aos vaqueiros e parentes no interior do estado, quando não para o seu irmão no Rio de Janeiro, assim como avisos para o interior a serem lidos por locutores das rádios Difusora e Educadora, sem qualquer erro de ortografia.

Na sua vida de comerciante honesto, quando estava em seu armazém no bairro do Desterro ou realizando negócios com outras pessoas, não dispensava um lápis ou uma caneta para armar a conta e depois tirar a prova dos noves para assegurar-se de que seus cálculos estavam corretos, hábito, segundo ele me contou, adquirido com a professora normalista que lhe ensinou as primeiras letras e as primeiras operações aritméticas.

Juntamente com a nossa mãe era devoto dos preceitos cristãos do catolicismo. Frequentava sempre as missas dominicais da Igreja Nossa Senhora do Desterro, especialmente quando a missa era celebrada pelo seu primo, o padre Sidney Castelo Branco.

Posso dizer, sem margem de erro, que aprendemos muito com nosso pai. Ele nos ensinou coisas que eu nunca aprendi nos livros, como honestidade, honradez, ética, disciplina, humanidade e fraternidade.

Apesar do seu jeito manso, era muito fluente ao dialogar com as pessoas, independentemente de serem conhecidas ou não, posto que detinha a diplomacia no falar calmo, lento, compassado, a exemplo de um monge que prega sabedoria sacerdotal, chegando a cativar facilmente pessoas jovens ou idosas, sob o encanto de suas palavras e da maneira educada de pronunciá-las.

Tinha orgulho quando as pessoas me perguntavam: “esse senhor é teu pai?” Eu respondia sim; elas diziam: “que doce de pessoa; que diálogo notável travei com ele, num aprendizado gratuito!” Eu, no meu incomensurável envaidecimento filial, recebia tais comentários com muita alegria.

Não obstante sua educação monástica, tinha um humor aguçado e sempre estava nos contando uma história engraçada dos tempos de sua infância pobre ou mesmo contemporânea aos fatos. Nesse momento, tornava-se divertido e descontraído, ocasião em que revelava seu sorriso farto.

Malgrado as dificuldades que enfrentou na sua vida infanto-juvenil, nunca vi nosso pai queixando-se dos dissabores ou mesmo de dores. Por isso mesmo proporcionou a todos os filhos as mesmas oportunidades para estudarem e vencerem nas suas opções profissionais.

Ensinou-nos essencialmente coragem e mostrou-nos entusiasmo para vencermos o mundo, após o desligamento do abrigo familiar, onde o carinho e a proteção paternos, como regime fraterno do amor doméstico, não é idêntico ao que encontramos fora do lar, conforme a paisagem que vamos colorindo ao longo da estrada de nossas vidas.

Foram tempos felizes, como se uma saudade perene nunca apague de nossas memórias essas gostosas lembranças. Saudades que nem mesmo a morte física consegue eliminar de nossas vidas, porque a convivência terrena nos legou os melhores momentos de alegria que faz manter nosso pai vivo entre nós, numa metáfora nobilitante, igual aos sonhos e quimeras que alimentam nossas almas.

Hoje pela manhã um sobrinho nosso mandou uma mensagem de texto, dizendo que tinha um arquivo com várias fotos do nosso querido pai em seu celular. Contudo, as perdeu porque um defeito no equipamento as apagou. Pediu-me para mandar-lhe algumas. Respondi-lhe que as melhores fotos do nosso pai são as que estão gravadas em minha memória. Essas ninguém apagará, nem mesmo o tempo.

Nesta data em que celebramos, com esta santa missa de ação de graças, um século de nascimento de nosso querido pai Raimundo Pereira de Almeida, também estamos a comemorar alguns desses anos de sua existência conosco, revivendo sua lembrança, como se ele nunca tivesse partido para a morada celestial, onde convive com nossa amada mãe Gilda, sob a proteção de Deus.

Por isso invoco agora a perene proteção de Deus e da puríssima Nossa Senhora, com seu filho Jesus, à boníssima alma de nosso pai Raimundo Pereira de Almeida (Raimundo Castelo), bem como a nós seus filhos, netos e bisnetos, renovando ao Altíssimo o humilde acolhimento de nossas súplicas para a glória de nossas vidas.

Em nome de nossa família, agradeço a todos os que compareceram a este ato de fé cristã e de ação de graças.
Muito obrigado.

*Eulálio Figueiredo é natural de São João Batista (MA). Juiz de Professor do Departamento de Direito da UFMA. Escritor, poeta e compositor.

Maioria da bancada do MA vota pela mudança do ICMS sobre combustível

PLP 11/2020: Prevê a apuração do ICMS-substituição relativo ao diesel, etanol hidratado e à gasolina a partir de valores fixos por unidade de medida, definidos na lei estadual. Altera a Lei Complementar nº 87, de 13 de setembro de 1996 (Lei Kandir), para dispor sobre substituição tributária do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) nas operações com combustíveis.

Apenas três deputados federais maranhenses votaram contra a alteração do ICMS sobre os combustíveis: Hildo Rocha (MDB), João Marcelo (MDB) e Gastão Vieira (PROS). O restando, inclusive parlamentares da base do governador Flávio Dino (PSB), votaram a favor.

O texto base do PLP 11/2020, proposto por Dr. Jaziel (PL-CE), foi aprovado por 392 a 71 na quarta-feira (13) pela Câmara dos Deputados. Os argumentos favoráveis são de que a menor cobrança do imposto estadual ajudaria a frear a alta dos combustíveis. Os contrários, entretanto, defendem que a medida não solucionaria o preço, já que depende da política da Petrobrás.

Aprovado, o ICMS dos estados passaria a ter preço fixo, calculado pelo preço médio dos combustíveis nos dois últimos anos.

A discussão acerca do ICMS envolve o embate entre Jair Bolsonaro (sem partido) e os governadores. O presidente culpa o imposto estadual pela alta – argumento bastante utilizado contra Flávio Dino (PSB) por sua oposição no Maranhão.

Apesar disso, deputados da própria base do governador, como Bira do Pindaré (PSB), Pedro Lucas Fernandes (PTB), Rubens Pereira Jr. (PCdo) e Zé Carlos (PT) votaram a favor da modificação.

“A alteração na cobrança do ICMS provará que a política de preços da Petrobrás, definida por Bolsonaro, é responsável pelos reajustes nos preços. Não a tributação, que continua estável. Os aumentos continuarão e a população vai continuar sofrendo com os reajustes dos combustíveis”, justificou Bira, em suas redes sociais.

Confira a votação de todos os deputados da bancada do Maranhão:

Aluisio Mendes (PSC-MA) – Sim
André Fufuca (PP-MA) – Sim
Bira do Pindaré (PSB-MA) – Sim
Cleber Verde (Republican-MA) – Sim
Edilazio Junior (PSD-MA) – Sim
Gastão Vieira (PROS-MA) – Não
Gil Cutrim (Republicano-MA) – Sim
Hildo Rocha (MDB-MA) – Não
João Marcelo S. (MDB-MA) – Não
JosimarMaranhãozi (PL-MA) – Sim
Josivaldo JP (Podemos-MA) – Sim
Junior Lourenço (PL-MA) –
Juscelino Filho (DEM-MA) – Sim
Marreca Filho (Patriota-MA) – Sim
Pastor Gil (PL-MA)
Pedro Lucas Fernan (PTB-MA) – Sim
Rubens Pereira Jr. (PCdoB-MA) – Sim
Zé Carlos (PT-MA) – Sim

Fonte: https://portalguara.com/ e https://www.camara.leg.br/