“SORVEEETE COOOCO!!!” – Prefeito Eduardo Braide entrega estátuas em homenagem aos pregoeiros de São Luís

Uma parte da história de São Luís foi imortalizada com a entrega de duas estátuas que homenageiam personagens importantes para a memória da capital. Os pregoeiros – vendedores ambulantes que anunciam seus produtos por meio de textos melodiosos e ritmados pelas ruas e praias da cidade – ganharam duas estátuas em tamanho real inauguradas pelo prefeito Eduardo Braide e parceiros, nesta sexta-feira (16), na Praça Nauro Machado, Centro Histórico. A ação é parte das celebrações pelos 410 anos da capital. Destacou o prefeito Eduardo Braide.

São Luís é um museu a céu aberto. É muito bom homenagear aqueles que fazem parte da nossa história e que, às vezes, não são lembrados. Ter a figura dos pregoeiros imortalizados aqui no nosso Centro Histórico é uma grande alegria. Esta ação é mais uma das entregas que estamos fazendo por ocasião do aniversário de 410 anos de São Luís e é uma entrega especial porque estamos homenageando pessoas, aqueles que fizeram e fazem parte da história da nossa cidade.

As duas estátuas representam um vendedor de sorvete e uma vendedora de pirulitos e foram inspirados no sorveteiro Antônio José Coelho, o Bem-te-vi, personagem ilustre do Centro Histórico de São Luís, que tem 62 anos e exerce a função há mais de 40 e dona Corina, de 92 anos. Presentes à inauguração, os pregoeiros se disseram felizes com as homenagens.

“Já não vendo mais os pirulitos, mas ainda faço os doces para minha neta vender. Essa homenagem está muito bonita e me deixou muito feliz”, disse dona Corina.

Ela exerceu o ofício por mais de 40 anos e estava acompanhada da neta, Jaciara, que também distribuiu os doces entre o público.

Dona Corina vende pirulitos artesanais. — Foto: Reprodução/Felipe Spider

Eu nunca pensei que isso pudesse acontecer, estou muito contente. Quando me procuraram para falar sobre o projeto eu nem acreditei e hoje estamos aqui. Para mim é um grande prazer”, disse Bem-te-vi que levou sua caixa de sorvete e distribuiu a guloseima para os presentes.

A estátua da vendedora de pirulitos tem 1,54m de altura e pesa cerca de 130 Kg. Já a do sorveteiro tem 2,60m de altura, considerando a caixa que traz acima da cabeça, e pesa aproximadamente 360 kg. Ambas são feitas em zirconita e são de autoria do escultor Eduardo Sereno. “Para mim estas esculturas têm um grande significado ainda mais por ter tido o prazer ver e conversas com os dois homenageados. Isto é muito forte. Representar esses personagens, tendo a liberdade poética de criar desde os gestos até o olhar é muito gratificante para mim, que sou ludovicense. É fantástico”, emocionou-se Eduardo Sereno.

O projeto de instalação das peças foi elaborado pela Fundação Municipal de Patrimônio Histórico (Fumph) e executado pelo Instituto Municipal da Paisagem Urbana (Impur). O patrocínio é da Alumar com o apoio da Fundação Nagib Haickel.

A presidente da Fumph, Kátia Bogéa, frisou a importância de imortalizar essas figuras históricas tão importantes para a história da cidade disse que:

São personagens que fazem parte do cotidiano e da história da nossa cidade e que precisam ser lembrados. Estamos no Centro Histórico, que é Patrimônio Mundial e estes personagens fazem parte desta história. É também um resgate do sentimento de afeto que é o que nos une, por isso somos a Ilha do Amor.

Localizadas na lateral da Praça Nauro Machado, as esculturas foram colocadas de forma que moradores e turistas possam apreciar e fotografar de perto as obras de arte. “Este é um presente muito especial para a cidade. Tantas obras entregues pelo prefeito Eduardo Braide que tem sensibilidade com nossa história e nossa cultura”, disse o presidente do Impur, Walber Filho.

Parceria

O diretor da Alumar, Helder Teixeira, destacou a parceria da empresa com a Prefeitura de São Luís, em especial a de imortalizar figuras históricas da capital. “A Alumar sempre foi uma empresa cidadã, nos preocupamos em estar próximos destes projetos que resgatam a cultura e a educação também já que outras gerações poderão entender a construção da história da sua cidade. Estas duas figuras homenageadas representam muito para a história de São Luís”, observou o gestor.

Um dos idealizadores do projeto, o presidente da Fundação Nagib Haickel, Joaquim Haickel, adiantou o futuro do projeto que deverá contar com outros monumentos. “Sempre convivi com os pregoeiros da cidade e o cartunista Cordeiro Filho tem um trabalho em desenho muito bom e foi com ele que nasceu a ideia de fazer em escultura estes personagens. Acalentei a ideia por muitos anos. Nosso desejo é colocar estátuas de outros vendedores como o carvoeiro, vendedor de peixe, de quebra queixo, bolo. A ideia é espelhar na cidade estas figuras marcantes na vida, em especial, da população dos anos 50 e 60”, adiantou Haickel.

Também estiveram presentes à solenidade a vice-prefeita Esmênia Miranda, os secretários Igor Almeida (Secom), Saulo Santos (Setur), Caroline Marques (Semed) e Liomar Macatrão (Semapa), além do superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no Maranhão (Iphan-MA) Maurício Itapary.

CPL | Central de Licitações

Fonte: https://www.saoluis.ma.gov.br/fumph e https://horaextra.slz.br.

Produção agrícola em 2021 bate novo recorde

Segundo o levantamento, entre as culturas agrícolas que mais contribuíram para esse crescimento, o destaque foi para a soja, que alcançou a marca de 134,9 milhões de toneladas, gerando R$ 341,7 bilhões em valor bruto, acréscimo de 102,1% frente à safra anterior, até então recorde na série histórica. De acordo com a Secretaria de Comércio Exterior, do Ministério da Economia, a soja foi o segundo produto em valor na pauta de exportação nacional.

Conforme o IBGE, a produção de milho, segundo produto agrícola em valor de produção, apesar da queda de 14,9% no volume produzido, de 88,5 milhões de toneladas, gerou um valor bruto de R$ 116,4 bilhões, superando em 60,7% o registrado em 2020.

De acordo com os pesquisadores, a elevada demanda externa e interna das commodities agrícolas, com o dólar mantendo sua valorização frente ao real, somada à escalada nos preços dos combustíveis, os preços dos principais produtos agrícolas nacionais estabeleceram-se em patamares elevados. Como resultado, a produção agrícola brasileira, em 2021, apresentou novo crescimento no valor de produção. Informa o IBGE que:

O ano foi marcado pela instabilidade climática entre o outono e o inverno, que afetou principalmente o desenvolvimento das culturas de segunda safra em boa parte do território nacional. Culturas como o milho, a cana-de-açúcar e o café apresentaram significativa queda na produção. Os estados do Paraná e Mato Grosso do Sul foram os mais afetados.

“Contudo, as principais culturas temporárias com predomínio de cultivo na primeira safra, como a soja e o arroz, apresentaram bons resultados. Destaque para o estado do Rio Grande do Sul, que apresentou boa recuperação, após problemas climáticos enfrentados no ano anterior, que afetaram a produtividade de diversas culturas no território gaúcho”, acrescentou o instituto.

A quantidade produzida de cana-de-açúcar teve retração de 5,3% em 2021, influenciada por fatores climáticos desfavoráveis e redução da área de cultivo. Entretanto, o valor de produção alcançado no ano foi 24,4% superior, resultado da elevação dos preços do açúcar e etanol.

“A produção de café, outro importante produto agrícola nacional, em ano de bienalidade negativa do tipo arábica, registrou expressiva queda na produção frente à safra anterior, com redução de 19,2%, porém, com o aumento dos preços do grão no mercado global, apresentou crescimento do valor da produção na ordem de 27,9% no ano”, diz a pesquisa.

O Centro-Oeste, mais uma vez, foi a região com maior valor da produção agrícola, totalizando R$ 261,3 bilhões, superando em 80,4% o período anterior, com destaque na produção de soja, milho e algodão. O destaque regional foi Mato Grosso, com a geração de R$ 151,7 bilhões, crescimento de 91,5% no ano, grande parte devido à soja, seu principal cultivo.

Segundo o IBGE, Sorriso, em Mato Grosso, com aumento de 86,4%, mais uma vez gerou o maior valor da produção agrícola nacional entre os municípios brasileiros, totalizando quase R$ 10 bilhões, tendo a soja e o milho como as culturas de maior valor.

O Sul registrou o segundo maior valor da produção entre as grandes regiões, com R$ 191,4 bilhões, um acréscimo de 73,4%. O município de Guarapuava, no Paraná, novamente registrou o maior valor da produção agrícola regional, gerando R$ 1,6 bilhão, com a soja como seu cultivo principal.

A Região Sudeste, por sua vez, destacou-se pela produção de cana-de-açúcar e café, alcançando R$ 165,1 bilhões, registrando alta de 32,2%. O município de Unaí, em Minas Gerais, teve o maior valor da produção agrícola regional, de R$ 2,7 bilhões, gerado, sobretudo, pela produção de soja em 2021.

Lembrando-se que o PT obteve liminar que diminui período de plantio da soja em Mato Grosso. O Estado é o maior produtor do grão no Brasil.

Fonte: https://www.istoedinheiro.com.br e https://revistaoeste.com.

A FORÇA DE UM SONHO: Ex-aluno de escola pública do Maranhão é aprovado em 5 universidades dos EUA

Egresso do Curso Técnico em Artes Visuais, do IFMA  – Campus São Luís Centro Histórico, onde atuou em monitoria de eventos e curadoria no Memorial IFMA, Pedro Filipe Prado, submeteu-se a um concorrido  processo de seleção, conhecido como Application, e foi aprovado em cinco universidades norte-americanas com bolsa de estudos. O maranhense conseguiu bolsas de estudos em cinco universidades da Flórida, Pensilvânia, Missouri e Ohio.

O jovem, que sempre estudou em escola pública, viu o sonho de estudar no exterior se tornar realidade após ser aprovado em cinco universidades dos Estados Unidos. Natural de Paço do Lumiar, na Região Metropolitana de São Luís, Pedro Filipe estudou a vida inteira em instituições da rede pública de ensino.

Após terminar o ensino médio, em 2020, o jovem não se identificou com os cursos ofertados pelas universidades do Brasil e começou a se preparar para se candidatar às instituições norte-americanas. Explica que:

Não me identifiquei com o currículo das universidades daqui de onde eu me encontrava. Então, a partir desse momento, eu busquei lugares que oferecem aquilo que eu estava procurando. Primeiro, o curso que não tem aqui e, segundo, foi o modelo de currículo que eu estava procurando.

Buscando realizar o desejo de estudar no exterior, Pedro Filipe inscreveu-se em oito universidades dos Estados Unidos. Os resultados começaram a chegar no mês de março, por meio de cartas físicas, enviadas pelo correio, e virtuais, disponibilizadas pelos sites das instituições.

De início, ele recebeu três respostas negativas, mas, nas semanas seguintes, o jovem foi aprovado nas outras cinco universidades que havia se candidatado.

Pedro Filipe conseguiu bolsas de estudos em Stetson University (Flórida), Temple University (Filadélfia-Pensilvânia), Saint Louis University (Saint Louis- Missouri), Elizabethtown College (Pensilvânia) e Notre Dame College (Ohio). Ressalta que:

Eu fiquei feliz e contente por ver que todo aquele esforço durante o processo tinha valido a pena.

Até o momento, o jovem ainda não decidiu em qual universidade vai ingressar, mas já tem a certeza de que será uma escola de Business. Para alcançar a conquista, Pedro conta que foi essencial se preparar para as etapas, pois elas são um fator determinante para a aprovação e conclui que:

O primeiro passo é acreditar em si mesmo. O segundo é se preparar, ter atenção e estudar um pouco sobre quais são as etapas. Penúltimo, procurar pessoas que tenham objetivos semelhantes e se conectar com elas. Aí sua trajetória não se torna mais fácil, mas você tem uma comunidade de apoio. Por último, ter seus objetivos claros ou ter motivos claros sobre aonde você quer chegar.

Pedro sempre buscou se engajar nas atividades do IFMA Campus Centro Histórico. Atuou em monitoria de eventos até curadoria no Memorial IFMA, projeto que o ajudou no desenvolvimento de sua oratória ao mesmo tempo que contribuía para a preservação da memória do Instituto e sua rede. De acordo com Pedro, o Projeto Memorial IFMA foi um pontapé inicial para desenvolver a sua habilidade de falar em público, auxiliando-o nas entrevistas das universidades.

Em sua análise, em cada experiência ele conheceu pessoas que também  estavam trabalhando para reduzir algum problema e, ao se juntar a elas, como comunidade, obteve a ampliação de sua visão de mundo, passando a conhecer oportunidades que até então estavam distantes da sua realidade.

Fonte: portal.ifma.edu.br; O Imparcial e Bnews.

Telefonia e internet 5G chegam a São Luís na próxima segunda-feira, dia 19 de setembro de 2022

Telefonia e internet 5G chegam a São Luís na próxima segunda-feira, de acordo com Anatel passam a ser 22 capitais com a nova tecnologia.

O sinal da quinta geração de telefonia móvel e Internet chega a São Luís na próxima segunda-feira (19). Além da capital maranhense, passam a contar com o serviço Campo Grande (MS), Aracaju (SE), Maceió (AL), Teresina (PI), Cuiabá (MT) e Boa Vista (RR).

Segundo Moisés Moreira, diretor da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que preside o grupo técnico responsável por aprovar a ativação do serviço, o Gaispi, com essa liberação de sinal, passam a ser 22 unidades federativas com o 5G.

A liberação do sinal será confirmada em reunião ordinária do Gaispi, marcada para às 10h desta quarta-feira (14). Já na sexta-feira (16), as três operadoras que arremataram no leilão a licença nacional de 3,5 GHz (Claro, TIM e Vivo) terão acesso aos boletos para pagar a taxa de instalação (TFI/Fistel) das antenas — é cobrado o valor de R$ 1.340 na ativação de cada estação rádio base (ERB).

O 5G já está presente em Brasília (DF), Belo Horizonte (MG), João Pessoa (PB), Porto Alegre (RS), São Paulo (SP), Curitiba (PR), Salvador (BA), Goiânia (GO), Rio de Janeiro (RJ), Palmas (TO), Vitória (ES), Florianópolis (SC), Recife (PE), Fortaleza (CE) e Natal (RN).

Esta versão da tecnologia é chamada de “standalone” ou “SA”, por possuir núcleo de rede independente do 4G e oferecer operação mais eficiente com menor tempo de resposta (latência) aos comandos dos usuários.

Saiba quais aparelhos de celular disponíveis no Brasil são compatíveis com o 5G atualmente:

Celulares Samsung 5G

  • Galaxy A22 5G
  • Galaxy M23 5G
  • Galaxy A32 5G
  • Galaxy M52 5G
  • Galaxy A33 5G
  • Galaxy A53 5G
  • Galaxy A52s 5G
  • Galaxy M53 5G
  • Galaxy A73 5G
  • Galaxy S21 5G
  • Galaxy S21 FE 5G
  • Galaxy S22 5G
  • Galaxy Note 20 5G
  • Galaxy S21+ 5G
  • Galaxy S22+ 5G
  • Galaxy Note 20 Ultra
  • Galaxy Z Flip 3 5G
  • Galaxy S21 Ultra 5G
  • Galaxy S22 Ultra 5G
  • Galaxy Z Fold 3 5G
  • Galaxy Z Fold 2 5G

Aparelhos Apple 5G

  • iPhone 12 mini
  • iPhone 12
  • iPhone 12 Pro Max
  • iPhone 13 mini
  • iPhone 13
  • iPhone 13 Pro
  • iPhone 13 Pro Max

Celulares Motorola 5G

  • Moto G50 5G
  • Moto G 5G
  • Moto G 5G Plus
  • Motorola Edge
  • Moto G71
  • Motorola Edge 20 Lite
  • Moto G100 5G
  • Motorola Edge 30
  • Motorola Edge 20
  • Moto G200 5G
  • Motorola Edge 20 Pro
  • Motorola Edge 30 Pro

Aparelhos Asus 5G

  • Zenfone 7
  • Zenfone 8
  • Zenfone 8 Flip
  • ROG Phone 5
  • ROG Phone 5s
  • ROG Phone 3
  • ROG Phone 5s Pro

Aparelhos Xiaomi 5G

  • Redmi Note 11 Pro 5G
  • POCO X4 Pro 5G
  • Redmi Note 10 5G
  • POCO M3 Pro 5G
  • POCO M4 Pro 5G
  • Xiaomi 11 Lite 5G NE
  • Xiaomi 12 Lite
  • Xiaomi 12
  • Mi 10T
  • POCO F3
  • Mi 10T Pro
  • Mi 11

Celulares Realme 5G

  • Realme 8 5G
  • Realme 7 5G
  • Realme 9 Pro+
  • Realme GT Master Edition
  • Realme GT 2 Pro
  • Realme 9

Celulares TCL

  • TCL 20 Pro 5G

Celulares Infinix

  • Infinix Zero 5G

Fonte: https://maranhaohoje.com/

Peri-Mirim: A Associação dos Moradores do Quilombo Pericumã (AMQUIPE) elege sua nova Diretoria

Em Assembleia Geral realizada no sábado, dia 27/08/2022, na sede do Clube Juventude Junior, foi eleita a nova Diretoria da AMQUIPE (Associação dos Moradores do Quilombo Pericumã) que terá um mandato de três anos de acordo com o Estatuto da Entidade.

É Objetivo da nova Diretoria  buscar benefícios pra comunidade visando a melhoria na qualidade de vida de todos. A Diretoria ficou assim constituída:

Diretoria Executiva

Presidente: Maninho Braga

Vice-presidente: Simeão Gonçalves

Primeiro Secretário: Sandro da Cantanhede

Segundo Secretário: Marcia Araújo

Primeiro Tesoureiro: Claudiane Nogueira

Segundo Tesoureiro: Ana Silvia C. Barbosa

Conselho Fiscal:

Titulares:

Jose Augusto Silva

Patrícia Almeida

Dourizete Pereira (Zetinho)

Suplentes:

Taliane Freitas

Guilhermina Sá Neta (Guida)

Vadinho

A Assembleia foi muito representativa contando com um número expressivo de moradores. E tivemos as presenças importantes da Secretária de Igualdade Racial de Peri-Mirim a senhora Geilsa Ferreira, do representante da Secretaria de Direitos Humanos do Estado, o senhor Lourenço Silva, do representante do Sindicato dos Lavradores de Peri-Mirim o senhor Joquinha e do presidente da Associação do Quilombo Tijuca Walter Amorim.

SÃO VICENTE FÉRRER, UMA HISTÓRIA DE FÉ

Por Gracilene Pinto

Dizem que tudo começou quando o Capitão de El-Rei, Luís Gonçalo de Guimarães começou a procurar o lugar Jabutituba para seu descanso e recreação, levado pelo clima aprazível e águas piscosas. Tais fatores, juntamente com a fertilidade da terra, levaram outras pessoas a pedir Cartas de Sesmaria para ali fincar raízes.

Segundo a saudosa professora Zazinha Costa, foi isto o que ocorreu com um português de nome José Gomes da Costa, o qual se fixou no lugar chamado Tapuio, e, mais tarde, seus descendentes vieram a fundar a Vila de Frexeira, com um traçado topográfico igual ao centro histórico da cidade, no lugar onde antes havia um aldeamento indígena.

O crescimento econômico da região deve ter sido o fator primordial para que em 05/11/1805 a Rainha de Portugal assinasse uma Provisão Régia desmembrando territórios de São Bento e Viana para criação de uma nova Freguesia consagrada ao sacerdote e grande pregador espanhol. Assim nasceu a Freguesia de São Vicente Férrer do Cajapió, com dois Distritos, sendo primeiro o de Frexeira e o segundo de Cajapió. Em 25/10/1830, o Vigário encomendado Francisco de Paula e Silva, agindo em nome do Arcebispo do Maranhão, Dom Marcos Antônio de Sousa, deixou provisão para edificação da Igreja Matriz. E, em 27/08/1856 a Lei Provincial nº 432 elevou a povoação à categoria de Vila.

Considerando que as sedes dos dois Distritos já existiam quando da criação da nova Freguesia, só a cidade de São Vicente Férrer completará 217 anos em 05/11/2022, comprovadamente. Bicentenária, portanto, o que está sobejamente comprovado com provas documentais. E a autorização para edificação da sua Igreja Matriz completará 192 anos em outubro de 2022.

Assim como seu padroeiro, São Vicente Férrer tem uma história de fé e de amor. Não só no nome. Mas, também na luta daqueles que, eclesiásticos ou leigos, consagraram sua vida à praticar e propagar o Evangelho de Jesus, lutando por um futuro melhor, sem esquecer de preservar os valores primordiais ao ser humano, resistindo às vicissitudes e mantendo a esperança no futuro, sempre confiantes na Providência Divina. Sim, São Vicente também ofertou filhos seus à Igreja Católica para o labor clerical e a divulgação do Evangelho.

Esta é a nossa Terra da Carambola, terra dos campos verdes e piscosos, das festas e procissões, das lendas e dos serões, comemorando 166 anos de Município e duzentos e tantos anos de existência, onde o povo audaz e valente sempre leva à frente o estandarte do amor e da fé!
Parabéns.
Por: Gracilene Pinto
PASCOM, São Vicente Férrer-MA, Missa, 27 de agosto de 2022.

A SANTA MÃE DA CHAPADA

Por Zé Carlos

Nos confins da Chapada, em um casebre, extremamente magro e banguela, desprovido de viva e saudável agitação, arrastava-se uma anosa “cabôca”, ferozmente presa àquela cadência, que se confundia com o seu infindável dia. Entretanto, a vida, poucas vezes, despertava e lhe aparecia, a fim de manter aquela tênue centelha, acesa.

Restava-lhe só uma persistente réstia de vitalidade, enfim, que a impulsionava e a mantinha, em sua simplória existência. Sacra existência, a seguir permeada por “um tiquinho de branquinha”; por “galinhos de oriza, de arruda, de alecrim, de manacá”; por uma onipresente, inquebrantável e rubra figa; por duras penitências e orações; por muita e muita fé. Existência sagrada, a resgatar “amor perdido”, a amansar “amor bandido”, a desvendar sonhos, a espantar “mufina”, a quebrar “mal olhado” e a emendar “arca caída”. Verdadeiramente, a mais sacra existência de uma “velha e santa benzedeira”, vivificada em todo o seu encarquilhamento, como se o tempo estivesse a lhe marcar com todo o seu sofrer. O de agora e o de sempre.

Ali, naquele ambiente, macilento e anêmico, agarrava-se, sôfrega, às ladainhas, simples e dolentes, a invadirem o ocaso, desmaiante e saudoso de todas as campinas e seus mistérios. Então, o que lhe restava?! Só um minguado tudo! Um espectro de cachorro, perdido em tamanha magreza e em uns uivos mirrados; e a sua fiel companhia, a lhe consumir em sua vagareza. O cachimbo encardido, como tudo que ali havia. O copo curinga, encardido e amassado, de alumínio, que se fazia esquecido na chorosa e hirta estaca, à espera do guloso “mergulho” na salobra água do encardido pote. O prato, a colher, a xícara, o papeiro, a panela, a descansar, também encardidos, “num cofinho”, “de boca aberta”, dependurado bem “no seio” da cozinha, a lhe atestar a valia do tão pouco. Certamente, o seu verdadeiro tesouro.

Ali, naquela modorra, ia-se, com certeza, encontrar a nossa fiel “cumadre”, a nossa fiel “tia”, a nossa fiel “madrinha”, a nossa fiel “mãe do mato”, acocorada, ao lado de suas encardidas tacurubas, em sua “pose” de sempre, com a puída e única saia de chita entre as pernas, a soprar o turrento carvão, que teimava em não “apegar”. No entanto, em seus mistérios, despendia um bafo quente a lhe encher os olhos de um ardume persistente, envolto em um mar de cinza, que invadia a cozinha, toldando-lhe os ralos cabelos de muitos e muitos e muitos pontos esbranquiçados, a lhe atestarem o quanto foi árdua, e plena, a sua jornada.
E que jornada, a da “mãe” Cipriana!

Imagem da Internet.

O DIA DO AZAR

O dia mais aziago do ano é 24 de agosto, dia de São Bartolomeu, quando o diabo se solta do inferno.

Dia 24 de agosto de 1572, dia de São Bartolomeu, foi considerado pelos povos da Europa, como o dia do demo. Mas, a tradição de dias azarentos existe desde os romanos, que tinham uma tabela de sacrifícios para as horas más, criando também, as “horas abertas”, no Brasil e em Portugal.

Agosto é um mês marcado por fatos trágicos de relevância para a História. Em 1572, na noite de 23 para 24, teve início em Paris, por ordem da rainha Catarina de Médici, o massacre dos protestantes, fato que perdurou até outubro.

O episódio entrou para a História como “A Noite de São Bartolomeu”. Foi um verdadeiro banho de sangue que impregnou na mente dos não católicos da Europa a convicção de que o Catolicismo era uma religião sanguinária e traiçoeira. Para comemorar o feito o Papa Gregório XIII, entre outras homenagens, enviou ao rei da França a condecoração da Rosa de Ouro.

Séculos depois, os dois maiores conflitos da humanidade tiveram início nesse fatídico mês: a Primeira Guerra em 1914, no dia 1º, e a Segunda em meados desse mês com o deslocamento das tropas alemãs para a fronteira com a Polônia. Segundo Leonardo Mota:

 Agosto é o mês desmancha-prazeres da humanidade.

O mês de Agosto também é marcado por acontecimentos tristes na memória do povo  brasileiro, especialmente no campo político. Foi em agosto de 1976 que o ex-presidente Juscelino Kubitscheck de Oliveira morreu em um trágico acidente na via Dutra. Também em agosto, em 1961, o presidente Jânio Quadros renunciou à presidência da República mergulhando o país numa das mais graves crises institucionais de sua história.

No campo artístico, nunca é demais lembrar a morte súbita da intérprete brasileira mais conhecida no exterior, Carmen Miranda, ocorrida em agosto de 1955. Porém, o fato mais chocante ocorreu no dia 24 de agosto de 1954. Naquela data o presidente Getúlio Dorneles Vargas emocionou o país ao praticar o suicídio em pleno exercício do cargo.

Expressões para o dia aziago: A coisa está feia; Atolado até o pescoço; Má sorte; Comer o pão que o diabo amassou; Descer ao fundo do poço; A vaca foi pro brejo; Dar com os burros n´água; Mensageiro do apocalipse; A bruxa está solta; Maré de azar; Na lama; Na pior; Maré de azar; Desceu a ladeira; Mau pedaço; Na pior; Estar lascado; De mal a pior; Dar sopa para o azar; Cair do cavalo; Em maus lençóis; Maré não está para peixe; Estar numa fria; Entrar pelo cano; Quando a porca torce o rabo; Na merda; Entrar pelo cano; Perdido no mato sem cachorro; Beco sem saída; Sem luz no fim do túnel; Vida de cão; Azar no jogo; Era tão azarado que, se quisesse achar uma agulha no palheiro, era só sentar-se nele; Se bater na madeira afasta o azar então to precisando desmatar a Amazônia na base da porrada; A diferença entre uma pessoa de sorte e uma azarada é simples: a de sorte joga na Mega-Sena e ganha o prêmio entre milhões de jogadores. A azarada descobre que tem uma doença rara que atinge uma a cada 10 milhões de pessoas; Eu só posso ter picado salsicha na tábua dos 10 mandamentos pra sofrer assim…; Sou tão azarada que se inventassem uma pílula da imortalidade, eu morreria engasgada com ela; Tenho tanto azar que pra acertar os 6 números na megasena é fácil, só preciso marcar os números e guardar sem jogar; Mudar de fila faz com que imediatamente a fila de onde você saiu comece a andar mais depressa do que a sua; Se você chega cedo, o espetáculo será cancelado. Se você se mata para chegar na hora, terá que esperar. Se você chega atrasado, começou na horas; Sempre que aponto algum favorito, ele dança antes da hora; O pão do pobre quando cai no chão é sempre do lado da manteiga; Se tenho algo confidencial, esqueço na máquina de xerox; Lei da experiência: não vai funcionar; A adversidade é nossa mãe, a prosperidade é apenas uma madrasta; “A vida é um jogo de azar, e as probabilidades de ganhar são impossíveis; No caminho, um táxi passou a toda velocidade, determinado, numa poça d’água e encharcou seu terno; Sempre recolho moedas do chão. Deixei cair moedas da minha carteira e as chutei; É tudo muito simples, uma situação que pode ser resumida em duas palavras: A-ZAR; Se o caso é ganhar ou perder, você perde; Você erra, todos julgam. Você acerta, ninguém vê; Tenho azar no amor e sorte no azar; Talvez tenha azar no amor, mas sempre tive sorte na descoberta de desamores complicados!.

Neste dia (24 de agosto), festejamos a santidade de vida de São Bartolomeu, apóstolo de Jesus Cristo, que na Bíblia é citado com o nome de Natanael (que significa dom de Deus), a liturgia sobre o Santo nos convida a escapar das superstições com a seguinte lição: “Livrem-se destes fardos inúteis, subamos com pressurosa esperança a escada de Jacó: o Filho do Homem, que associa a família humana à divina família do Pai”.

Fontes: https://www.pensador.com/; https://www.hnt.com.br/; https://miltonparron.band.uol.com.br/; https://www.recantodasletras.com.br/; https://padrepauloricardo.org/; https://conventodapenha.org.br/ e https://moraisvinna.blogspot.com/. Imagens da Internet. Pesquisa realizada por Ana Creusa

Celina Guimarães Vianna, primeira mulher a votar no Brasil

Celina Guimarães Vianna foi a primeira eleitora do Brasil, alistando-se aos 29 anos de idade. Com advento da Lei nº 660, de 25 de outubro de 1927, o Rio Grande do Norte foi o primeiro estado que estabeleceu que não haveria distinção de sexo para o exercício do sufrágio. Assim, em 25 de novembro de 1927, na cidade de Mossoró, foi incluído o nome de Celina Guimarães Vianna na lista dos eleitores do Rio Grande do Norte. O fato repercutiu mundialmente, por se tratar não somente da primeira eleitora do Brasil, como da América Latina.

Tendo a requerente satisfeito as exigências da lei para ser eleitora, mando que inclua-se nas listas de eleitores. Mossoró, 25 de novembro de 1927. Israel Ferreira Nunes, Juiz de Direito.

Celina Guimarães Vianna foi uma professora brasileira e é considerada a primeira eleitora no Brasil. Nascida dia 15 de novembro de 1890, na cidade de Natal, Rio Grande do Norte, a menina era filha de José Eustáquio de Amorim Guimarães e Eliza de Amorim Guimarães. Ela começou os estudos na Escola Normal de Natal, lugar onde concluiu o curso de formação de professores.

Nessa escola que Celina conheceu seu companheiro para vida toda, Elyseu de Oliveira Viana, um jovem estudante vindo de Pirpirituba/PB, com quem se casou em dezembro de 1911. No ano seguinte do casamento, eles foram para Acari/RN e, dois anos depois para Mossoró, onde Celina aceitou o convite do diretor de Instrução Pública do Estado para assumir a cadeira infantil do Grupo Escolar 30 de Setembro.

Com o advento da Lei nº 660, de 25 de outubro de 1927, o Rio Grande do Norte foi o primeiro Estado que, ao regular o “Serviço Eleitoral no Estado”, estabeleceu que todos os cidadãos que reunissem as condições exigidas pela lei poderiam “votar e serem votados, sem distinção de sexos”. Dessa forma, Celina Guimarães, nascida no estado do Rio Grande do Norte, requereu a inclusão no rol de eleitores do município de Mossoró, em novembro do mesmo ano, e após a aprovação tornou-se a primeira mulher na América do Sul a conquistar o direito de votar.

Em abril de 1928, quatro anos antes do código eleitoral, Celina votou pela primeira vez junto com outras 14 mulheres potiguares, que já estavam alistadas. Na mesma ocasião, o estado também registrou a eleição da primeira prefeita do país: Alzira Soriano, eleita para comandar a cidade de Lajes (RN) com 60% dos votos. Ela tomou posse no cargo em 1º de janeiro de 1929.

A luta da educadora de 29 anos inspirou outras mulheres a exigir o direito de votar, isso levou mais 19 mulheres a conseguirem a permissão para participar da eleição de 5 de abril de 1928. A conquista total do voto feminino no Brasil aconteceu apenas em 1932, com o decreto do então presidente Getúlio Vargas. Celina de uma forma simples deu início a uma luta pelos direitos feminino. 

Sabe-se bem que as mulheres dependiam da autorização do marido para os atos da vida civil, chamada outorga uxória, com Celina não foi diferente, conforme ela mesma declara:

Eu não fiz nada! Tudo foi obra de meu marido, que empolgou-se na campanha de participação da mulher na política brasileira e, para ser coerente, começou com a dele, levando meu nome de roldão. Jamais pude pensar que, assinando aquela inscrição eleitoral, o meu nome entraria para a história. E aí estão os livros e os jornais exaltando a minha atitude. O livro de João Batista Cascudo Rodrigues – A Mulher Brasileira – Direitos Políticos e Civis – colocou-me nas alturas. Até o cartório de Mossoró, onde me alistei, botou uma placa rememorando o acontecimento. Sou grata a tudo isso que devo exclusivamente ao meu saudoso marido.

Pesquisa Ana Creusa.

Fontes: https://www.tse.jus.br/; https://www.camara.leg.br/; https://www.bbc.com/;  https://silveiradias.adv.br/.

Laélia Alcântara, a primeira senadora negra

A baiana Laélia Contreiras Agra de Alcântara, nascida em Salvador em 7 de julho de 1923 é a primeira mulher negra a exercer o mandato de Senadora Federal, eleita pelo Acre, na época, território federal.

Filha de Júlio e Beatriz Contreiras Agra, formou-se médica em 1949, pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Da academia, transferiu-se para o Acre, que tinha apenas seis médicos! Lá, ela especializou-se em atendimentos nas áreas de obstetrícia e pediatria e deu aula de puericultura na Escola Normal de Rio de Branco.

Sua carreira política começa em 1962, quando é eleita suplente de deputado federal em 1962, pelo PTB,  migrou para o antigo MDB, após o bipartidarismo decretado pelos militares em 1965.

Em 1974, em nova eleição, conquista outra suplência. Desta vez do senador Adalberto Sena.

Com a volta do pluripartidarismo em 1980, acompanha o partido na mudança da sigla. E é como peemedebista que ela se torna a primeira mulher senadora da República, num mandato de cinco meses, de abril a agosto de 1981, devido o afastamento o titular, por questões de saúde.

Adalberto Sena retoma seu mandato, mas em janeiro de 1982 vem a falecer, confirmando seu pioneirismo na câmara alta do Congresso Nacional.

Ao ser efetivada, Laélia de Alcântara torna-se, também, a terceira senadora de nossa história.

Como curiosidade, vale saber, que a Princesa Isabel foi a primeira mulher senadora do Brasil, por direito dinástico, durante o Império. A segunda foi Eunice Michiles, do PDS do Amazonas.

Isabel, em sua passagem pelo Congresso Nacional, posicionou-se contra o aborto, contra o racismo e apresentou emendas permitindo o ingresso de mulheres na Força Aérea Brasileira.

Presidente do Conselho Regional de Medicina do Acre, Laélia também atuou como secretária de Saúde entre maio e setembro de 1987, ocasião em que encerrou sua carreira política.

Laélia morreu em 30 de agosto de 2005 no Rio de Janeiro.

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/La%C3%A9lia_de_Alc%C3%A2ntara

http://www.fgv.br/cpdoc/

Laélia Alcântara, a primeira senadora negra

%d blogueiros gostam disto: