José e seus cofinhos

Por Ana Creusa

José dos Santos era um contador de histórias, hábito que herdou de sua mãe Ricardina. Algumas histórias eram fruto da literatura infantil, outras oriundas de vivências de sua infância. A primeira história que lhes conto agora “aconteceu de verdade”, como se diz no linguajar popular. A história relata a experiência – que tinha tudo para ser traumática -, que José viveu para aprender a arte de tecer cofos.

Sua mãe era carinhosa, mas muito exigente no quesito transmissão de valores, como boas maneiras, estudo e trabalho, principalmente a preocupação que tinha para que seus filhos aprendessem um ofício.

A história relata o aprendizado do menino José na tarefa de tecer cofos, que é uma espécie de cesto para carregar e guardar vários mantimentos, são feitos da folha da palmeira de babaçu, típica da Baixada Maranhense.

Pois bem, mais ou menos aos oito anos de idade, os filhos daquela época eram chamados a aprender a fazer cofos. Chegou a vez de José e quem se encarregou dessa tarefa foi sua mãe, que chamou o filho e começou a ensinar-lhe. Ele, apesar de inteligente, não conseguia aprender a tarefa. Ricardina, já sem paciência e com uma “taca” nas mãos começou a ameaçar o filho que cada vez sabia menos, nem se lembrava mais como se segurava a palha nas mãos para fazer o traçado do cofo.

A mãe, irritada, resolveu “largar de mão” e disse aquilo que não se pode dizer a um filho:

– Vai, você nunca vai aprender!!

José, cabisbaixo, seguiu para a mata e voltou depois de várias horas. A mãe já estava preocupada com o sumiço do filho. O menino retornou com vários cofinhos, de admirável beleza. Com isso, ao longo de sua vida, José ficou conhecido como quem fazia os mais belos cofos do lugar e ainda abanos e mensabas.

Eu tinha meu cofinho, usado como mala, na qual guardava minhas roupas. Ele tinha o aroma dos trevos do campo, para perfumar as peças do meu singelo vestuário.

Com esta história de vida, aprende-se que nunca se deve pressionou os filhos para aprender. José somente aprendeu a fazer cofos na tranquilidade da natureza. Sua mãe feliz, não se cansava de elogiar a inteligência do filho amado.

ENFIM, FOMOS ESTUDAR NA SEDE DO MUNICÍPIO DE PERI-MIRIM

Por Ana Creusa

Cada nova etapa das nossas vidas, papai (José dos Santos) nos preparava. Ele não nos chamava para uma conversa, apenas falava sobre o tema de forma natural. Passado o tempo, percebi que todas aquelas conversas, aparentemente casuais, eram meticulosamente planejadas pelo nosso orientador sem rival [1].

As orientações eram passadas em muitas etapas: dando exemplos, contando histórias, de todas as formas, até que o orientando pudesse colocar em prática aqueles ensinamentos.

Claro que, em uma prole numerosa, havia os teimosos, que não colocavam em prática os ensinamentos, ou não entendiam. Mas papai tinha certeza de que a semente fora plantada. Tanto que, passados os anos, aqueles que não seguiam as orientações, se diziam arrependidos e, não raras vezes, se viam repetindo as lições aos seus próprios filhos.

Nós estudávamos na Escola Sá Mendes[2], no povoado contíguo ao nosso, a Ilha Grande. A partir do 2º ano primário, nossos pais decidiram nos colocar no Grupo Escolar Carneiro de Freitas, cujo acesso se dava com uma entrevista com diretora do Grupo, Cecília Euzamar Campos Botão.

Era início do ano de 1969. Nossa mãe foi nos matricular com a temida Cecília Botão. Essa missão era da nossa mãe. Eu, como sempre, a acompanhava nessas missões, apenas para “ouvir conversa”[3].

Mamãe foi comigo à casa de Cecília. Devidamente munida dos documentos dos filhos e respectivos boletins.

Cecília examinava tudo. Queria saber do desempenho dos candidatos e, principalmente, do comportamento. Mamãe elogiava cada um de nós. Eu até pensava que ela estava falando de outras pessoas, eram somente elogios.

Mamãe havia dito que eu e minha irmã Ana Cléres iríamos iniciar o 1º ano e os demais o 2º ano, para que fôssemos todos juntos. Antes da minha matrícula no 1º ano, mamãe falou para Cecília que eu já sabia ler e escrever antes de ir para a escola. A mestra fez um teste rápido e me pôs no 2º ano, juntamente com os demais irmãos naquela série: Ademir e Maria do Nascimento.

Antes de irmos para a escola, papai falou muitas vezes:

– Vocês vão estudar em Peri-Mirim, lá tem filho de pobre, como nós, mas tem filhos de ricos. Vocês vão para lá não é para se equiparar com esses meninos e sim estudar.

Sempre falava: vocês não vão para a escola, para se compararem aos filhos de Dico de Álvaro, José Sodré, Clóvis Ribeiro ou Altiberto[4], que meu pai considerava que fossem ricos. Vocês vão para escola estudar e para ser alguém na vida.

Nessas conversas, ele contava histórias de ricos sem conhecimentos e de pobres instruídos, estes sempre levavam vantagens sobre aqueles. Lembro-me da história dos amigos, um rico e outro pobre. O pobre foi estudar e o rico ficou trabalhando com o pai para aumentar a fortuna[5].

Nossos pais estavam sempre atentos para que frequentássemos as aulas e tivéssemos bons rendimentos. Acordávamos muito cedo para início das aulas às 07:30h, após trocarmos a roupa, pois, que fazíamos a viagem do nosso povoado até a sede.

Papai e mamãe nos auxiliavam em todas as atividades antes de irmos à escola. Quase sempre papai nos convencia a tomar banho:

– Tem que tomar banho para tirar a murrinha de japi[6].

E nós dizíamos[7]:

– Vamos banhar na casa de Vovó Patuca[8], para que banhar aqui?

Não adiantava argumentar. Tinha que tomar banho, era inegociável. Afinal, tinha que tirar o cheiro de japi e substituir pelo cheiro agradável das plantas: jardineira, estoraque, trevo, erva santa e outros. Não tinha sabonete que se comparasse àquele perfume campestre.

Outro ritual sagrado era: enquanto nossa mãe coava o café, papai ia até à horta do quintal colher macaxeira ou batatas para cozinhar, para ninguém sair com fome, senão não conseguia aprender nada, dizia ele para nos convencer a comer bem.

Uma cena inesquecível: papai lavava a macaxeira bem lavadinha, de forma a sair toda a terra. Depois descascava com cuidado para não sujar, pois ele não lavava a macaxeira branca porque, para ele, parte dos nutrientes se perderia.

Passado o tempo do banho difícil. Daí para frente, era só alegria.

Papai colocava aquele alimento fumegante no prato e mamãe vinha com o café, sempre gostoso. Eram abençoados pelos dois. Mamãe sempre preocupada para não esquecermos nada e papai, contando alguma história e dando conselhos, por meio de parábolas.

Quem não iria feliz para a escola depois desse ritual? Caminhávamos todos os dias 10 quilômetros para ir e vir da Escola, enfrentando sol, chuva, poeira e lama. Atualmente contamos com transporte escolar – muita coisa mudou … 

Esse relato demonstra muitas mudanças no processo de ensino de Peri-Mirim. Hoje temos transporte escolar, livros, farda.

Nós quebrávamos coco babaçu durante o verão para comprar os livros e a farda. Ainda pagávamos Caixa Escolar. Era tudo mais difícil.

Nossa maior alegria era olhar o trator do padre para pegar uma carona, era um transporte muito desconfortável.

Um senhor que tinha um carro chamado Rural, ele passava por nós e nem olhava! Ainda jogava em nós poeira ou lama, a depender da estação do ano.


Referências

[1] Papai gostava de dizer “fulano é sem rival”, significa que ninguém sabe fazer melhor. Definitivamente, José Santos era um orientador sem rival, nesse quesito, ele era um campeão absoluto.

[2] Escola Sá Mendes, nome dado em homenagem ao 1º intendente de Peri-Mirim (cargo que equivale ao de prefeito). João de Deus Martins, meu bisavô materno conseguiu com o seu amigo a instalação dessa escola municipal. Atualmente, a escola funciona no povoado Cametá.

[3] Eu tinha o hábito de ouvir as conversas dos adultos com muita atenção.

[4] Eu tinha muita curiosidade de saber quem eram essas pessoas. Por coincidência, ou não, estudei com filhos de Dico de Álvaro, Clóvis Ribeiro e Altiberto. Comprovei que eles tinham condições financeiras bem melhores que as nossas. Com essa convivência pude entender o queria dizia o meu pai. Eles poderiam comprar sapatos de couro (nós usamos de borracha, bem mais baratos); trocar de fardas todos os anos, ou sair em pelotão especial nos desfiles de 7 de setembro; coisas que não estava em nossos planos.

[5] Recomendo a leitura da história alusiva a esse assunto no Capítulo “Estórias que fizeram História”.

[6] Japi – Conhecido vulgarmente como xexéu, japi, japim, japiim. A ave é conhecida por ter mal cheiro.

[7] Alguns filhos tinham mais resistência e tomar banho. Fazíamos um gritinho característico para espantar o frio: “foi papai que mandou …”.

[8] Patuca é alcunha de Patrocina Pinto, mãe de Jacinto Pinto.

Artigo publicado na página 50 do Livro CEM ANOS DE GRATIDÃO  de autoria de Ana Creusa.

A DESCENDÊNCIA DE JOSÉ DOS SANTOS

Levou para aquela terra seus filhos, seus netos, suas filhas e suas netas, ou seja, toda a sua descendência. Gênesis 46:7.

José dos Santos é o patriarca da Família Martins Santos, ele carregou em si a ideia primordial da paz, pregando que todas são irmãs entre si, filhos de um único Pai. Seu maior desejo era ver a família sempre unida.

Pregava em parábolas, dizia que os irmãos devem se unir como feixes de varinhas que juntas não poderiam ser quebradas, mas se separadas seriam facilmente quebradas. 

Até 31 de dezembro de 2021 José dos Santos contabilizou 82 (oitenta e dois) descendentes, sendo 11 (onze) filhos, 31 (trinta e um) netos, 36 (trinta e seis) bisnetos e 7 (sete) tataranetos, conforme abaixo:

F I L H O S

  1. FRANCISCO XAVIER MARTINS DOS SANTOS
  2. ADEMIR DE JESUS MARTINS DOS SANTOS (in memoriam)
  3. CLEONICE DE JESUS MARTINS SANTOS
  4. EDMILSON JOSÉ MARTINS DOS SANTOS
  5. ADEMIR MARTINS SANTOS
  6. RICARDINA MILITINA DOS SANTOS PIRES
  7. MARIA DO NASCIMENTO MARTINS DOS SANTOS
  8. ANA CREUSA MARTINS DOS SANTOS
  9. ANA CLÉRES SANTOS FERREIRA
  10. JOSÉ MARIA MARTINS SANTOS
  11. CARLOS MAGNO MARTINS SANTOS (in memoriam)

 

N E T O S

  1. FRANK XAVIER AMORIM DOS SANTOS
  2. FREDSON AMORIM DOS SANTOS
  3. FÁBIO AMORIM DOS SANTOS
  4. FRANCILDA AMORIM DOS SANTOS
  5. FRANCILENE AMORIM DOS SANTOS
  6. FRANCISCO XAVIER MARTINS DOS SANTOS FILHO
  7. JOSÉ DOS SANTOS NETO
  8. SUELY CAMPOS SANTOS
  9. SUZILENE CAMPOS REGADAS
  10. KAROLAYNE SUELMA TORRES OLIVEIRA
  11. SUELMA CAMPOS SANTOS
  12. EDMILSON JOSÉ MARTINS DOS SANTOS JÚNIOR
  13. MARIA AMÉLIA SANTOS FERREIRA
  14. ARTUR MAGNO CÂMARA MARTINS SANTOS
  15. ANA CARINA CÂMARA MARTINS SANTOS
  16. DILCIMARA NASCIMENTO SANTOS BENTES
  17. ADEMIR MARTINS SANTOS JÚNIOR
  18. DILCIANE NASCIMENTO SANTOS
  19. TALITA ÁGAPE MOURA SANTOS
  20. MICHELLE DOS SANTOS PIRES
  21. EVANDRO GOMES PIRES FILHO
  22. MARCELLE DOS SANTOS PIRES
  23. JOSÉ EDSON DOS SANTOS JÚNIOR
  24. MARCUS ANDRÉ MARTINS DOS SANTOS
  25. GUSTAVO MARTINS DOS SANTOS
  26. AIRTON LUÍS MARTINS MOTA
  27. ALANA MARTINS MOTA
  28. JOSÉ SODRÉ FERREIRA NETO
  29. PAULO VICTOR SANTOS FERREIRA
  30. AMANDA BAHURY BARROS SANTOS
  31. ANA CAROLINA SILVA MARTINS

 

B I S N E T O S

  1. ANA LÚCIA ALMEIDA MARTINS SANTOS
  2. NICHOLAS RHAMON NUNES DOS SANTOS
  3. JÚLIA VICTÓRIA NUNES DOS SANTOS
  4. LARA VITÓRIA PEREIRA DOS SANTOS
  5. CLARA LORRANY DOS SANTOS RIBEIRO
  6. NÁDILLA RASNAN DOS SANTOS PAIXÃO
  7. JOSÉ HEITOR DOS SANTOS PAIXÃO
  8. JHONATHA MESSI SANTOS BECKMAN
  9. ANNY MARISTELLA GONÇALVES
  10. THAYLLA VITÓRIA DINIZ DOS SANTOS
  11. ANA BEATRIZ THEMÍSTOCLES SANTOS
  12. JOSÉ GUILHERME LIMA SANTOS FERREIRA
  13. EDUARDO DOS SANTOS BRITO
  14. MARCOS ANTÔNIO DE JESUS LOUZEIRO SEGUNDO
  15. MATHEUS CAMPOS DOS SANTOS
  16. FRANCISCO NEVES REGADAS NETO
  17. MAX SWEEDEL OLIVEIRA DOURADO
  18. STEFHANNY DE TÁSSIA OLIVEIRA DE SOUZA
  19. MAURÍCIO HENRIQUE OLIVEIRA SOUZA
  20. MICHAEL BRUNO CAMPOS SANTOS
  21. ÁGATA NASCIMENTO SANTOS BENTES
  22. ÁGATA NASCIMENTO SANTOS BENTES
  23. LANNA BEATRIZ VIEIRA SANTOS
  24. LUCAS VIEIRA SANTOS
  25. MARIA CLARA FIGUEIREDO SANTOS
  26. HANNA LETÍCIA NASCIMENTO SANTOS
  27. GABRIEL SANTOS ALVES
  28. DAVI CARVALHO ABREU DOS SANTOS
  29. JOÃO PEDRO ABREU DOS SANTOS
  30. ISADORA SOARES PEREIRA MARTINS
  31. ALICE SOARES PEREIRA MARTINS
  32. ESTELLA CASTRO MARTINS DOS SANTOS
  33. JOÃO LUCAS CASTRO MARTINS DOS SANTOS
  34. SARAH EMANUELLY MOURA MARTINS
  35. PAULO RICARDO MOURA MOTA
  36. MANUELA ROCHA SANTOS SODRÉ

 

T A T A R A N E T O S

  1. PAULO ROBERTO FIGUEIREDO GOMES BRITO
  2. MARIA EDUARDA FIGUEIREDO GOMES BRITO
  3. MIGUEL BUZAR CAMPOS
  4. LARA BUZAR CAMPOS
  5. CARLOS GABRIEL SILVA DA COSTA
  6. SOPHIA GABRYELLA SOUZA
  7. ISA KAROLAYNE SANTOS OLIVEIRA

A Baixada descortina sua singular epopeia

Por Ana Creusa

O lançamento do Livro Ecos da Baixada que ocorreu no dia 14 de novembro de 2017, foi um marco na história da literatura maranhense, notadamente nos anais das letras baixadeiras, e revelou-se um evento grandioso para o Fórum em Defesa da Baixada Maranhense – FDBM.

Importante destacar que o citado Fórum é uma sociedade civil, sem fins lucrativos, o qual trabalha por sua região e por sua gente, visando chamar a atenção do Poder Público para os graves problemas enfrentados por aquele conjunto de municípios, bem como auxilia as comunidades locais a superarem obstáculos ao seu desenvolvimento.

O evento foi um “sucesso retumbante”, conforme relato de muitos participantes. Segundo o imortal, membro da Academia Maranhense de Letras, Benedito Buzar, foi “o dia em que a Baixada parou o trânsito da Avenida dos Holandeses, em São Luís”, algo inimaginável para os 32 escritores das crônicas e para a maioria dos baixadeiros ali presentes.

Na abertura, Simão Pedro, professor de música e natural de Matinha, interpretou o Hino Nacional e uma Canção em homenagem à Baixada, de autoria de Gracilene Pinto, natural de São Vicente Férrer, cujas crônicas o leitor pode encontrar nas páginas 156 e 191.

Em seguida, o “Poema para a Baixada Maranhense” foi declamado pelo seu autor, Hilton Mendonça, natural de Arari. O belo poema consta no introito da obra. Hilton também empresta o seu talento literário por meio de duas crônicas que poderão ser encontradas nas páginas 143 e 180.

Elinajara Pereira, natural de Bequimão, declamou o poema denominado “Ecos …”, composto por Rafael Marques em homenagem aos Ecos da Baixada e à sua amiga Elinajara, esta possui uma bela crônica, que pode ser encontrada na página 56.

 A Presidente do Fórum da Baixada, Ana Creusa, ressaltou a importância da união dos baixadeiros em prol da Baixada, e destacou que o Fórum é composto de pessoas com tendências e preferências, teorias, modelos e concepções políticas diferentes. Porém, o que os une é o sentimento único de amor à Baixada, que os torna irmãos. Os textos de Ana Creusa estão nas páginas 67 e 160.

Em sua fala, o primeiro Presidente do Fórum da Baixada, idealizador e organizador da obra, Flávio Braga, natural de Peri-Mirim, agradeceu aos ecoerios, como carinhosamente são chamados os cronistas, e ainda discorreu sobre a importância da obra Ecos da Baixada para região. As belas crônicas de Flávio estão dispostas nas páginas 83 e 98.

O Superintendente do Sebrae, João Martins, natural de Bequimão, demonstrou apoio ao Fórum da Baixada, do qual é filiado. Em sua fala, destacou a importância da obra “Ecos da Baixada”, a qual ajudará a Baixada a ecoar longe, inclusive em Brasília e outros recantos do Brasil, quiçá do exterior.

O Presidente da Academia Maranhense de Letras, brincou que os ecos da Baixada chegaram a Itapecuru, sua terra natal, e que a Baixada parou o trânsito de uma das principais avenidas de São Luís.

Natalino Salgado, com seu talento peculiar, brindou os baixadeiros com a crônica “A Baixada Maranhense e sua Vocação para a Grandeza”, que pode ser encontrada à página 35.  Como representante dos ecoeiros, saudou a todos. Em seguida, nos brindou com um texto dedicado a seu pai, matéria que evidencia o amor do seu genitor pela a sua bela Cururupu.

Em seguida foi servido um coquetel que, como se diz na Baixada “não deu para quem quis”.

Foi gratificante ver tantas pessoas disputando autógrafos, tirando fotos e fazendo selfies com os ecoeiros, numa verdadeira pororoca de emoções, como disse o ecoeiro Manoel Barros, natural de São João Batista, ao descrever o festival de emoções, envolvidas em todo o processo de lançamento do livro Ecos da Baixada.

Eis que a Baixada descortina sua singular epopeia, por meio dos Ecos da Baixada!!!

Texto de Ana Creusa, presidente do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense, com revisão de Hilton Mendonça, ambos cronistas do Livro Ecos da Baixada.

Qual o seu nome?

Por Ana Creusa

A Vida é Combate

Combate pela manhã: 1) Evitar maus pensamentos  Provérbios 15:26; 1) Afastar a preguiça (Pv 10:5 e 19:15); 3) Mexa-se 4) Fazer uma boa ação.

Para evitar maus pensamentos: Faça uma meditação antes de levantar da cama; ou uma oração. Não contamine o seu dia com noticiário. Evite ouvir ou assistir notícias antes do seu café da manhã; ouvir músicas clássicas, se possível.

É quarta-feira de cinzas (22/02/2023). Desde o dia anterior, sabia que tinha que ir à feira. Tentei evitar a preguiça. Feira não é algo que me atraia, até chegar lá. Depois que chego, me sinto feliz, falo com as pessoas, que eu conheça, ou não. Hoje, a feira estava vazia: poucas pessoas se atreveram abri depois do Carnaval e vender pouco.

Encontrei uma senhora várias vezes: fui comprar chá, lá estava ela, perguntando sobre o mesmo chá. Fui compara manga, lá estava ela, comprando pequi. Ela queria comprar juçara – fui com ela onde um amigo meu de São José de Ribamar, apesar de o ter conhecido na feira, já sei a vida dele toda – exageros à parte.

Vi que ela já tinha uma certa idade, perguntei:

– Onde moras?

Falou-me que mora no Cohatrac. Novamente perguntei: 

– Vais dirigindo?

Ela disse que ia a pé porque aquelas compras eram para sua irmã que fraturou o pé e que morava próximo dali. Eu disse que a levava em casa e comecei a pegar as sacolas dela. Ela ficou assustada e eu disse: 

– Vamos conferir quantas sacolas levas, para ela ficar tranquila e assim fizemos, em 8 sacolas, eu peguei quatro e me encaminhei para o carro. Acomodei as sacolas no banco de trás com ela próxima. A casa da irmã era bem próximo. Encontrei a porta aberta. Provavelmente já a estavam aguardando, até preocupados porque ela foi somente comprar uma coisa, que não ouvi o que era.

Ela foi me contando a vida dela, eu só ouvia, uma história bem bacana. Saltei do carro para ajudá-la a retirar as compras do carro. Ela me abraçou e perguntou:

– Qual o seu nome? Eu disse me chamo Ana. Ela agradeceu demais. Disse que eu era um Anjo.

Peguei as coisas dela, ajudei-a a colocar na casa. Saí de imediato. Mas, assim que saí, fiquei incomodada. Não fiz a pergunta que não podia faltar:

– Como é o seu nome?

Cheguei e passei o dia pensando: como seria o nome daquela senhora? Pensei em voltar para perguntar, mas algo me impediu: o que ela iria pensar? Outro dia, passo lá, ocasionalmente, e pergunto.

O certo é que esta foi a minha boa ação do dia. O nome da senhora importa só por curiosidade? Com certeza não! Quero fazer a pergunta que não fiz: 

– Qual o seu nome?

Creio que hoje não fiz um bom combate: procrastinei por medo de dar mau impressão. Amanhã vou ter mais cuidado! Nem pude passar para o bom combate do turno vespertino.

MEMÓRIAS RADIOFÔNICAS DO SAUDOSO LUIZ PEDRO

Por Luiz Pedro*

O rádio ainda é o meio de comunicação de massas mais presente na vida das pessoas, seja pelo imediatismo seja pela facilidade de acesso a ele, presente nos lares, nos carros e, mais recente- mente, nos celulares. Se isso acontece nos dias atuais, imagine em épocas passadas, como as décadas de 50, 60 e 70 do século passado. O Maranhão, até os anos 50, não possuía rodovias. O movimento de pessoas e cargas era feito por embarcações e pelos trens da São Luís-Teresina. Os aviões eram utilizados por pessoas de posses ou em alguns casos emergenciais.

Já as comunicações eram extremamente escassas. As cartas demoravam semanas para chegar ao destino e mesmo os telegramas só chegavam a poucos pontos em determina- das cidades do interior. Ligações telefônicas eram difíceis, os telefones, raros e os enlaces interurbanos demoravam horas para se completar, quando se completavam.

Nesse ambiente, o rádio tinha importância fundamental. Através dele, informação, entretenimento e serviços chegavam ao mais distante povoado do interior, ainda mais depois do rádio transistorizado, que utilizava pilha ou bate- ria, uma vez que energia elétrica era pouquíssimo difundida. A radiofonia maranhense existia desde 1941, com a fundação da hoje Rádio Timbira. Mas é com a criação das rádios Ribamar (hoje Cidade) e Difusora que os programas radiofônicos ganham o gosto das multidões e lançam nomes de locutores que eram tão prestigiados quanto os atores globais da atualidade.

Foi na o final da década de 50 que surgiu um programa que veio a fazer história no rádio maranhense: o Correio do Interior. A fórmula era simples: pessoas que queriam se comunicar com parentes ou amigos no interior, especialmente nos municípios da Baixada, redigiam avisos que eram lidos pelo locutor do programa.

Zé Leite, Fernando Cutrim, Ricardo Rodrigues, César Roberto Maciel, Fernando Sousa e Almeida Filho emprestaram a sua voz para os avisos de viagens, de acidentes, de mortes, de nascimento de filhos e netos e de coisas prosaicas como preparar uma montaria para esperar um viajante que subia os rios da Baixada. O programa ia ao ar às 8 da noite, após a Voz do Brasil.

O sucesso era tanto que os avisos invadiam outros pro- gramas da Difusora, como o Correio Musical Eucalol, de 8 às 10 horas, e de 16 às 17 horas, e o Quem Manda é Você, comandado por Zé Branco, nas manhãs de segunda a sexta. Nem os domingos escapavam: os avisos apareciam no Do- mingo é nosso, que teve Lima Júnior, Don Ivan e Leonor Filho como apresentadores.

A fórmula foi copiada sem o mesmo sucesso por emissoras como a Ribamar e a Educadora. Esta, aliás, mantém avisos em sua programação até hoje, mas as comunicações fáceis fizeram a fórmula murchar.

Meu amigo Gojoba, o jornalista e radialista José Ribamar Gomes, durante um curto período recebia os avisos a serem divulgados e cobrava pela transmissão das notas, tudo devidamente contabilizado num bloco de recibos que, ao final do dia, era eventualmente arrecadado por Magno Bacelar, um dos donos da emissora.

O sucesso do programa era tamanho que os Correios entraram com uma ação tentando proibir a divulgação dos avisos por concorrência ilegal. O caso não prosperou porque os Bacelar conseguiram na Assembleia Legislativa aprovar para o programa um título de utilidade pública e, assim, tudo continuou como dantes.

Registre-se que, nessa época, a Difusora operava em ondas curtas e ondas tropicais, além das ondas médias até hoje existentes. As ondas tropicais e curtas chegavam aos recantos mais longínquos, dentro e fora do Brasil.

O Correio do Interior era uma fonte importante de recursos para a Difusora. Gojoba calcula que, a preços de hoje, a emissora faturava cerca de 150 mil reais mensais com os avisos, dinheiro providencial para pagar os “vales” que os trabalhadores da casa pediam.

A maior renda do programa, deveu-se a uma tragédia. O naufrágio da Lancha Proteção de São José, ocorrido no dia 27 de outubro de 1965, que deixou centenas de vítimas. O número exato de mortos e desaparecidos não se sabe, pois não havia o controle de passageiros à época.

A lancha que partira do porto da Raposa, em São João Batista, afundou à noite após se chocar com recifes, já próximo à costa de São Luís. Entre os sobreviventes, que permanece vivo até os dias atuais, está o comerciante Juarez Diniz Cutrim, dono de um bar tradicional na Belira.

Nessa noite, sobreviventes faziam fila diante dos microfones da Difusora para, com suas vozes, tranquilizarem os familiares no interior.

*Luiz Pedro de Oliveira e Silva é natural de Juazeiro do Norte (CE). Jornalista. Foi deputado estadual por duas legislaturas. Foi chefe de gabinete do governador Jackson Lago. É baixadeiro por adoção, amor e convicção. Coator do livro Ecos da Baixada.  Nasceu em 26 de fevereiro de 1953 e faleceu em 2 de junho de 2021 em São Luís.

Dia Mundial do Rádio, 13 de fevereiro.

– Positivo para Carcinoma. Carcinoma é câncer!

Por Ana Creusa

Estava indisposta, a única coisa que eu conseguia fazer era assistir à televisão, liguei na série Casa de Papel, mas a “preguiça” não passava. Permaneci deitada com pensamentos confusos, não conseguia me concentrar!

Virava na cama, não conseguia uma posição confortável, deitei de barriga para baixo, com um travesseiro para apoiar o busto, aquela posição esbarrou no seio, uma dor fina e profunda me acometeu, senti gosto de sangue na boa e sensação de desmaio. Pensei imediatamente: é câncer, uma doença, antes inimaginável para mim.

Marquei consulta com a ginecologista, Drª Marina, e relatei o fato, ela me indicou um mastologista e este marcou um exame de mamografia. Perguntei ao radiologista:

– Qual seria a probabilidade de ser câncer?

Ele falou:

– A probabilidade é 50%.

Eu disse:

Esse percentual não quer dizer nada! Pode ser ou não ser na mesma proporção.

O médico me tratou muito bem, além do normal, pois que eu já tinha feito outros exames de mamografia com ele, isso me dava a certeza que o médico desconfiava, ou sabia que era câncer, só não queria dizer.

E eu insistia:

– Qual a probabilidade de ser câncer, Doutor, ele disse:

– 70% (setenta por cento)!

Foi o suficiente para eu ter certeza que era câncer.

Saiu o resultado, levei ao mastologista, ele me encaminhou para fazer a biópsia. Também me tratou bem demais! Perguntei o percentual de chance. Ele pediu que eu esperasse o resultado da biopsia.

A biopsia foi feita. Durante o procedimento, novamente aquele tratamento vip me foi dispensado, aquele que se dirige aos coitados!

Durante o exame perguntei:

– Qual a probabilidade de ser câncer?

A médica disse logo:

– Setenta por cento!

O resultado sairia daí uma semana.

Reuni minhas quatro irmãs e relatei os fatos. Houve choro e declarações de Fé de que não era câncer e se fosse, o tratamento iria me deixar curada.

Passado o tempo, o resultado veio. Não abri o envelope. Reuni minhas irmãs novamente para poder abrir o envelope do Laboratório Cedro. Eu tinha certeza que era câncer e já planejava o tratamento e pensei: inaugurei mais um evento na Família!

Alguém abriu o envelope: a leitura foi feita por minha irmã da área da saúde. Inicialmente confundimos e pensamos que o resultado seria negativo. Eu não conseguia acreditar nesse resultado negativo. Cleonice leu os exames e disse:

– É positivo para Carcinoma! Carcinoma é câncer!

Nos abraçamos e prometemos que o tratamento seria feito! Eu decidi que contaria sobre a doença a todos que eu tivesse relacionamento, pois, não queria carregar esse estresse. Lembrei do meu tempo de asma, que tinha que omitir a enfermidade para não sofrer preconceito.

Voltei ao mastologista, ele marcou a cirurgia. Foi feito o procedimento, com exame de linfoma, provando que não havia metátese!

Fiz o tratamento, com Plano de Saúde: a cirurgia e quimioterapia e, no Aldenora Belo, a Radioterapia.

Como sequela desenvolvi problema de tireoide e diabetes.

Não conto os detalhes sobre o tratamento, os efeitos da quimioterapia e outros desafios, porque nesse período eu estava praticando a Lei Universal do Distanciamento, que equivale à Parábola das Pegadas na Areia. Durante o tratamento, estive nos braços de Jesus.

Minha Gratidão aos Anjos que me acompanharam nessa jornada.

 

Escrito em 04 de fevereiro, Dia Mundial de Combate ao Câncer

O milagre do querosene

Por Ana Creusa

Era lusco-fusco, quando a mãe percebeu que não havia querosene em casa, a quitanda ficava um pouco distante, mas era o jeito: pegou meia dúzia de ovos de galinha e uma garrafinha de vidro na cor verde, para que as irmãs inseparáveis comprassem o produto na quitanda do seu cunhado.

Porém, antes a mãe recomendou:

– Se Manoel colocar pouco querosene, reclamem!

As duas irmãs entreolharam-se: como iriam fazer essa tarefa, reclamar com o tio? ela mesma não permitiria isso!

Seguiram as duas em direção ao comércio, praticar o escambo dos ovos com o querosene, modalidade de negócio muito praticado na Baixada Maranhense até os dias atuais.

Chegando ao comércio, as duas meninas pediram a troca dos ovos por querosene. Viram o tio pegar o galeão de querosene, usar o funil e colocar na garrafinha. Novamente as duas se olharam, desta feita preocupadas – a quantidade de querosene era ínfima, mal três dedos no fundo da garrafa.

No caminho de volta, já noite, o caminho escuro, as irmãs se puseram a rezar e fazer promessas para o querosene aumentar. Uma era devota de Nossa Senhora, a outra de São Benedito. Pensaram em pôr água na garrafa para “interar” o querosene, mas resolveram confiar nas orações e foram encarar a mãe.

Chegando a casa, ao entregar a garrafa para a mãe, as duas perceberam que o querosene havia aumentado, entreolham-se alegres, mas incrédulas, no mesmo instante em que ouviram a voz da mãe pronunciar:

– O que “deu” em Manoel, ele colocou bastante querosene!

As irmãs tiveram certeza que houve um milagre e ambas começaram as pagar as suas promessas e até hoje, elas têm certeza que o querosene aumentou na garrafa durante a viagem, um milagre comprovado!

*As personagens dessa história são as irmãs Ana Creusa e Ana Cléres, filhas de José dos Santos e Maria Amélia.

O CAMPEÃO DE CANA DE BRAÇO

Por Ana Creusa

Durante a III Ação de Graças na Jurema, ocorrida em 27 de julho de 2019, o páreo duro foi no “Campeonato de Cana de Braço”, nas modalidades feminina e masculina.

Alguns chamam esse esporte antigo, da época de José Santos, de “Queda de Braço”. Como você pode ver nas imagens, esse esporte consiste em medir forças por meio da munheca[1].

José Santos em sua juventude era conhecido como “Campeão de Cana de Braço”. O campeonato se dava geralmente nas festas dançantes.

O grande campeão desafiava a todos, com o passar do tempo, poucos se atreviam a encarar os braços fortes do campeão, que malhava seus braços com paneiros[2] de farinha ou tacho de ferro.

O campeão era melhor quando o braço estava em ângulo de 30° (trinta graus), quando parecia que iria perder a competição.

Certa noite, em um festejo, apareceu um rapazote franzino, que estava à procura de José Santos para desafiá-lo a uma peleja de Cana de Braço.

Quando o campeão viu aquele rapazinho magrinho, não lhe deu a menor credibilidade e aceitou o desafio, apenas para não desagradar o rapaz. Para surpresa de Zé Santos, o menino derrubou o braço forte do campeão, direito e esquerdo e pediu bis.

Contava José que nunca mais viu o rapaz, que sequer soube o nome. Nunca mais pôde chamá-lo para a desforra. E assim seguiu vencendo, sem que pudesse desafiar aquele rapaz, que nunca mais o avistou, nem dele ouviu mais falar.

Seria um ser do outro mundo?[3]

[1] Munheca – é a parte do corpo que faz a junção da mão com o antebraço; pulso; [2] Paneiro é um cesto feito de pindoba (folha da palmeira de babaçu) onde se acondiciona mais ou menos trinta quilos de farinha de mandioca, feijão, arroz, produtos da roça dos lavradores da Baixada Maranhense e [3] Ser do outro mundo são os seres encantados, comuns nas florestas.

Vá, e entrega-te ao vício da embriaguez!

Por Ana Creusa

José dos Santos, meu pai, era um contador de histórias. Ele estudou apenas três meses. Depois desse período, a professora mandou comprar-lhe livro de 2º ano primário.

As aulas foram interrompidas e o menino ficou com seu livro, leu e releu, memorizou todas a lições, que depois contava a seus filhos. Memorizou todos os afluentes do Rio Amazonas, margem direita e esquerda; os números do Jogo do Bicho em verso e outras histórias memoráveis.

Uma história que me marcou muito e que me causava medo, mas que contém uma lição de vida que não pode passar despercebida, trata-se da história chamada “Vá, e entrega-te ao vício da embriaguez[1]

Era uma vez um menino chamado Antônio, o Toinho, muito educado e obediente aos pais, mas tinha a mania de chamar “nomes feios[2]”, apesar das advertências constantes de sua mãe que dizia que esses nomes são do Maligno.

 Certo dia, a mãe mandou Toinho que fosse à quitanda comprar açúcar para temperar o café que já estava quase pronto.

No caminho, o rapazinho deu uma topada em uma pedra que o levou ao chão, levantou e desfilou sua insatisfação proferindo todos os nomes do seu imenso vocabulário: mi, di, borra de café …[3]

Ao levantar-se, tomou um susto ao ver um homem com vestes estranhas, com um gorro na cabeça, um cajado e forte cheiro de enxofre que lhe falou em tom autoritário:

– Por que me chamas, menino!?

– Eu te chamo?

Me chamaste sim. Eu sou o Lucífer e atendo por todos esses nomes que você chamou. Uma vez me chamando, eu tenho que fazer meu serviço e disse:

– Vá, mate seu pai; bata na sua mãe e na sua irmã.

– Como posso fazer isso? Matar meu paizinho, bater na minha doce mãezinha e na minha irmãzinha? Não poderei fazer isso!! Me peça qualquer coisa, menos isso!

– Eu não vim aqui à toa, você me chama todos os dias!

– Já que não queres cumprir a minha ordem, então: vá, e entrega-te ao vício da embriaguez.

Antônio chegou à quitanda. Não comprou o açúcar. Com o dinheiro comprou uma garrafa de cachaça, bebeu todo o conteúdo, sob o olhar admirado dos fregueses do pequeno comércio.

Quando chegou a casa estava totalmente embriagado. Seu pai veio ao seu encontro e o filho já lhe desferiu alguns golpes de fação que portava na cintura, o pai correu assustado. A mãe chegou e quis saber o que se passava, o filho lhe deu um tapa no rosto; a sua irmã também fora espancada.

Nesse momento a mãe, que era muito religiosa, percebeu que havia algo de errado com o filho e pôs a orar.

O filho caiu ao solo e dormiu. Ao despertar lembrou da ordem daquele sujeito estranho e percebeu que havia recebido ordem do Demônio para matar seu pai e bater na sua mãe e irmã e que ele havia se recusado, mas que a embriaguez possibilitou que o desejo do maligno se realizasse. Cansado, em gesto de gratidão, disse:

– Meu pai do céu, eu estava fazendo tudo que o Diabo mandou. Por pouco não mato meu pai e espanco minha mãe e minha irmã.

Antônio pediu perdão ao seu pai, mãe e irmã e lhes contou sobre a aparição e ordem que recebera do Satanás.

A partir daquele dia, o rapaz nunca mais chamou nome feio e voltou a ser o menino obediente de sempre. Aprendeu a lição de que o vício da embriaguez pode levar a pessoa a cometer qualquer desatino e até crimes.

[1] Papai contava que na história tinha a ilustração de um menino assustado com a aparição do demônio; [2] José detestava que os filhos chamassem nomes feios e [3] Mi (miserável); Di (desgraçado) e borra de café (porra).