MINHA “PRINCESA” MINHA

Por Zé Carlos Gonçalves

voo abraçado às lembranças,
que se insinuam,
pulsantes,
a me carregar nas entranhas
dos teus encantos

voo as tuas manhãs,
a explodir em vital energia,
que me alimenta,
abraçado pelo azul celeste
e
pelo verde campestre,
que me sustentam
leve
e
livre

voo os teus caminhos,
trançados em sabedorias,
abraçados pelas veredas,
que me conduzem
livre
e
leve

voo leve,
a te apreciar
em tuas belezas humanas,
acobreadas pelo sol,
baixadeiros benditos,
enrijecidos no trato da terra
no cabo da foice e da enxada
no caniço prenhe de piaba
de acará
de bagruinhos
na corda de couro
a domar o sacro leite,
alimento de todo dia

e

pelos teimosos sonhares
dos teus filhos bem amados

voo livre,
a receber o verdor do vento
a essência do capim
de marreca
o sussurro do Pericumã
e
os mistérios da Juçareira,
a te carregar amuleto meu,
único
e
único

voo, voo, voo,
nas asas das saudades,
impulsionado pela tua leveza
e
pela tua infinda liberdade.

O HOJE DE OUTRORA (… sem barco, sem …)

Por Zé Carlos Gonçalves

“A minha princesa querida”, como boa parte da Baixada, já nasceu com a vocação para “o sacrifício”. E, um dos maiores “desafios” sempre foi o livre ir e vir de seus filhos, que eram, e são, obrigados a enfrentar os maiores e mais absurdos “aperreios”. Antes e agora. Principalmente, no tocante a ir à capital.

OUTRORA, sem estradas, a aventura se apresentava uma verdadeira aventura. HOJE, com “as buracostradas e os ferrugiferrys”, a aventura se torna uma aventura mais “arriscosa”.

OUTRORA, “visitá a capitá” só pelos barcos. “O que não era pros fracos”. Ainda mais no período de estio, quando o sofrimento se fazia sentir mais intensamente. O campo seco, desconfiado, sentia o arrastar de pés, a buscar “o velho Armazém”, a se arrastar numa procissão, sem pressa e sem silêncio; e sentia, também, o arrastar dos carros de boi, numa cantiga chiada e persistente, a massacrar as suas entranhas. O rio, em sua sequidão, não descansava com o vai e vem insano de canoas e batelões, abarrotados de Baixadeiros, bodes, galinhas, porcos, gado, babaçu, farinha, arroz, medos e expectativas.

Isso era só o início. Já que, desde cedo, “começavam os preparativos”. “O balaio” era sagrado. Carne salgada e carne seca, para enfrentar a incerteza das marés e a certeza da fome. As maletas, prenhes de roupas novas, a exalar a naftalina, geralmente, iam ser “batizadas”. Era a primeira vez na Ilha. As mil encomendas, a consumir a paciência de quem se encarregava de levá-las, iam parindo cartas, cofinhos de farinha, embrulhos, sacas de arroz, dinheiro, ervas, cortes, tamancos, roupas, notícias, acompanhantes …

O apogeu, dessa saga, se dava, de verdade, no coração dos barcos, a exemplo do Boa Esperança, de Benedito Bitencourt, e do Bandeirante, de Franco Castro. Ali, tudo acontecia. “O empilhamento” de gente e de bichos; das mercadorias e do bodum, a exalar no abafadiço de tão exíguo espaço, que se multiplicava, à medida que se apresentava mais um e mais um. E o emaranhado de redes, a embalar a ânsia dos estômagos mais fracos, “tão abalados, refletidos em olhares perdidos e rostos amarelinhos, a baldear as tripas”, seguros apenas pelo limão, “enficado” nas mãos, como o mais fiel e seguro passaporte para o bem estar. E o aterrorizante medo, a enfrentar a monstruosidade da Pedra de Itacolomi, sempre desafiadora e cortante, pendurado na “única arma” infalível. E as “fortes e caladas rezas”, que uniam, num só credo, crentes e descrentes. E o pernoite se fazia quase eterno, na Ponta d’Areia, a esperar a boa vontade da lua. E “a cerca”, o terror de todo navegante, a embaralhar os ventos, na mais viva roda viva, faminta de quilhas e velas, “a toldar” o tão perto, mas tão distante, cais, a boiar lá, longe, como uma miragem, que chama, chama, chama.

HOJE … nos arrastamos nos buracos, que devolvem, debochadamente, os nossos votos, a nos arrastar em nossa sina, e penamos no Cujupi!

Que os Santos baixadeiros nos protejam!

Após apresentar falhas mecânicas, ferry-boat José Humberto tem operações suspensas no MA; caso será investigado.

BAIXINHO INVOCADO: Peixe minúsculo gera ruídos de 140 decibéis

Tamanho não é documento. Nas profundezas dos riachos de Mianmar, na Ásia, reside uma criatura notável de cerca de 12 mm, trata-se de um peixe que possui capacidade surpreendente de produzir sons de intensidade equivalente a um tiro – que ultrapassam com folga, um show de rock ou as sirenes de ambulâncias e viaturas policiais. Continue reading “BAIXINHO INVOCADO: Peixe minúsculo gera ruídos de 140 decibéis”

A MENTE DAS ABELHAS

Por Mauricio Brum e Bruno Garattoni

As abelhas sabem contar. Medem distâncias e horários, aprendem a usar ferramentas, transferem conhecimento aos descendentes – e também brincam, por puro divertimento. Podem até ser capazes da chamada metacognição: a habilidade de refletir sobre si próprio. Continue reading “A MENTE DAS ABELHAS”

AS “VISITADORAS” DA ESCOLA (… e a FOBIA à escola)

Por esses dias, em uma fila de supermercado, “vi” uma conversinha, por demais interessante, de três meninas, sobre a volta às aulas. Até aí, tudo bem. Tudo normal. O excepcional é que a conversinha descambou para o particular interesse das mesmas, ao ir à escola.
Uma, entre “sorrisinhos sacaninhas”, descreveu, e empregarei o vocabulário delas, com toda fidelidade, “a bundinha absurda do teacher”, como “a coisa mais interessante” a se ter na volta às aulas. E, vejam só, já traçava planos de “mordiscar”, segundo ela, “aquela bundelícia!” Uau!
A outra se contorcia de ansiedade, e lamentava, e culpava o carnaval, por tão maldoso feriado, a vir atrapalhar a aproximação, que já estabelecia com “um pôdinho”, que, pelas “tatus”, lhe parecia ser “um elemento do ‘baralho”. Entenda por onde quiser ou por onde for possível imaginar. Misericórdia!
A outra outra se desfazia em olhares. Olhares, que reviraram que reviraram, ao falar da “tara”, que já alimentava por M________, “uma morena de olhos castanhos mel. Tão vivos, que me desnudam”. Falou, sim, senhor! E, mais. Falou de algumas estratégias, a serem usadas para “atrair ela pra minhas teia”. Que loucura! “Que interesse pela escola!”
Ouvi que ouvi. Ouvi tudo, “tintim por tintim”. Aí, né, cheguei a conclusão de que sou fruto de uma geração, que foi feliz por não conhecer o termo FOBIA. O mais perto que chegávamos disso foi FOBA. “Deixa de tua foba, rapá. Cumigo tu num pôdi!” E o máximo, que podia acontecer, era o uso das duas armas mais explosivas, que tínhamos.
A mais potente dinamite ou a mais devastadora granada. A CUSPIDA, na mão do adversário, ou o RETRATO DA MADRINHA, rabiscado, em riscos horríveis e disformes, no arenoso chão. E, a consequência, “a troca diuns supapos”, e, depois, só risadas. Hoje, a explosão é diferente. De verdade, é explosiva. E mortífera. Sem direito ao sentido conotativo. E, o pior, a palavra FOBIA domina a vida dos nossos jovens, tão perdidos, tão órfãos de pais vivos, tão tolos, como rebeldes. E, que se vangloriam, sem pudor, de serem adeptos da PROFESSORFOBIA, com exceção da citada aluna, uma quase antropófoga; e adeptos da ESCOLAFOBIA; e adeptos da ESTUDOFOBIA.
E, “para não perder a toada”, e a ironia, e fazer uma infame comparação, isso só me lembra um pinheirense, dos mais sábios, que não “aguentando” mais a chatice de “um chatíssimo cumpadinho”, metido a ser “besta, a sê u qui a folhina não marcava”, sempre que o encontrava, perguntava. “U qui tom dizeno da gênti pur aí”. E esperava um elogio, como sempre. Mas, desta vez, a resposta veio venenosa. Direta e certeira. “Qui nóis somo dois GRANDÍSSIMO, NOTABILÍSSIMO, BESTÍSSIMO!” Como dizia o primo Antônio Capilas, “justo e abotoado”. “O cabra procurou ‘foi’ o seu rumo” e passou a ignorar o compadre, “qui, infim, têvi sussego na vida”.
Ressalto que aqui são três “visitadoras” da escola, mas “é iscritinho!”

O CANGACEIRO TITO SILVA

Autor Manoel Braga

Tito Silva era filho de Wenceslau Silva, que por sua vez era filho de João Silva. Todos eles nasceram na localidade Ilha do Veado pertencente ao hoje município de Peri-Mirim. Contam que Wenceslau passou 1 ano dormindo no cemitério do Souza na Malhada dos Pretos após ter cometido um assassinato.

O crime se deu por causa de uma brincadeira muito comum tempos atrás na Baixada. Era chamada de Serra. Consistia em fazer um ritual fúnebre de uma pessoa idosa que por ventura existisse na comunidade. Era um pouco macabro. Era feita a leitura de um suposto testamento do idoso em que suas coisas eram deixadas para os vivos.

Esse ritual era realizado tarde da noite acompanhado de muita zoada. Todo velho morria de medo de ser serrado. Tinha um instrumento confeccionado especialmente para essas ocasiões chamado de corrupião. Constituía-se de um pedaço de madeira onde era enfiado um fio que a pessoa segurava e rolava sobre a cabeça o que causava um barulho ensurdecedor. Muitas pessoas participavam da brincadeira.

Tinha uns que batiam em lata. Outros imitavam animais. Principalmente o acauã (rasga mortalha). Nesse ritual, o bode era muito comum também. Este geralmente se roçava na parede da casa feita de pindoba para criar o clima de despedida do idoso.

Uma determinada noite a “canalha” resolveu que era chegado o dia de rocar seu João Silva que já estava bem velho. Estava no ponto de ser serrado. Era tarde da noite, estava na hora de começar o ritual. Fizeram zoada. Leram o testamento. Distribuíram as coisas de seu João. Teve um que subiu em uma árvore e começou a imitar o rasga mortalha.

Seu Wenceslau, pai de Tito Silva, muito brabo pegou uma espingarda, esperou o rasga mortalha piar e largou chumbo. Foi só um tiro. O cabra caiu durinho. Acabou a brincadeira. A brincadeira acabou mesmo. Não fizeram mais esse ritual. Mandaram prender seu Wenceslau. Ele para não ser encontrado durante o dia se escondia no mato. À noite vinha dormir no cemitério onde sabia que não iam procurar por ele. E assim ele escapou muito tempo da prisão.

O primeiro prefeito de Bequimão, que nesse tempo ainda chamado de Santo Antônio e Almas foi o capitão José Mariano Gomes de Castro. Era um grande proprietário de terras, fazendeiro, comerciante e delegado. Certa ocasião o prefeito que, também, era o delegado mandou prender Tito Silva acusado de roubo de gado.

Durante a prisão, o denunciado foi muito torturado. Para completar, o delegado trouxe a mulher dele e na frente de Tito foi humilhada, teve suas vestes rasgadas e sofreu abuso sexual. Tito ficou injuriado. Prometeu que se vingaria.

Tito foi enviado para cumprir sentença na fazenda do senhor Antonio Sousa que era grande proprietário de terras na Tijuca. Tito ficou por lá um certo tempo, mas sempre esperando uma oportunidade para fugir. Durante esse tempo ele apresentou um bom comportamento. Ficou de confiança do fazendeiro.

Até que um dia o senhor Antonio chegou de viagem, apeou do cavalo e o entregou para Tito lavar e dá de comer. Era tudo que Tito tanto esperava. Tito aproveitou a oportunidade e deu no pé. Foi embora para o sertão.

Depois de um certo tempo ele voltou, já com um bando formado. Chegou à propriedade de seu Antonio num dia em que ele tinha encomendado uma missa. Tito com seu bando acabaram a festa. Fizeram zoada, deu tiro para cima e em todas as direções.

Dizem que o padre ficou tão assustado que se jogou do segundo pavimento da casa, só não morreu porque caiu dentro de um depósito de melaço. A mãe de seu Antonio, uma idosa, quase morre de susto. Contam que uma bala perdida pegou em uma garota que ficou se contorcendo de dor. Tito vendo aquilo pegou o seu punhal e enfiou na criança acabando com a sua agonia.

Depois dessa confusão toda que ele causou na casa do senhor Antonio Sousa, ele rumou para Bequimão para consumar sua vingança. Chegando lá, ele localizou o Coronel José de Castro. Ele o prendeu. Torturou o quanto pode. Furou os olhos e o castrou. Por último cortou as orelhas que levou para mostrar para a mulher como prova da sua vingança.

No final ele perguntou ao Coronel: – sabe o que vim fazer? – Eu vim te matar. O coronel era homem duro disse para Tito: – homem se mata, não se maltrata. Nisso um dos homens de Tito, achando que o vexame do coronel já tinha sido muito deu um tiro e acabou com o sofrimento do velho.

Depois de consumada a vingança, os homens de Tito se dispersaram. Tito acabou sendo preso. Foi enviado para cumprir pena em uma fazenda do governador do estado que na época era Magalhães de Almeida e que tinha como vice Marcelino Machado. Dizem que os dois mantinham uma relação homo afetiva. Tito estava bem por lá. Bom comportamento e tudo.

Um certo dia, para azar de Tito ele viu os dois se amando. Tito se escondeu. Mas eles ficaram com a dúvida se Tito tinha olhado ou não. Eles tinham medo que a relação deles viesse a público acabando com a trajetória política deles.

Um dia, eles chamaram Tito e perguntaram o que ele tinha visto. Ele disse que não tinha visto nada. Mas eles não acreditaram. Eles botaram Tito para cavar um poço. Quando já estava com uma certa fundura eles perguntaram ao Tito: – tu sabe o que tu tá fazendo e ele respondeu: – estou cavando a minha sepultura. Então, deram-lhe um tiro e o enterraram. E assim acabou a trajetória de vida violenta que Tito levou.

Nota do Autor: Parte desta história deve ser tratada como lenda, pois, baseou-se em ditos dos mais antigos. Sabe-se que pessoas como Tito Silva têm em torno de si muitos mistérios.


Sobre a foto destacada:  Na legenda da foto do livro Adagas & Punhais do irmão @antonioguimaraes355 está: “Cartão fotográfico emitido pelo retratista Joaquim Moura Quinou. Foto em gelatina e prata. Retrato do cangaceiro Tito Silva na cadeia pública de São Luís-MA, pouco antes de ser transferido para o Aprendizado Agrícola Christiano Cruz”. Acervo Antonio Guimarães. Querem programa sobre ele? Eu já queria um filme! Sua história é espetacular. Saiam da bolha, o assunto cangaço é muito maior que o ciclo LAMPIÔNICO.

O Cametá dos Martins Santos

Por Ana Creusa

Cametá é um Povoado do município de Peri-Mirim/MA, que fica a cinco quilômetros da rede do município.

Os três irmãos da Família Santos: Ricardina, Cota e Siríaco eram os antigos proprietários do pedaço de terra denominado Cametá.

As zonas limítrofes do Povoado são: Ao Norte, fica a Ilha Grande, separada por uma pequena barragem; ao Leste e Sul se limita com a Ponta do Poço, e a oeste com a Carnaúba dos Nunes.

Os irmãos Santos resolveram dividir a área em três porções. Apenas Ricardina iria permanecer no lugar, onde já tinha casa. As outras duas porções foram colocadas à venda. O compadre de Ricardina, João Pedro[1], encarregou-se do negócio.

Quem se interessou pela compra do local foi Benvindo Mariano Martins, filho de João de Deus Martins[2], fazendeiro do Feijoal. A Ilha Grande já estava em posse de outro filho de João de Deus, Manoel Martins.

Era tradição naquela época que, após o casamento, com consentimento ou arranjado pelos pais, os filhos ganhavam seu quinhão de terra e cabeças de gado para começarem a nova vida.

Como João de Deus teve muitos filhos, o Feijoal já não era suficiente para abrigar a sua grande descendência. Por esse motivo, seus filhos e netos passaram a povoar outras terras, tudo sob o comando do patriarca João de Deus.

Vendo que seus filhos já contraiam núpcias e que precisava aumentar as suas terras, Benvindo adquiriu dois terços do Cametá que estavam à venda. Como a parte da frente das terras faziam fronteira com a Ilha Grande de Manoel Martins, Benvindo adquiriu essa parte.

Ocorre que Ricardina – a única proprietária que iria continuar nas terras – já morava nessa parte do terreno, isto é, na Ponta – onde atualmente pertence à família de tio Santinho[3].

O negócio com João Pedro recaiu exatamente sobre a parte da frente – a Ponta, onde Ricardina morava com seus primeiros filhos. Ela não sabia que o negócio seria com essa parte e que teria que se mudar para o fundo da enseada, no Sítio Jurema, onde hoje é realizada a Ação de Graças, idealizada pelo filho de Ricardina, José dos Santos.

Pois bem, com a mudança de Ricardina (Santoca), que desmanchou sua casa, que tinha uma bela vista para o campo, teve que construir uma casinha improvisada no fundo de enseada. Como no local tinha muitos arbustos de Jurema, passou a chamar aquele local de Jurema.

Os filhos de Benvindo passaram a ocupar a nova terra. Raimundo João Martins (Santinho), instalou-se na Ponta. João de Jesus Martins (Zozoca) e Benvindo Martins Filho (Benvindinho) instalaram-se na parte oeste do terreno, que também tinham uma boa vista para o campo.

Existia uma outra ponta, ao leste que era chamada Ponta da Capoeira que era destinada a Maria Amélia, também filha de Benvindo. Mas Maria Amélia casou-se com José dos Santos, o qual preferiu fazer casa nas terras da sua mãe Ricardina, que ficava no lado sul do Cametá, também na enseada.

Anos depois, Maria Amélia perdeu seu filho mais velho, Ademir de Jesus, e nunca mais teve alegria naquela casa bem-feita pelo seu marido trabalhador que nas horas vagas do seu labor da roça, fazia telhas e tijolos.

Com esse desgosto, Maria Amélia resolveu ocupar o seu terreno na Ponta da Capoeira (local onde atualmente é de Lélio de Walton Barreira). Cometeram o desatino de desmanchar a casa da Enseada e foram viver em uma casa de taipa, construída às pressas. Esse fato desanimou José, que nunca mais teve saúde e nunca terminou a construção da casa.

As famílias Martins Santos entrelaçaram-se. Os irmãos João de Jesus (Zozoca) e Maria Amélia Martins casaram-se com Maria e José Santos, respectivamente, de forma que as terras quase voltaram a formar um todo novamente.

Ricardina vivia com seus filhos nesse quinhão de terra chamado Jurema e lá faleceu, deixando os filhos menores sob os cuidados de Maria e José Santos.

Os Guerreiros da Jurema merecem muitas homenagens e seus legados haverão de ser transmitidos por muitas gerações, por meio de atos e palavras e pela Ação de Graças na Jurema.

[1] Coincidentemente, João Pedro é também o nome do pai de Ricardina.

[2] João de Deus Martins é avô da esposa de José dos Santos.

[3] Raimundo João Martins (Santinho) é irmão de Maria Amélia, esposa de José dos Santos.

Síndrome de abstinência do baixadês: PANDU (… o vital baixadês)

Por Zé Carlos Gonçalves

Há muito tempo ausente, e saudoso, da Baixada, começo a ter síndrome de abstinência do baixadês. E só quem é “da gema” sabe o tanto que dói essa falta de contato com o “nosso falá”. E sofre!

Aí, a minha única saída é tatear a memória e buscar “o meu combustível”, que me mantém vivo.
E, “nessa louca viági, mi indentifico cum argumas” pérolas. E que maravilhas!
Maravilhas, que me fazem respirar, “de novo, outra vez”.

E, aí, me vejo acalentado por expressões, que “me lavam a alma”. E exemplo é o que não falta. Por isso, “Mi encho de corági i seim sabê ôndi mora u perigo”, para afirmar categórico e desafiador, com uma autoridade “qui só”. “Eu sou eu, e boi não lambe”. Ou quase “morrê di raiva”, ao ser associado a “um caniço”, dado a meu aspecto esquelético. Mas, o pior era ser chamado de “tisguinho”; o que acho está associado à terrível palavra “tísico”. Que medo! “Bato inté na madera trêis veiz”.

E, ainda, não “sastifeito”, busco, nas madrugadas infindas. De repente, me sinto no meio dos meus, a ser bombardeado, como se nos comunicássemos em outro “indioma”. Para indicar que havia pouco tempo para terminar um trabalho: “sol virô tá di tárdi”. Falta de espaço, na despensa: “intupetada de bregueço”. A mostrarem que “eu não passo” de um ingênuo e até incapaz “de pensar”: “êssi caiu numa esparrela”.

“Se viravam”, em dois animais, a esperteza e a ignorância: “quer dar uma de urso e é um cavalo batizado”. E o reflexo da gula “vem” em autênticos neologismos: “com bucho ‘afolozado’ e ‘impazinado”.

São tantas expressões baixadeiras, que nos irmanam! E muitas sem “nenhuma” necessidade de explicação. Se bastam e nos fartam. “Irgá um carrapeta; respeito é bom e eu gosto; e é melhor cair na graça do que ser engraçado”.

No entanto, nem só de situações desagradáveis “vêvi o ômi”. Então, trago a palavra mais bonita de minha infância. “Nadica de nada” de reles “chibé e tiquara”. Sim, sinhô! Sem dúvida, a sonoridade, mais sonora, agradável, alegre e convidativa é PANDU! De café, de leite, de água com açúcar, de maracujá, de juçara, de murici … de … de quarqué invençonice!
“Dá inté pra lembê us bêçu!”

AMOR ÀS AVESSAS (… Juvita, a ex rebelde)

O amor seguir o seu rito normal parecia não ser “a melhor pedida” de Juvita. Menina buliçosa, a bem da verdade “ispivitada e tisguinha”, mas criada sob a severa vigilância de sua mãe, Amparo. Logo cedo, subverteu toda e qualquer ordem ditada pelos cânones sociais de sua comunidade. Quebrou “o cabresto” e desafiou o mundo por conta própria. Proclamou-se liberta de tudo. Até da liberdade vigiada, que tinha ali.
E, deu-se o auge de sua rebeldia, assim que ela colocou os olhos, “de gato ladrão”, na mais sincera e pudica timidez do vizinho. Sentiu-se dona e senhora, “a pisar o coração” ainda imberbe e despovoado de maldades. As investidas se fizeram constantes, “sem chove-não-molha”, bem às claras. O pobre já não tinha sossego. E se escondia que se escondia. Mas, Juvita estava, ali, à espreita, sempre pronta a perseguir.
E, com tanta insistência, “o papou”, como gostava de dizer. E se lambuzou. E se apaixonou. E se retraiu. E se comportou. E virou gente! Isso em suas próprias palavras.
Mas, como sei que estão curiosos para saber por que trago “o final”, logo no meio da história, não vou desapontá-los.
Juvita revelou-se irônica. E, irônica, apregova “aos quatro cantos”, do mundo, que seu coração era mais pétreo do que a mureta, a circundar a sua casa. E, irônica, apregova as suas máximas, para justificar a conquista difícil de um amor, que se apresentava impossível.
E, assim, continuava a debochar dos silêncios, que se lhe apresentavam desafiadores, e precisava penetrá-los. Para justificar as suas certezas, se fazia “o cão que ladra e morde”. E “se aparecia”, dizendo para todos ouvir. “Quem espera sentado, se cansa”. E as investidas se faziam mais fortes.
Quando questionada de tanta insistência, saía-se com esta. “Antes mal acompanhada do que só. Brinco com fogo e, depois, apago”.
Ledo engano. A vida é cheia de mistérios. Como bem dizia a minha avó, em seu saber nonagenário, “quem desdenha quer comprar”. E, aí, o coração, endurecido, da pseudo rebelde, “se abriu como um paraquedas” … Não foi ‘nem’ preciso “a água mole furar a pedra dura”, afinal, “quem é lembrado um dia foi visto”.
O certo é que Juvita, em sua gana em tê-lo, “atiçou” o gélido moço e começou “foi” a se fazer desejada. Os olhares cruzaram-se. Os suspiros tornaram-se cúmplices. As mãos, tão inquietas, saudavam-se timidamente. A timidez passou à coragem; e a coragem não encontrou refúgio em subterfúgios. Juvita capitulou. E, feio. “Passou de caçadora à vencida”.
O certo é que “semeou a tempestade”; e, na viração dos sentires, “foi colhida como a mais suave brisa!”
Eita vida caprichosa!
Vida longa a Juvita, “a ex rebelde!”

A MINHA LAMPARINA (… e minhas pegadas)

Por Zé Carlos Gonçalves

Ontem, ao passar lá, pelo Mercado Central, vi, numa lojinha de quinquilharias, uma imponente lamparina dependurada. Que beleza de imagem!

Imagem, que me trouxe, concretamente, lampejos vivos. Arremeti-me a uma época, em que importante peça alumiava a melhor parte de minha vida. E, o melhor, denotativa e conotativamente.
Verdade verdadeira!

Hoje, a velha e milagrosa Lamparina perdeu-se. E se tornou desconhecida para uma boa parte de nossos irmãos maranhenses. Mas a verdade, também, é que espantou a vil e tenebrosa escuridão, nos apontou os caminhos, nos clareou as ideias. E, com isso, pode se apresentar como o elo, metafórico, entre o foi e o é. Digo, até, romantizado!

Afinal, havia “uma magia” a rondá-la, que se fazia, do seu abastecimento “ao seu acendimento”, em um ritual pleno.

Ritual, a encantar olhos acesos e curiosos. Olhos sonolentos e cansados. Olhos puros e, até, os não tão santos, assim. Olhos, a verem e a admirarem o murrão, mergulhado no “criosene”, a se comportar imprevisivelmente. Ora guloso, a devorar-se em suas entranhas, com a certeza do seu iminente e inevitável fim. Ora muito e muito “enfastiado”, a ir se arrastando na lerdeza do tempo, que lhe sorvia a alma, repousante no mais absoluto silêncio.

Ritual, a ditar a fome do murrão, que se alimentava da chama gulosa, de luz. Que, implacável, tragava a inocente mariposa, numa dança errônea e suicida, a se consumir na ardente fome do fio.
Ritual, a tisnar a parede, faminta e tão necessitada de respirar a fuligem, que se impunha e lhe dava alma renovada.

Ritual, a sacramentar a fumaça, a enfumaçar os olhares, tolhidos, de mui outros olhares.
Ritual, a ditar o rito da caminhada, tão árdua e tão rica e tão imprevisível e tão voraz; a me devolver à minha lamparina, que, de tão teimosa, teima em se apagar, com a mais serena serenidade de minhas pegadas.