… E SE FOI A PRIMAVERA!

Por Zé Carlos Gonçalves

… os ventos são outros,
a fecundarem dias,
que se arrastam
na confusão da vida

e

numa fúria cruel,
fazem-se as revoltas
que
revoltam as forças
da natureza!

………………………………………..

Looonnnggge,

acendem-se os relâmpagos,

a me enganarem
as certezas
e
garantirem
os meus medos!

corro,
a cobrir o meu espelho,
que já não sorri
nem
me envaidece
em minhas vaidades;

reflete,

apenas,

o espectro do que fui!

………………………………………..

só resta,

agora,

a mansidão
e
o equilíbrio
em minha vagareza!

…………………………………………

looonnnggge,

o trovejar reclama

da pequeneza humana!

O Significado da Lua Cheia em Leão (05.02.2023)

A Lua Cheia em Leão mostra-nos nossos plenos potenciais criativos e de comandar nossa vida conforme nosso próprio ritmo. Estaremos muito mais audaciosos, com senso de liderança e confiante nas nossas emoções. Nosso trabalho e comprometimento com as questões coletivas podem nos trazer maior destaque ou papel central.

A Lua ingressa em sua fase Cheia no 16°41’do signo de Leão no dia 05/02/2023, às 15h29, em desarmonia com o Sol em Aquário e Urano e em Touro, deixando evidente o resultado dos projetos semeados no início da lunação aquariana.

Lua Cheia em Leão faz nosso íntimo irradiar alegria e generosidade, iluminando o ambiente a que pertencemos e fortalecendo nossas raízes, os laços familiares e tantos outros que cultivamos ao longo da vida. Por isso, invista tempo em atividades de lazer com as pessoas que ama.

A energia do momento nos torna extrovertidos e autoconfiantes, deixando-nos especialmente exuberantes e magnéticos, o que favorece encontros casuais. Investir na aparência pode ser uma boa estratégia para se conquistar uma nova paixão. Mas cuidado com o excesso de drama!

Aprenda o significado da Lua posicionada em Leão.

Além disso, ela nos enche de coragem, confiança e determinação para nos gratificarmos por meio das realizações pessoais, motivando-nos a deixar a marca de nossa originalidade em tudo onde colocamos as mãos, sendo um excelente momento para divulgação de projetos e participação em eventos que nos deixam em foco.

Mas é preciso entender que, quando as coisas não saem conforme o planejado, não é razão para nos sentirmos vitimizados ou fracassados. Como eternos aprendizes, as frustrações funcionam como oportunidade de aprimoramento e conscientização sobre hábitos que inviabilizam o desenvolvimento pessoal.

Lua Cheia

A desarmonia ao Sol em Aquário mostra que a saída para tal desafio é aprender a lidar com situações inesperadas com criatividade, rompendo padrões e o senso comum.

Veja o Calendário Lunar completo de 2023

Outro ponto é o de estarmos atentos ao atendimento das necessidades coletivas e das pessoas que nos são queridas, sem perder o senso de identidade. Estamos preparados?

Em conjunto, devemos avaliar a nós mesmos e a situação como um todo – o micro e o macrocosmo –, já que a presença de Urano em Touro no ciclo indica que vivemos tempos de mudanças e inquietações que alteram nossas certezas, o conceito de estabilidade material e a forma de produção de recursos financeiros, causando-nos surpresas desagradáveis.

Estejamos atento às novas possibilidades, agindo com confiança e alegria de viver, a fim de colher bons resultados na Lua Cheia leonina.

Quer saber como o nativo de cada signo se sentirá afetado pela Lunação da semana?

Áries – o clima do dia te deixa confiante para colocar seus planos em ação. Foque o que deve ser feito e aja de maneira assertiva, a fim de resolver problemas complexos para obter o que deseja.

Touro – o clima do dia está agitado, exigindo de você decisões rápidas e muita disposição para participar de eventos sociais. Mas, no fundo, tudo que você quer é um pouco de tranquilidade para refletir com calma. Tenha ânimo e aproveite as oportunidades para vivenciar experiências ao lado de amigos.

Gêmeos – o clima do dia traz introspecção e pouca disposição para estar entre amigos. Organize seus sentimentos sob o ponto de vista da razão para fazer fluir o ritmo da vida.

Câncer – você sempre se preocupa em promover bem-estar a terceiros, mas hoje o dia é todinho seu! Não se sinta culpado! Dedique-se aos seus interesses pessoais, dando atenção à sua aparência e saúde física.

Leão – o clima do dia te deixa em destaque. Você será o centro das atenções pela sua autenticidade e brilho pessoal, favorecendo a divulgação de seus empreendimentos profissionais. Cuidado para não demonstrar arrogância!

Virgem – o dia te inspira confiança e segurança, te motivando a divulgar seus planos entre os parentes e pessoas de seu convívio diário. Aproveite essa onda e não se apegue aos detalhes, achando que nada está bom o suficiente.

Confira o horóscopo anual de todos os signos em 2023

Libra – clima favorável para o fortalecimento dos vínculos afetivos, solucionando os desentendimentos e abalos emocionais com equilíbrio e muito amor no coração. Abra espaço na sua rotina para terem mais momentos de lazer juntos.

Escorpião – aproveite o dia com mais leveza e diversão, dando uma folga à seriedade. Curta os encontros casuais e jogos de sedução, sem exigir comprometimento.

Sagitário – hoje é dia para você agir com confiança e otimismo e quebrar a rotina para conquistar suas metas. Promova eventos para divulgar seu trabalho e expandir seu público.

Capricórnio – o dia amplia sua autoconfiança e determinação para conquista de metas, favorecendo a formação de parcerias. Mas é preciso que aprenda a se relacionar com os outros com afetividade e carisma.

Aquário – aproveite o dia para romper padrões, promovendo novos conceitos que favoreçam a coletividade. Invista também no autoconhecimento, dando atenção à espiritualidade.

Peixes – o dia te inspira a ampliar sua percepção de mundo e a entender melhor sua fé, sem perder a noção dos conceitos e dogmas que realmente fazem sentido para você.

Fonte: https://www.horoscopovirtual.com.br/

PINICÃO: Um adeus ou um até logo?!

Por Zé Carlos Gonçalves

Recebo a notícia de que nosso carnaval ficará órfão do Pinicão. Uma tragédia! Tragédia, porque os pinheirenses, há algum tempo, estamos sempre perdendo.

Qual pinheirense que retorna à terrinha, única e amada, que não se dilacera com tanto descaso. O pior é que começa logo na entrada. Continua nas artérias. Em todas as artérias. E vai reafirmar-se nos seus limites. Não sei qual o pior. A saída para Pacas ou a saída para Santa Helena.

Perdendo a nossa certeza de que temos o torrão natal, que possa nos abraçar, tão carentes o buscamos. Perdendo a noção de nossas lembranças, que se apresentam tão desbotadas, quando nos deparamos com a carcaça maltrapilha de nossa Princesa-mãe, que parece afogar-se na angústia de cada filho seu.

Perdendo os nossos entes, os nossos bens culturais, a nossa identidade. Ou não?!
Perdendo o melhor do carnaval, que perde e se perde nas ondas gigantes de tanta mediocridade musical.

Perdendo o último reduto de resistência carnavalesca, que engole esse mar de incompetência. Tanto lúdica quanto administrativa.
Uma pena!
Que não seja um adeus. Apenas um breve até logo!

O TIO BOBO: O DADOR DE CONSELHOS

Ontem, estive muito saudoso do amado tio Bobo que “inté” me peguei conversando com ele, durante um “trespasso”, pós o almoço. Penso até que minha casa me achou “vário”, no mínimo. “Falano só”. Uma prática, sadia e comum, de todo bom baixadeiro. Não é mesmo?!

Mas, o que interessa é que lembrei um encontro, em que o tio Bobo se apresentou tal um conselheiro amoroso. E, “porreta”. Disse-me que, em vários casos, atuou como um sério confidente. Confidente, sim, “dos cumpadinhos e, até, das cumadinhas”. “Coisas de arrupiá os cabelo”, e “outras coisinhas mais”.

Aí, fiquei curioso. Mas, como ele era um homem honrado e um ferrenho guardador de segredos, “nadica de nada lhe escapou”. Fez-se um sisudo túmulo.”Um boca dura”, como dizia minha mãe. De verdade, não “soltou a língua, de jeito nenhum”. “Me deixô, sim, foi chupano os dedo”, ou melhor, sem unhas. Roí todas. E, nada soube das “cumade”. “Neim us limpo, neim us pôdi”.

Abriu uma exceção, porém. Falou do vizinho, porque era nosso parceiro no dominó. E, em tom de confidência, disse que “o dito cujo” vivia era, ali, “aperriano a pacença aleia”. “Quexoso, qui só, da fulga da muié dêli cu’u padero”. “Er’um churume só. Si cunsumino irgá bezerro dismamado”.

O certo é que o tio Bobo se mostrou um autêntico “dador de conselhos”. Acreditem só. Pediu ao “infiliz” que fosse, e logo, procurar um amor novo, e verdadeiro. Disse mais. As pessoas, que sumiam, “davo um alívio”, uma melhor vida, ao abandonado. E, assim, “ia seguino com o seu rosário de recomendações”, ou, como ele mesmo dizia, com ” o seu rosário de bondades”.

“Como o diabo é moleque”, não me contive. “Dei uma de de doido e caí na asneira” de lhe tecer alguns elogios. E “foi a gota d’água, para ele perder a paciência”

Dirigiu-se a mim com firmeza e “soltou a ladainha”:
– Tu quê sê ingeno. Veim, aí, sêmpri cum tuas tolice. Não vê, meu fio, qui êssi coitado dêvi dexá di sê besta e largá di saí contano coisa pra tôdu mundo. É só pra nóis que si dêvi derramá nossas lágrima. Argumas pessoa num merece neim dêvi di vê nosso sofrê. Ais nossas coisa importante dêvi sê só nossa. Filho d’égua argum dêvi sabê. Tom’um conselho. Si tu quê guardá u segredo teu, não pensa neim alto qui tua boca pôdi ti traí. Tendeu?! E vamo bebê, né, qui queim gosta de lero, lero é Valero! I vê si aprêndi i vai criá juízo!
Que cara “mofético”, é esse tio Bobo!

JOSÉ DOS SANTOS, UM HOMEM DE FÉ

Nasceu em 02/02/1922, é natural de Palmeirândia, terra de seus pais. Foi criado no Povoado Cametá, no Sítio Jurema – Peri-Mirim/MA, filho de Ricardina Santos e Máximo Almeida, o nome do seu pai não consta no seu registro de nascimento, pois não eram casados. Sua mãe era negra e seu pai, louro de olhos azuis. Pelos padrões da época, não havia casamento entre essas raças. É patrono da Cadeira nº 24 da Academia de Letras, Ciências e Artes Perimiriense (ALCAP), ocupada por José Sodré Ferreira Neto.

Naquela época predominava os bailes separados pela cor da pele. José na adolescência, apesar de não ser negro, geralmente, sofria resistência para entrar nos “bailes dos brancos”, por ser filho de Ricardina.

Sua mãe teve 8 filhos, mas faleceu muito jovem, quando José tinha apenas 18 anos. Na época, sua mãe não tinha nenhum companheiro – criava os filhos sozinha.

Homem de poucas letras, estudou apenas 03 meses. Naquela época não tinha escolas, os professores eram contratados pelos fazendeiros para educar apenas os seus filhos. João Guilherme e Mariana Martins contrataram uma professora para ensinar seus filhos e Ricardina pediu para que os amigos deixassem seus filhos maiorzinhos estudarem na casa deles.

Com três meses José já sabia ler e rabiscar algumas letras. A professora mandou comprar-lhe livro de 2.º Ano, porém, a professora teve que ir embora, por se envolver em um triângulo amoroso que contrariava a vontade dos patrões.

A professora pediu a Santoca (alcunha da mãe de José), para que levasse José consigo, para que ele pudesse aprender mais. Mas a mãe não podia deixar: José era seu filho mais velho e já lhe ajudava nas tarefas da vida.

Sem a professora, mas com o Livro de 2.º Ano nas mãos, José leu e releu o livro. Memorizou todas as lições, que mais tarde viria a contar para seus filhos e netos: ele sabia os afluentes da margem direita e esquerda do Rio Amazonas e várias lições como: “Vá e entrega-se ao vício da embriaguez” e tantas outras.

Antes de falecer Ricardina pediu a José e Maria Santos que cuidassem dos seus irmãos. O irmão mais novo, Manoel Santos, tinha apenas 4 anos de idade.

Os filhos de Ricardina são: 1) Joelzila; 2) Maria Santos; 3) José Santos; 4) João Pedro; 5) Alípio; 6) Antônio; 7) Izidoro e 8) Manoel. Destes, apenas João Pedro ainda está vivo.

José tinha muitos sonhos, o mais forte deles era servir a Pátria Amada. Ele gostaria de seguir a carreira militar no Exército Brasileiro e tocar clarinete na Orquestra do Exército, mas com a missão de continuar a criação dos seus irmãos, não pôde realizar esse sonho.

Com esse sonho ainda vivo, José estimulou três dos seus irmãos a servir o Exército, foram eles: 1) João Pedro, 2) Alípio e 3) Antônio. Todos eles ao cumprirem o tempo obrigatório, engajaram na Polícia Militar do Maranhão. João Pedro e Antônio foram destacados para o município de Coelho Neto, para dar segurança à família Duque Bacelar e depois deixaram a PM e por lá casaram-se e tiveram seus filhos.

Alípio permaneceu na PM, galgando a maior posição que um Praça pode alcançar, cargo em que se reformou.

José e Maria Santos criaram seus irmãos com princípios e valores sólidos: todos lhe tomavam a bênção e lhes deviam respeito. Os irmãos homens tinham o hábito de somente sentar-se à mesa na cabeceira, mas quando Zé Santos os visitava, na hora das refeições, todos eles cediam o lugar da cabeceira da mesa a José, que comandava a Família do irmão naquele momento solene, sempre antecedido de orações. Pode-se ver que José cumpriu muito bem a missão que a sua mãe lhe confiou.

José na Mocidade, cumpre registrar, era um jovem simpático, forte e musculoso, campeão de “cana-de-braço”, amansador de burro bravo, pé de valsa, ´brincante de bumba-meu-boi, comparecia às festas com terno de linho belga “arvo”, sapatos de couro, sorriso fácil, era muito cobiçado pelas moças do lugar.

José começou a namorar uma moça, filha do fazendeiro Benvindo Mariano Martins. Ela é Maria Amélia, sabia ler, escrever, fazer belas costuras e bordados e tinha um belo jardim, que costumava cuidar no final da tarde, quando Zé Santos já saía do trabalho e por ali conversavam.

Casaram-se e tiveram muitos filhos: 1) Francisco Xavier; 2) Ademir de Jesus (in memoriam); 3) Cleonice; 4) Edmílson José; 5) Ricardina; 6) Ademir; 7) Maria do Nascimento; 8) Ana Creusa; 9) Ana Cléres; 10) José Maria e 11) Carlos Magno (in memoriam).

José era um exímio educador, pois educava com amor, carinho e, principalmente pelo exemplo, pois era líder comunitário em Peri-Mirim, juntamente com Pedro Martins. José Santos era um homem de Fé.

Antes de falecer José ainda queria realizar um sonho: construir uma casinha no exato lugar onde fora criado (na Jurema), para que fosse celebrado o seu aniversário, com uma missa em homenagem à sua mãe Ricardina. Ele realizou esse sonho como idealizou, aos seus 94 (noventa e quatro) anos.

Também idealizou que uma vez por ano fosse feita uma reunião na Comunidade de Cametá, na casa que construiu para homenagear a sua mãe, para que todos se reunissem para celebrar a união e gratidão pelas pessoas do lugar.

José faleceu antes que fosse realizada a 1.ª Ação de Graças que idealizou para que fosse realizado todo ano no último sábado do mês de julho. No dia 29 de julho de 2017 foi realizada a 1.ª Ação de Graças na Jurema; a 2.ª Ação de Graças 28 de julho de 2018 e a 3.ª em 27 de julho de 2019.

José dos Santos era um líder, um educador nato, possuidor de uma inteligência ímpar, um homem digno, que merece entrar para a imortalidade ao ser escolhido para ser um dos patronos da Academia de Letras, Ciências e Artes Perimiriense, para que sua história seja contada às futuras gerações – foi um homem exemplar, motivo de orgulho para toda a sua descendência.

José dos Santos sempre pregou a União, vivia na graça, era um Homem Feliz, faleceu no dia 25 de fevereiro de 2017, aos 95 (noventa e cinco) anos, em São Luís, onde está sepultado juntamente com seu filho Carlos Magno.

 

É TEMPO DE CARNAVAL (ME DÁ UM DINHEIRO, AÍ!)

Por Zé Carlos Gonçalves

Peguei-me lembrando das marchinhas dos carnavais, que muito embalaram minhas memoráveis vesperais.

Que gritante diferença das baboseiras de hoje, perdidas num barulho infernal. Uma gritaria desenfreada, que diz nada, a se perder nos apelos dos “rebolations” e das “tão desrespeitadas bundas”, a despencarem até o chão.

Tenho a impressão de que, talvez, fosse inocente. Mas, era, certamente, em minha maior parte, emoção. Afinal, só muita emoção, para me enebriar com simplicidade, tanta, “ao ‘marmanhar’ a uma mãe uma mamada, ou apenas uma chupeta, pra não chorar”, e, ainda, pular “bêbedo de alegria”.

Ou delirar “na sacra vibe” de um chop, estupidamente gelado, com a mais inocente das ironia, a pretender “raspar as boas e pensantes cabeças femininas”, que “paparam tão feroz e assustadora ‘fera’, o vestibular”. Vestibular, que, hoje, “não dá mais samba”.

Ou me anestesiar com uma faísca, ou com um leite de onça, ou com um Caldezano, ou com um quebra-queixo, a fim de me tornar “a mais viva personagem” dos flashes da realidade reinante, em que não era crime, muito menos cancelamento, “ser o tenente interventor da extraterrestre mulata, a fazer inveja à lua”, que também vinha me espiar, para me livrar da cruel dúvida entre “o voraz alambique, que vertia cachaça; e o manso ribeirão, que produzia água!”.

Quem sabe ser, até mesmo, um fantasmagórico folião, preso à ingenuidade de poder admirar “a boniteza do meu verdadeiro amor, a simples Jardineira”, depois que “dois suspiros ceifaram a vida da Camélia, que, por vil ironia, não sabia ‘trepar’ … no galho, ‘ora sô”! Ou um louco varrido, na mais tênue lucidez, para, “no cúmulo da ingenuidade”, fazer “chantagem barata” por “um dinheiro, aí”, que me pudesse manter sóbrio e não me levasse a “cair … na farra”, outra vez !
Eita, delírios de saudades dos meus carnavais!

O DIA DO AZAR

O dia mais aziago do ano é 24 de agosto, dia de São Bartolomeu, quando o diabo se solta do inferno.

Dia 24 de agosto de 1572, dia de São Bartolomeu, foi considerado pelos povos da Europa, como o dia do demo. Mas, a tradição de dias azarentos existe desde os romanos, que tinham uma tabela de sacrifícios para as horas más, criando também, as “horas abertas”, no Brasil e em Portugal.

Agosto é um mês marcado por fatos trágicos de relevância para a História. Em 1572, na noite de 23 para 24, teve início em Paris, por ordem da rainha Catarina de Médici, o massacre dos protestantes, fato que perdurou até outubro.

O episódio entrou para a História como “A Noite de São Bartolomeu”. Foi um verdadeiro banho de sangue que impregnou na mente dos não católicos da Europa a convicção de que o Catolicismo era uma religião sanguinária e traiçoeira. Para comemorar o feito o Papa Gregório XIII, entre outras homenagens, enviou ao rei da França a condecoração da Rosa de Ouro.

Séculos depois, os dois maiores conflitos da humanidade tiveram início nesse fatídico mês: a Primeira Guerra em 1914, no dia 1º, e a Segunda em meados desse mês com o deslocamento das tropas alemãs para a fronteira com a Polônia. Segundo Leonardo Mota:

 Agosto é o mês desmancha-prazeres da humanidade.

O mês de Agosto também é marcado por acontecimentos tristes na memória do povo  brasileiro, especialmente no campo político. Foi em agosto de 1976 que o ex-presidente Juscelino Kubitscheck de Oliveira morreu em um trágico acidente na via Dutra. Também em agosto, em 1961, o presidente Jânio Quadros renunciou à presidência da República mergulhando o país numa das mais graves crises institucionais de sua história.

No campo artístico, nunca é demais lembrar a morte súbita da intérprete brasileira mais conhecida no exterior, Carmen Miranda, ocorrida em agosto de 1955. Porém, o fato mais chocante ocorreu no dia 24 de agosto de 1954. Naquela data o presidente Getúlio Dorneles Vargas emocionou o país ao praticar o suicídio em pleno exercício do cargo.

Expressões para o dia aziago: A coisa está feia; Atolado até o pescoço; Má sorte; Comer o pão que o diabo amassou; Descer ao fundo do poço; A vaca foi pro brejo; Dar com os burros n´água; Mensageiro do apocalipse; A bruxa está solta; Maré de azar; Na lama; Na pior; Maré de azar; Desceu a ladeira; Mau pedaço; Na pior; Estar lascado; De mal a pior; Dar sopa para o azar; Cair do cavalo; Em maus lençóis; Maré não está para peixe; Estar numa fria; Entrar pelo cano; Quando a porca torce o rabo; Na merda; Entrar pelo cano; Perdido no mato sem cachorro; Beco sem saída; Sem luz no fim do túnel; Vida de cão; Azar no jogo; Era tão azarado que, se quisesse achar uma agulha no palheiro, era só sentar-se nele; Se bater na madeira afasta o azar então to precisando desmatar a Amazônia na base da porrada; A diferença entre uma pessoa de sorte e uma azarada é simples: a de sorte joga na Mega-Sena e ganha o prêmio entre milhões de jogadores. A azarada descobre que tem uma doença rara que atinge uma a cada 10 milhões de pessoas; Eu só posso ter picado salsicha na tábua dos 10 mandamentos pra sofrer assim…; Sou tão azarada que se inventassem uma pílula da imortalidade, eu morreria engasgada com ela; Tenho tanto azar que pra acertar os 6 números na megasena é fácil, só preciso marcar os números e guardar sem jogar; Mudar de fila faz com que imediatamente a fila de onde você saiu comece a andar mais depressa do que a sua; Se você chega cedo, o espetáculo será cancelado. Se você se mata para chegar na hora, terá que esperar. Se você chega atrasado, começou na horas; Sempre que aponto algum favorito, ele dança antes da hora; O pão do pobre quando cai no chão é sempre do lado da manteiga; Se tenho algo confidencial, esqueço na máquina de xerox; Lei da experiência: não vai funcionar; A adversidade é nossa mãe, a prosperidade é apenas uma madrasta; “A vida é um jogo de azar, e as probabilidades de ganhar são impossíveis; No caminho, um táxi passou a toda velocidade, determinado, numa poça d’água e encharcou seu terno; Sempre recolho moedas do chão. Deixei cair moedas da minha carteira e as chutei; É tudo muito simples, uma situação que pode ser resumida em duas palavras: A-ZAR; Se o caso é ganhar ou perder, você perde; Você erra, todos julgam. Você acerta, ninguém vê; Tenho azar no amor e sorte no azar; Talvez tenha azar no amor, mas sempre tive sorte na descoberta de desamores complicados!.

Neste dia (24 de agosto), festejamos a santidade de vida de São Bartolomeu, apóstolo de Jesus Cristo, que na Bíblia é citado com o nome de Natanael (que significa dom de Deus), a liturgia sobre o Santo nos convida a escapar das superstições com a seguinte lição: “Livrem-se destes fardos inúteis, subamos com pressurosa esperança a escada de Jacó: o Filho do Homem, que associa a família humana à divina família do Pai”.

Fontes: https://www.pensador.com/; https://www.hnt.com.br/; https://miltonparron.band.uol.com.br/; https://www.recantodasletras.com.br/; https://padrepauloricardo.org/; https://conventodapenha.org.br/ e https://moraisvinna.blogspot.com/. Imagens da Internet. Pesquisa realizada por Ana Creusa

Laélia Alcântara, a primeira senadora negra

A baiana Laélia Contreiras Agra de Alcântara, nascida em Salvador em 7 de julho de 1923 é a primeira mulher negra a exercer o mandato de Senadora Federal, eleita pelo Acre, na época, território federal.

Filha de Júlio e Beatriz Contreiras Agra, formou-se médica em 1949, pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Da academia, transferiu-se para o Acre, que tinha apenas seis médicos! Lá, ela especializou-se em atendimentos nas áreas de obstetrícia e pediatria e deu aula de puericultura na Escola Normal de Rio de Branco.

Sua carreira política começa em 1962, quando é eleita suplente de deputado federal em 1962, pelo PTB,  migrou para o antigo MDB, após o bipartidarismo decretado pelos militares em 1965.

Em 1974, em nova eleição, conquista outra suplência. Desta vez do senador Adalberto Sena.

Com a volta do pluripartidarismo em 1980, acompanha o partido na mudança da sigla. E é como peemedebista que ela se torna a primeira mulher senadora da República, num mandato de cinco meses, de abril a agosto de 1981, devido o afastamento o titular, por questões de saúde.

Adalberto Sena retoma seu mandato, mas em janeiro de 1982 vem a falecer, confirmando seu pioneirismo na câmara alta do Congresso Nacional.

Ao ser efetivada, Laélia de Alcântara torna-se, também, a terceira senadora de nossa história.

Como curiosidade, vale saber, que a Princesa Isabel foi a primeira mulher senadora do Brasil, por direito dinástico, durante o Império. A segunda foi Eunice Michiles, do PDS do Amazonas.

Isabel, em sua passagem pelo Congresso Nacional, posicionou-se contra o aborto, contra o racismo e apresentou emendas permitindo o ingresso de mulheres na Força Aérea Brasileira.

Presidente do Conselho Regional de Medicina do Acre, Laélia também atuou como secretária de Saúde entre maio e setembro de 1987, ocasião em que encerrou sua carreira política.

Laélia morreu em 30 de agosto de 2005 no Rio de Janeiro.

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/La%C3%A9lia_de_Alc%C3%A2ntara

http://www.fgv.br/cpdoc/

Laélia Alcântara, a primeira senadora negra

11 de agosto: Dia do Estudante e do Advogado

A história de como surgiu o Dia do Estudante nos remete à data de 11 de agosto de 1827, quando o Imperador D. Pedro I instituiu no Brasil os dois primeiros cursos de ciências jurídicas e sociais do país em São Paulo e Olinda (mais tarde transferido para Recife). Até esse dia, quem estivesse interessado em obter um curso superior, teria que ir à Coimbra, em Portugal, onde se localizava a faculdade mais próxima.

Um século mais tarde, em meio às comemorações dos cem anos dos cursos de direito, um dos participantes, chamado Celso Gand Ley, propôs que esse dia fosse o escolhido como o Dia do Estudante, sendo prontamente atendido. Internacionalmente, a homenagem aos estudantes acontece em 17 de novembro.

O Brasil ainda está muito longe de oferecer uma boa educação aos jovens estudantes, tendo em vista a qualidade baixa do ensino.  Há falta de verbas para que as instituições públicas propiciem o mínimo de conforto e segurança adequados para os estudantes. Muitos enfrentam longos caminhos de suas casas até suas escolas. Também trabalham para ajudar  na renda familiar, mesmo sendo menores de idade. Outros dedicam muitas horas do seu dia ao estudo para alcançar suas metas ou se separam de seus entes queridos para estudar em outros países. Pela ambição, coragem e perseverança desses alunos, e também por representar a futura geração de cidadãos profissionais e governantes do nosso país, a existência de uma data para homenageá-los torna-se de fundamental importância, justa e merecida.

Oração do estudante

Senhor, eu sou estudante, e por sinal, inteligente.
Prova isto o fato de eu estar aqui, conversando com você.
Obrigado pelo dom da inteligência e pela possibilidade de estudar.
Mas, como você sabe, Cristo, a vida de estudante nem sempre é fácil.
A rotina cansa e o aprender exige uma série de renúncias: o meu cinema, o meu jogo preferido, os meus passeios, e também alguns programas de TV .
Eu sei que preparo hoje o meu amanhã.
Por isso lhe peço, Senhor, ajuda-me a ser bom estudante.
Dê-me coragem e entusiasmo para recomeçar a cada dia.
Abençoe a mim, a minha turma e os meus professores. Amém.

Coração de Estudante – Milton Nascimento

Fonte: http://www2.portoalegre.rs.gov.br/. Foto autorizada de Netinha de Peri-Mirim/MA, com o livro “Cem Anos de Gratidão”, de autoria de Ana Creusa.

10 hábitos diários simples para uma vida mais feliz

  • Beba água todos os dias, no mínimo 2L, ou faça o cálculo de 0,40 ml multiplicado pelo seu peso;
  • Elogie as pessoas de maneira sincera;
  • Limpe sua casa todo dia, ao menos, por 10 minutos;
  • Mova seu corpo, pratique exercícios diários, corra e se movimente;
  • Busque coisas divertidas que te façam rir diariamente;
  • Tenha um hábito de leitura, pois pelo menos uns 30 minutos diários te farão mais feliz;
  • Silencie tudo que te deixa pra baixo nas redes sociais. Notícias tristes, pessoas modificadas digitalmente e tudo que dê gatilhos para memórias ruins;
  • Ouça boas músicas. Escutar músicas libera dopamina, que deixa seu cérebro mais contente com a vida;
  • Durma entre 8 a 9 horas toda noite;
  • Aceite que a felicidade é um estado e os momentos tristes da vida são importantes e não são eternos. Depois da tempestade, há sempre o sol para aproveitar a boa vida.

 

Os filósofos gregos, como Aristóteles, por exemplo, já diziam que a felicidade não é algo perene: ela é um estado da vida. Assim como a tristeza é fundamental para entendermos o que é felicidade, ela é importante para termos alegria na vida.

Assim, alguns hábitos diários podem tornar a nossa vida mais alegre e nos proporcionar momentos de felicidade ao longo do tempo.

A felicidade é um estado da vida. Ela não é eterna e precisa ter momentos de balança entre a tristeza para que possamos entender a importância de sermos felizes. Uma vida feliz passa por tranquilidade emocional e física.

Portanto, é preciso estar com a saúde mental em dia, ter bons amigos e uma boa companhia para trocar os melhores momentos da vida. Pratique os hábitos acima.

Fonte: https://escolaeducacao.com.br/