O MARANHÃO REAL E O VIRTUAL

Por Expedito Moraes

O Estado do Maranhão já era há 8 anos, o penúltimo estado mais pobre do Brasil, todos os governantes juraram, nos seus discursos de posse, tirar o estado dessa terrível situação. Podem até terem tido essa intenção, entretanto, o resultado tem sido desastroso. Atualmente, batemos recorde em todos os índices negativos, mantendo-nos em estado de pobreza e miséria, nossa Baixada no bolo.

Nas beiradas dos campos, nas capoeiras, nas beiras do rios, no meio da seca e dos alagados; crianças dormem com fome, sofrem com ataques de verminose, com corpos esquálidos, desnutridos, sem assistência médica onde, ainda, a ambulância é uma rede velha pendurada num pau carregada pelos caminhos de lama ou torrão. Ao chegar ao hospital na sede do município é colocado numa ambulância para transportá-lo pelas estradas esburacadas e pelo Ferry, até o Socorrão. Chega vivo, porém, pior do que estava.

E a Educação? Bem, neste item continuamos sendo os piores. Razão, pela qual, fica impossível superar a barreira da pobreza.

Somos impotentes para resolver isto? Acredito que não. Falta de recurso não é. As transferências federais e estaduais para o Estado e os municípios nunca deixaram de chegar. Essas transferências são constitucionais, em hipótese alguma um governante pode deixar de cumprir. O Maranhão é um dos estados que depende destas transferências; imaginem nossos municípios.

O Maranhão tem o maior índice de famílias beneficiadas pelo Auxílio Brasil (Bolsa Família), são 1,22 milhão de famílias contempladas, um investimento federal de R$ 743,3 milhões. Entre os lares beneficiados pelo programa permanente de transferência de renda do Ministério da Cidadania, mais de 1 milhão, ou 82,5%, têm uma mulher como responsável financeira. Levando em consideração 5 pessoas por família são mais de 5 milhões de pessoas beneficiadas. Ou seja, aproximadamente, 70% da população. Na capital São Luís, 123,7 mil famílias são beneficiadas, fruto de um investimento de R$ 74,4 milhões.

Para se ter uma ideia, em boa parte dos municípios do Estado, principalmente os da Baixada o volume de recursos proveniente desta transferência são maiores do que o FPM (Fundo de Participação dos Municípios).

O paradoxo é que estes recursos não ficam nos municípios e nem no Estado.

O Desafio é transformar o virtual em real. No virtual tá tudo muito lindo, mas o real é assustador. Vamos à luta!

Expedito Moraes, fevereiro/2023

SAUDADES DA MINHA TERRA QUERIDA: OUTRA OUTRORA

Por Zé Carlos Gonçalves

Outrora,

na minha terra,

vinha o silencioso luar
namorar,
no apogeu do plenilúnio;

e

o riacho passeante,

em suas áridas entranhas,

enebriava-se com tamanha
pujança
mistérios
e
maravilhas;

e

as curacangas,

sedentas das batinas,

tornavam-se devoradoras
das almas,
sedentas dos pecados;

também,

o estio abrasante,
explodia prenhe
em todas os tons,
a colorir a fome

dos pássaros,
que “avoavam” os voos
leves e alegre

e

dos animais,
que tateavam as madrugadas,
pródigas em sementes!

Hoje,

na minha terra,

ainda,

há palmeiras,
que somem
na velocidade da ganância.

sumiram …

o curió
o azulão
o totoriá
a patativa
o “caboquinho”

… na gula das gaiolas.

o nambu
a jaçanã
a siricora
a marreca
a surulina
a japeçoca

… na gula das espingardas!

Paradoxalmente, restam

as “galças”,
desconfiadas das maldades
humanas,

e

os “arubus”,
fingindo-se ingênuos,
a dominarem a cidade!

EDUCAÇÃO DE PERI-MIRIM É O TEMA DO II PRÊMIO NAÍSA AMORIM

A Academia de Letras, Ciências e Artes Perimiriense (ALCAP), por meio da confreira Edna Jara Abreu (cadeira 25), apresentou o Projeto do II Concurso Artístico e Literário “PRÊMIO ALCAP NAISA AMORIM” com o tema: EDUCAÇÃO DE PERI-MIRIM: HISTÓRIA E EVOLUÇÃO no dia 30, 31 de janeiro e dia 02 de fevereiro, durante as reuniões de Formação Pedagógica da Escola Alda Regina CORRÊA – ARC; no Encontro Pedagógico da SEMED e na Jornada Pedagógica do Centro Educacional “Artur Teixeira de Carvalho”, respectivamente.

Tendo em vista o grande sucesso da primeira edição em 2019, em que o empenho e dedicação de alunos, professores e apreciação da sociedade superou as expectativas, por isso, a intenção é repetir as ações.

O projeto é destinado aos alunos do ensino fundamental e ensino médio, incluída a modalidade Educação de Jovens e Adultos (EJA), inseridos em escolas da rede municipal, estadual de ensino e particular, sediadas no município. Parceria já firmada com a Secretaria Municipal de Educação de Peri-Mirim e estende-se com o prazo máximo a participação de patrocinador(es) neste evento até 15 de março de 2023.

O objetivo do Projeto “PRÊMIO ALCAP NAISA AMORIM” visa incentivar o gosto pela leitura e pela escrita, dar visibilidade às produções artísticas, bem como provocar nos alunos a compreensão da importância do contexto histórico para a educação atual do município.

São categorias do concurso deste ano: Desenho (alunos participantes 1° ao 5° Ano); Poema (alunos participantes 6° ao 9° Ano), Crônica (alunos participantes 1° ao 3° Ano do Ensino Médio), neste ano, a ALCAP traz uma novidade: a Categoria Escola Criativa.

As inscrições já estão abertas e irão até o dia 15 de março. Local de entrega dos trabalhos na sua Escola. 

As inscrições serão feitas no site oresgate.net.br  ou no link abaixo:

Veja detalhes do Projeto:

Projeto II Prêmio ALCAP Naisa Amorim – 2023

PINICÃO: Um adeus ou um até logo?!

Por Zé Carlos Gonçalves

Recebo a notícia de que nosso carnaval ficará órfão do Pinicão. Uma tragédia! Tragédia, porque os pinheirenses, há algum tempo, estamos sempre perdendo.

Qual pinheirense que retorna à terrinha, única e amada, que não se dilacera com tanto descaso. O pior é que começa logo na entrada. Continua nas artérias. Em todas as artérias. E vai reafirmar-se nos seus limites. Não sei qual o pior. A saída para Pacas ou a saída para Santa Helena.

Perdendo a nossa certeza de que temos o torrão natal, que possa nos abraçar, tão carentes o buscamos. Perdendo a noção de nossas lembranças, que se apresentam tão desbotadas, quando nos deparamos com a carcaça maltrapilha de nossa Princesa-mãe, que parece afogar-se na angústia de cada filho seu.

Perdendo os nossos entes, os nossos bens culturais, a nossa identidade. Ou não?!
Perdendo o melhor do carnaval, que perde e se perde nas ondas gigantes de tanta mediocridade musical.

Perdendo o último reduto de resistência carnavalesca, que engole esse mar de incompetência. Tanto lúdica quanto administrativa.
Uma pena!
Que não seja um adeus. Apenas um breve até logo!

O TIO BOBO: O DADOR DE CONSELHOS

Ontem, estive muito saudoso do amado tio Bobo que “inté” me peguei conversando com ele, durante um “trespasso”, pós o almoço. Penso até que minha casa me achou “vário”, no mínimo. “Falano só”. Uma prática, sadia e comum, de todo bom baixadeiro. Não é mesmo?!

Mas, o que interessa é que lembrei um encontro, em que o tio Bobo se apresentou tal um conselheiro amoroso. E, “porreta”. Disse-me que, em vários casos, atuou como um sério confidente. Confidente, sim, “dos cumpadinhos e, até, das cumadinhas”. “Coisas de arrupiá os cabelo”, e “outras coisinhas mais”.

Aí, fiquei curioso. Mas, como ele era um homem honrado e um ferrenho guardador de segredos, “nadica de nada lhe escapou”. Fez-se um sisudo túmulo.”Um boca dura”, como dizia minha mãe. De verdade, não “soltou a língua, de jeito nenhum”. “Me deixô, sim, foi chupano os dedo”, ou melhor, sem unhas. Roí todas. E, nada soube das “cumade”. “Neim us limpo, neim us pôdi”.

Abriu uma exceção, porém. Falou do vizinho, porque era nosso parceiro no dominó. E, em tom de confidência, disse que “o dito cujo” vivia era, ali, “aperriano a pacença aleia”. “Quexoso, qui só, da fulga da muié dêli cu’u padero”. “Er’um churume só. Si cunsumino irgá bezerro dismamado”.

O certo é que o tio Bobo se mostrou um autêntico “dador de conselhos”. Acreditem só. Pediu ao “infiliz” que fosse, e logo, procurar um amor novo, e verdadeiro. Disse mais. As pessoas, que sumiam, “davo um alívio”, uma melhor vida, ao abandonado. E, assim, “ia seguino com o seu rosário de recomendações”, ou, como ele mesmo dizia, com ” o seu rosário de bondades”.

“Como o diabo é moleque”, não me contive. “Dei uma de de doido e caí na asneira” de lhe tecer alguns elogios. E “foi a gota d’água, para ele perder a paciência”

Dirigiu-se a mim com firmeza e “soltou a ladainha”:
– Tu quê sê ingeno. Veim, aí, sêmpri cum tuas tolice. Não vê, meu fio, qui êssi coitado dêvi dexá di sê besta e largá di saí contano coisa pra tôdu mundo. É só pra nóis que si dêvi derramá nossas lágrima. Argumas pessoa num merece neim dêvi di vê nosso sofrê. Ais nossas coisa importante dêvi sê só nossa. Filho d’égua argum dêvi sabê. Tom’um conselho. Si tu quê guardá u segredo teu, não pensa neim alto qui tua boca pôdi ti traí. Tendeu?! E vamo bebê, né, qui queim gosta de lero, lero é Valero! I vê si aprêndi i vai criá juízo!
Que cara “mofético”, é esse tio Bobo!

É TEMPO DE CARNAVAL (ME DÁ UM DINHEIRO, AÍ!)

Por Zé Carlos Gonçalves

Peguei-me lembrando das marchinhas dos carnavais, que muito embalaram minhas memoráveis vesperais.

Que gritante diferença das baboseiras de hoje, perdidas num barulho infernal. Uma gritaria desenfreada, que diz nada, a se perder nos apelos dos “rebolations” e das “tão desrespeitadas bundas”, a despencarem até o chão.

Tenho a impressão de que, talvez, fosse inocente. Mas, era, certamente, em minha maior parte, emoção. Afinal, só muita emoção, para me enebriar com simplicidade, tanta, “ao ‘marmanhar’ a uma mãe uma mamada, ou apenas uma chupeta, pra não chorar”, e, ainda, pular “bêbedo de alegria”.

Ou delirar “na sacra vibe” de um chop, estupidamente gelado, com a mais inocente das ironia, a pretender “raspar as boas e pensantes cabeças femininas”, que “paparam tão feroz e assustadora ‘fera’, o vestibular”. Vestibular, que, hoje, “não dá mais samba”.

Ou me anestesiar com uma faísca, ou com um leite de onça, ou com um Caldezano, ou com um quebra-queixo, a fim de me tornar “a mais viva personagem” dos flashes da realidade reinante, em que não era crime, muito menos cancelamento, “ser o tenente interventor da extraterrestre mulata, a fazer inveja à lua”, que também vinha me espiar, para me livrar da cruel dúvida entre “o voraz alambique, que vertia cachaça; e o manso ribeirão, que produzia água!”.

Quem sabe ser, até mesmo, um fantasmagórico folião, preso à ingenuidade de poder admirar “a boniteza do meu verdadeiro amor, a simples Jardineira”, depois que “dois suspiros ceifaram a vida da Camélia, que, por vil ironia, não sabia ‘trepar’ … no galho, ‘ora sô”! Ou um louco varrido, na mais tênue lucidez, para, “no cúmulo da ingenuidade”, fazer “chantagem barata” por “um dinheiro, aí”, que me pudesse manter sóbrio e não me levasse a “cair … na farra”, outra vez !
Eita, delírios de saudades dos meus carnavais!

É TEMPO DE CARNAVAL! (A MULHER ADIVINHONA)

Por Zé Carlos Gonçalves

Eita, período para ter o que “contar”. Olha aí, dr Nordman Ribeiro, resgato a façanha de um autêntico folião, um bom conterrâneo, “lá pelos idos de 60”, que só queria um pouco de diversão.

Pois bem, reza, nos profanos anais carnavalescos de nossa Pinheiro, que o dito cidadão, que vou nomear de JJ, para evitar qualquer tipo de fuxico, não quis dar ouvido ao pedido de sua esposa, que só queria o seu bem, dele.

JJ havia chegado, cansado, de uma cansativa viagem à Chapada, que durava desde a madrugada. Foi-lhe implorado que não saísse, o que era sua vontade manifesta, e que logo fosse a “um senhor banho”, e jantasse e descansasse. Tal pedido, ‘tão” encarecidamente pedido, não foi aceito. Não teve jeito. JJ “desarreou” seu querido e fiel alazão; banhou, com o maior desvelo; “botou a sua melhor beca”; abusou do Madeira do Oriente; e saiu, se achando. E, ainda, “saiu com esta”:
– Eu vou é dá uma expectada no baile da imoralidade, logo depois venho fazer bochecha e vou imitar morto.
– Rapaz, deixa de doidice e vem jantar. Só escuto que só tem briga nessas festas. Um verdadeiro inferno! Procura descansar. Não é mais como no nosso tempo. Acho que tu tá procurando é apanhar.
Mas, como dizia minha doce avó, “o que não tem remédio, remediado está!” Então … JJ não deu ouvido. Nem ligou. E foi.

Chegando à entrada do clube, “afoito, que só”, foi logo subindo a pequenina escada, que dava acesso ao salão de festa; mas não havia de ter sorte pior. “Foi de encontrão” com a insana briga, que vinha lá de dentro. Sem como fugir, ganhou, olha só, “foi um baita tabefe no pé do ouvido”. Aí, né, tudo acabado!

“Com tudo escuro”, JJ rolou, rolou e chegou, atordoado, e bastante machucado, à dura calçada. Foi “pisoteado” pela turba enfurecida, que fugia amedrontada. “Ninguém ligou pra ele”. “Com muito custo”, voltou a si e voltou para casa. “Com o rabo entre as pernas”, murcho, e com os conselhos da esposa, “a lhe consumirem o juízo”, arrastou-se em total frustração. Afinal, não tivera tempo de “molhar o bico” que dirá, meu Deus, de “peruar” alguma coisa, como bem queria. Muito menos o “baile da imoralidade”! Só lhe restou “entrar mudo e ficar calado!” Como se não tivesse sofrido “nada”, JJ fez a sua bochecha (comeu “sua bóia”) e procurou imitar morto (foi dormir), com os anjos!

Que sábia e “adivinhona” era a sua mulher!

BAIXADA MARANHENSE: Os campus do IFMA de Pinheiro e Santa Helena também oferecerão vagas para cursos de licenciatura para professores da rede pública de educação básica

O Instituto Federal do Maranhão (IFMA) está ofertando 760 vagas em cursos de licenciatura para professores da rede pública de educação básica. A oferta ocorre no âmbito do Plano Nacional de Formação de Professores para a Educação Básica (Parfor), da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Há vagas para os cursos de Química (120), Ciências Biológicas (240), Matemática (160), Física (80), Artes Visuais (80) e Educação do Campo com terminalidade Matemática (80). As licenciaturas estão sendo ofertadas por 10 campi do IFMA, em 17 municípios de implantação. Professores de localidades vizinhas também podem se candidatar.

Os cursos serão ministrados nos municípios de Alto Alegre do Pindaré, Araioses, Cândido Mendes, Caxias, Colinas, Governador Archer, Lago da Pedra, Lago do Junco, Morros, Pinheiro, Santa Helena, Santa Luzia do Paruá, São Domingos do Maranhão, São João dos Patos, São Luís – Centro Histórico, Timon e Zé Doca.


Edital CAPES 08/2022 (e alterações)

Quadro de vagas

Plataforma Capes de Educação Básica

Manual de preenchimento do currículo


O processo de seleção envolve duas fases: pré-inscrição e validação da inscrição pela Secretaria Municipal de Educação. Após ler o edital, o interessado pode efetuar a pré-inscrição até dia 7 de fevereiro na plataforma Capes de Educação Básica. Segundo as normas da seleção, a pré-inscrição poderá ser realizada na licenciatura na qual o professor necessitar de formação e de acordo com a disciplina que ministra no município de sua lotação, conforme as informações constantes no currículo cadastrado.

Para participar do Parfor, os professores da rede pública de educação básica devem estar com os currículos cadastrados e atualizados na Plataforma Capes de Educação Básica até dia 7 de fevereiro. O resultado preliminar está previsto para dia 17 de abril, sendo o resultado final dos cursos aprovados divulgado até 12 de maio.

A seleção e a matrícula dos professores devem ocorrer no período de 15 de maio a 30 de junho, pelo IFMA. As aulas presenciais e orientações acadêmicas devem iniciar em agosto de 2023. O funcionamento dos cursos ocorrerá na forma presencial, aos finais de semana e durante o período de férias, com disciplinas intensivas, de acordo com calendário do IFMA em acordo com as Secretarias de Educação.

Em caso de dúvidas, o candidato pode procurar a Secretaria de Educação do seu município ou o campus do IFMA que esteja ofertando o curso. É possível também entrar em contato com a Capes/Parfor através da Central de Atendimento: 0800 61 61 61 – opção 7.

Plantio do Bosque das Mangueiras: um dia histórico

Por Ana Creusa

Em um sábado ensolarado do dia 26/02/2022, o Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (FDBM) e seus parceiros procederam ao plantio das primeiras mudas do Bosque das Mangueiras em Matinha. O bosque é uma parceria da comunidade quilombola do povoado Graça, Fórum da Baixada, Prefeitura Municipal e Universidade Estadual do Maranhão (UEMA).

Uma expedição de São Luís, com uma comitiva de 15 membros do Fórum da Baixada, participou do evento, que contou também com moradores, convidados, estudantes e lideranças políticas. A programação contou com uma entrevista na rádio Maracu, onde o presidente do FDBM, Expedito Moraes, a vice Ana Creusa e o coordenador do projeto, Dr. Gusmão Araújo, explicaram as ações em Matinha.

Os entrevistados forneceram informações sobre o Projeto Bosques da Baixada, que visam conscientizar, na prática, sobre a importância da preservação ambiental, por meio de plantio de bosques com a participação das comunidades envolvidas e órgãos do poder público. Um café da manhã, oferecido pela emissora, e uma recepção pelos forenses como o secretário de Gabinete de Viana, Nélio Júnior; do engenheiro agrônomo Henrique Travassos; e do vice-prefeito de Matinha, Narlon Silva, iniciaram a programação na região.

Expedito Moraes apresentou um breve histórico da iniciativa, enquanto Dr. Gusmão, como responsável técnico pelo projeto, e Ana Creusa, falaram sobre a importância do projeto, vez que possibilita que algumas espécies ameaçadas de extinção, ou que são importantes para os municípios sejam cultivadas nos bosques que serão cuidados pela comunidade.

Em seguida, dirigiram-se à comunidade Graça, onde participaram de uma solenidade de implantação do Bosque das Mangueiras, em Matinha, e foram recepcionados pelos moradores e lideranças políticas e comunitárias. Lá, além dos coordenadores do projeto e do Fórum da Baixada, usaram da palavra a prefeita Linielda de Eldo, o vice-prefeito Narlon Silva; o ambientalista Cesar Brito e lideranças do povoado, que destacaram a criação e a importância do bosque.

Dr. Gusmão Araújo lembrou que o trabalho de cuidados com o Bosque cabe aos moradores, mas que o Fórum da Baixada e demais parceiros estarão sempre prontos para ajudar e acompanhar, inclusive prevendo o plantio de outras mudas.

 

Após isso, os moradores, as lideranças e estudantes plantaram as mudas das mangueiras, após processadas e acompanhadas pela Universidade Estadual do Maranhão. Ao fim da programação, os participantes foram convidados pelo vice-prefeito do município, Narlon Silva, para um almoço em sua casa, no povoado Itans, e um passeio pela comunidade que é exemplo na piscicultura do Maranhão.

O BOSQUE DAS GRAÇAS DE DEUS

Por Expedito Moraes

Saímos do local de embarque exatamente no horário estabelecido, 4 horas da manhã. Nosso destino era o município de MATINHA, mais precisamente, o povoado de GRAÇA. E durante o trajeto a conversa rolou solta pela Van. Falou-se e ouviu-se de tudo. Política, futebol, piadas (destaque para Deuzenir), muito riso, muita alegria, tudo sempre disciplinado, quando o exagero aparecia era acalmado pelo com o apito da competente Secretaria Elinajara.

Antes, porém, teríamos uma parada obrigatória e fundamental na RÁDIO E TV MARACU (uma das mais significativas parceiras da região). O nosso companheiro BENITO, empresário e proprietário da emissora nos honrou com um irrepreensível café da manhã, com um seleto cardápio composto de frutas, sucos, café, chocolate, bolos etc. RANY (como é chamada pelos seus inúmeros ouvintes) esmerou-se no serviço, educada, gentil e caprichosa. GILVAN nos surpreendeu com um excelente conhecimento sobre o Fórum e de suas missões. Entrevistou-nos com a maior deiscências e competência; ARTUR esmerou-se durante todo o evento para registrar com precisão os mínimos detalhes.  Como dizemos na Baixada:  Ficamos sem palavras para agradecer tamanha gentileza e generosidade a essa equipe maravilhosa da MARACU. Para ser mais simples e direto: BENITO e equipe, VALEU, 10.

Na MARACU tivemos a honra da presença dos companheiros forenses: NÉLIO JÚNIOR, HENRIQUE TRAVASSOS e o empresário e vice-prefeito de Matinha, NARLON.

Seguimos para o povoado GRAÇA.

Grande surpresa na chegada. Em primeiro lugar a comunidade toda, como poderia dizer? em FESTA. Todos ali reunidos, alguns com seus produtos à venda, uma feirinha, ZÉ PINHEIRO, cantador de boi de matraca, vendia bananas e cantou uma toada.

 

Na mesa reservada às autoridades foi lastrada de bolos e pães de excelente qualidade produzido na padaria da comunidade. Devemos lembrar que essa comunidade é um quilombo e com alto grau de organização e preservação dos valores tradicionais.

MANOEL (ex-presidente) e DOMINGOS (atual presidente), humildes e perseverantes acreditam num futuro melhor para aquela comunidade.

Não há e nunca houve sucesso sem disciplina, conhecimento, determinação e, sobretudo, humildade, porque são estes componentes que determinam o sucesso de qualquer empreendimento, sociedade ou nação.

Durante a semana a comunidade com o comando e providências de CÉSAR BRITO, HENRIQUE TRAVASSOS, DOMINGOS, MANOEL e voluntários organizaram tudo para que o plantio ocorresse da melhor forma possível.

A PREFEITA, seu esposo ALDO, NARLON e seu FILHO, secretários etc. participaram do Evento. A prefeita LINIELDA disse que o povoado GRAÇA estava em estado de GRAÇA. NARLON anunciou que ITANS será a próxima parceira em um novo projeto de BOSQUE. Um dos desejos da comunidade é implantar um bosque de Jussara em dois hectares. A terra, eles têm.

Depois das autoridades e forenses plantarem suas mudas, com a competente cobertura de TV e RÁDIO MARACU, rumamos para ITANS, mais precisamente para a residência do empresário NARLON, onde sua esposa OLINDINA serviu um suculento e saboroso almoço, cujo cardápio, não poderia ser diferente, à base de peixe, sucos etc.

No final, houve discurso do Presidente do Fórum da Baixada enfatizando a importância do Projeto BOSQUE DA BAIXADA e da existência de políticos realmente comprometidos com as questões da Baixada. SILVEIRA lembrou da importância da união e do sucesso de ITANS que motivou a aceitação e mudança na política de MATINHA. A entrada de NARLON na política e a efetiva participação nas eleições, marcaram um novo grupo político no município. SILVEIRA e CIBALENO, grandes líderes em ITANS, foram fundamentais neste processo.