Natureza inteligente

Autora: Gracilene Pinto

A jaqueira velha tinha mais de cem anos. Fora plantada pelo meu avô. Como acontece com os idosos, já caducava. Continuava a frutificar, mas seus frutos, de tamanho regular, não tinham mais que quatro ou cinco bagos. Grandes e doces, mas muito poucos, porque o resto todo era de bagos secos.

De passagem por São Vicente, convidei minha tia Morena para um passeio pelo quintal com seu grande pomar em pleno centro da cidade.

Caminhávamos entre árvores antigas e outras mais novas passando por alguns espécimes que quase ninguém planta mais, tais como: carambola, laranja da terra, laranjão, peruana, ginja, etc., quando, para meu espanto e consternação, deparamos com a velha jaqueira, que, carregada de frutos, jazia arriada do chão, com uma parte das raízes expostas, parecendo haver cedido ao cansaço de um século de existência.

Tia Morena explicou-me que a secular e copuda árvore tombara ante a força do último vendaval. Que em São Vicente Férrer, com o calor, de vez em quando o vento se irrita e sai furioso a redemoinhar, maltratando a vegetação e fazendo estragos por onde passa. Dessa vez a jaqueira velha foi a inocente vítima. Acrescentou minha tia, que estava esperando somente a carga de frutos madurar para mandar cortá-la. Tivemos esse diálogo diante mesmo da sua copa arriada no chão e depois seguimos nosso caminho, um pouco mais tristes ante o trágico destino da pobre árvore.

No ano seguinte, ao voltar em São Vicente, ainda encontrei a jaqueira no mesmo lugar e questionei minha tia a fim de saber o que a fizera mudar de ideia quanto a decisão de cortá-la. E tia Morena me contou que nesse ano a safra de jacas surpreendeu a todos. Os frutos não tinham lugar para bagos secos, estavam cheios de amarelos, suculentos e enormes bagos, doces como mel. Quem teria coragem de cortar uma fruteira tão prolífera e dadivosa, mesmo caída no chão?

Será que a jaqueira velha escutou a nossa conversa?

Gato com mão de gente

Autora: Gracilene Pinto

Dona Severina já vivia há muito tempo, como diz o populacho, na “idade do condor”. Com dor aqui, com dor ali, passava seus dias a gemer, coitada.

– Ai, delho! Ai, delho! Mandei chamar Sirvana, Sirvana num veio. Vida de véio é mermo assim, ninguém liga mais da gente. Num se presta pra nada! Ai, delho! Cuma se num bastasse as dor, inda me deixam sem cumê. Ai, delho! Ai, qui fome!

– Mãe Velha, dizia a neta Das Dores, a sinhóra é capaz de falar mal de Deus. Terminô de almuçá agorinha. E se mamãe ainda não veio é porque deve tá ainda trabalhando na farinhada.

– Quem?! Eeeeuu qui cumi? Tu tá é mentindo! Tu come a cumida toda e adispois me dexa cum fome, pequena mintirosa. Ai, delho!

Com seus oitenta e tantos anos, entre todos os males que lhe atormentavam a vida, como o reumatismo que já quase não a deixava caminhar, dona Sivica, como era chamada na comunidade, também havia o tal do alemão, o Alzeimer. Por conta disso esquecia das coisas, tinha acessos de fúria e momentos de grande saudosismo.

Morava com a anciã sua neta Das Dores, mulata de alma quente e corpo bem modelado, que há muito tempo já dera com os burros n´água, quando sucumbira às cantadas de um primo e deixara a virgindade atrás da moita no caminho do poço. Desde então, não enjeitava parada, só tinha cuidado para que a avó não soubesse das suas aventuras. Porém, confiante na demência de Dona Sivica, muitas vezes, às tantas da noite a moça levava os namorados para a redinha de fio armada no canto da camarinha da pequena casa de barro e palha.

Ocorre que, dona Sivica dormia na sala, sua rede estrategicamente armada no canto, bem na direção da porta que dava para a camarinha, permitindo-lhe, até certo ponto, vigiar Das Dores, para evitar que a neta caísse na sem-vergonhice.

E assim, já que as dores no joelho e no corpo todo não deixavam dona Sivica dormir, a anciã passava as noites entre uma baforada e outra do cachimbo de barro a gemer, a reclamar da vida ou a lembrar dos bons tempos da mocidade.

Nessa noite Das Dores já estava deitada, mas combinara previamente com o namorado que deixaria a porta de meançaba apenas encostada. Assim que a avó adormecesse, a moça faria um sinal para que o rapaz entrasse discretamente a fim de deitar-se com ela. O sinal seria um miado de gato.

Dona Sivica demorou um tempão falando, falando. Então, quando Das Dores ouviu o ressonado da avó imediatamente imitou o gato e o rapaz entrou, tentando ser o mais silencioso possível. No entanto, para chegar ao paraíso, que era a rede de Silvana, o homem precisava vencer sérios desafios. O primeiro e maior deles, seria passar por debaixo da rede de dona Sivica, tendo em vista que sono de velho quase sempre é muito leve. Depois, como localizar o penico naquela escuridão para não enfiar os pés ou as mãos no mijo? Mas, como paixão não mede distância nem dificuldades, corajosamente o moço agachou-se e começou a arrastar-se por debaixo da rede. Porém, terminou roçando na rede que estava muito baixa. Com muito jeito tentou levantar a rede devagarinho segurando pelos punhos, e só se ouviu a voz esganiçada da velha reboando no casebre:

– Quem tá aí?!!

– Quem havéra de tá, Mãe Véia? Só pode sê gato. – respondeu Das Dores do quarto.

– Gato num tem mão de guente! Gato num tem mão de guente! – declarou a anciã em um momento de rara lucidez.