O Fórum da Baixada realizará a eleição da nova Diretoria e Conselho Fiscal

O presidente do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense em exercício, Expedito Moraes, expediu Edital de Convocação para eleição da Diretoria da instituição, para o biênio de 2024-2025, cuja votação ocorrerá nas dependências do Restaurante Picuí Tábua de Carne, localizado Av. Daniel de La Touche, 1040 – Cohama – São Luís – MA, 65.074-115, às 19:00h do dia 26 de abril (sexta feira) de 2024.

A eleição para a Diretoria Executiva e Conselho Fiscal será realizada por votação direta e secreta para um mandato de 2 (dois) anos. A Diretoria Executiva é o órgão de representação da Sociedade em Defesa da Baixada Maranhense, eleita simultaneamente com o Conselho Fiscal, e será constituída do Presidente, primeiro Vice-Presidente, segundo Vice-Presidente, Primeiro e Segundo Secretários e Primeiro e Segundo Tesoureiros. O Conselho Fiscal é constituído por 3 (três) membros efetivos e seus respectivos suplentes.

As chapas que concorrerão à eleição serão compostas para todos os cargos previstos no Estatuto e poderão ser registradas até 72 (setenta e duas) horas antes da data do pleito, mediante comunicação à Sociedade em Defesa da Baixada Maranhense e em 24 (vinte e quatro) horas antes da data da eleição, deverá ser dada publicidade sobre a composição de todas as chapas inscritas, conforme Edital abaixo:

Edital de Convocação para Eleição FDBM

PLANTIO SOLIDÁRIO DA ALCAP: Igreja Católica de São Jerônimo recebe mudas de plantas

Hoje, dia 24 de fevereiro de 2024, foi a vez de os fiéis da Igreja Católica de São Jerônimo receberem mudas de Acácia Roxa, Angelim, Pau Brasil e Ipê. As mudas foram doadas pela ALCAP (Academia de Letras, Ciências e Artes Perimiriense), referente ao projeto Plantio Solidário que é liberado pela amiga da Academia Ana Cléres Santos Ferreira. Juntamente com a comunidade, realizaram o plantio, os confrades Nani Pereira da Silva, Diêgo Nunes, Venceslau Júnior e a amiga da ALCAP, Maria do Carmo Pereira Pinheiro. Foram plantas aproximadamente 20 mudas que irão fornecer sombra e uma paisagem ainda mais agradável, além de estimular atitudes de preservação ambiental.

O Projeto Plantio Solidário “João de Deus Martins” da ALCAP trata-se de uma ação que tem como objetivo repovoar áreas que tiveram a vegetação removida por força da natureza ou pela ação humana, como exploração de madeira, expansão de ambiente para agropecuária, queimadas, entre outros.

A exigência/orientação, para esta fase do projeto, é que a comunidade se responsabilize pelas atividades de cuidados com as mudas. A equipe da ALCAP sentiu um excelente engajamento da comunidade, traduzida na participação no plantio, e gestos de gratidão, com oferecimento de um delicioso lanche.

Consolidação de Parceria: Fórum da Baixada reúne-se com a CODEVASF

O Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (FDBM), desde o início do ano de 2024, vem buscando consolidar parcerias com diversos órgãos das esferas das três esferas de Governo.

Considerando-se que a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba – CODEVASF tem por missão desenvolver bacias hidrográficas de forma integrada e sustentável, contribuindo para a redução das desigualdades regionais, em 22 de fevereiro de 2024, uma equipe do FDBM reuniu-se com a equipe de trabalho da CODEVASF.

Nessa reunião tomamos conhecimento do atual estágio do Projeto DIQUE DA BAIXADA, projeto que tem fundamental importância para toda a região. De um lado, evita a entrada da água salgada nos campos e igarapés (como já acontece) e, do outro possibilita o acúmulo de água da chuva durante quase o verão todo.

Ocorre que, para este projeto, ainda faltam muitas exigências a serem cumpridas, como: licenças ambientais e outros procedimentos legais. O que consideramos altamente relevante é o empenho que o ex-deputado GIL CUTRIM, agora um dos Diretores Federais da CODEVASF, ter solicitado ao atual Superintendente no Maranhão, CLOVES PAZ, incluir no alinhamento das ações da atual gestão, o Projeto dos Diques da Baixada. E muito mais satisfeitos ficamos foi sabermos que o Governador BRANDÃO já demonstrou bastante interesse pelo Projeto, pois, autorizou o Secretário da SINFRA, APARÍCIO BANDEIRA, formar com a CODEVASF uma comissão conjunta de trabalho para agilização e acompanhamento desta grande obra.

O FDBM se colocou à disposição para, de alguma forma, contribuir nessas demandas, bem como demonstrou seu interesse na construção dessa obra, que é a principal reinvindicação dos baixadeiros.

Compareceram à sede da Superintendente da 8ª Superintendência Regional da CODEVASF, o presidente do FDBM, Expedito Moraes e os forenses: Alexandre AbreuAntônio Valente, Benito CoelhoEduardo Castelo Branco e Narlon Santos, foram recebidos por Eduardo Madeira e Clovis Luís Paz Oliveira, Superintendente da 8ª Superintendência Regional da CODEVASF, que presidiu a reunião.

Ministério da Agricultura recebe o Fórum da Baixada

Dando continuidade às parcerias institucionais, na última terça-feira, dia 21 de fevereiro do ano de 2024, no gabinete do senhor Superintendência Federal de Agricultura e Pecuária – SFA/MA, situado na Praça da República, nº 147, bairro Diamante, na cidade de São Luís, Estado do Maranhão, reuniram-se os representantes do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (FDBM) e da SFA-MA/MAPA.

Os representantes do Fórum da Baixada realizaram uma apresentação expressa sobre os objetivos da criação do Fórum e das atividades desenvolvidas na região, citando as iniciativas de sucesso na região, como por exemplo os projetos de piscicultura em Matinhas, o projeto Bosques da Baixada, de projetos de açaí em alguns municípios, e os trabalhos desenvolvidos pela secretaria municipal de agricultura de Anajatuba.

O chefe da DDR explanou sobre as ações que estão sendo propostas para a região nos programas de fomento do MAPA. Falou também sobre fortalecer as parcerias entre as entidades parceiras e os municípios da Baixada, priorizando a organização e estruturação das Secretarias municipais. Ressaltou o potencial e a importância das culturas da piscicultura, bubalino cultura, açaí, mandioca e mel, que precisam de maior atenção para um desenvolvimento sustentável.

Foi relatado, por membros do Fórum, a possibilidade de expansão do projeto Bosques da Baixada, que tem como finalidade resgatar e valorizar as espécies tradicionais da flora dos municípios da Baixada, do projeto Itans, que está sendo trabalhado pela AGERP com parceria de outros Órgãos, que levaria a piscicultura para outros municípios da Baixada Maranhense, e sobre as atividades agrícolas desenvolvidas em campo de produção no município de Anajatuba, em destaque para a piscicultura e carcinicultura, que contribuirá para o crescimento econômico e social daquele município.

Foram apontadas as possibilidades de integração das atividades desenvolvidas pelo Fórum com os programas trabalhados pela Divisão de Desenvolvimento Rural da SFA/MA. Houve a sugestão de criação de projeto visando o desenvolvimento produtivo na região da Baixada, com participação do Fórum, SFA-MA e Embrapa. Destacou-se a importância da estruturação do corpo técnico das secretarias de agricultura dos municípios.

Encaminhamentos: 1) Agendar visita aos campos de produção no município de Anajatuba; 2) Participação da SFA-MA nas reuniões periódicas do Fórum da Baixada e; 3) Elaborar proposta de projeto para enfrentamento do período de seca na Baixada Maranhense.

Alinhamento de Ações entre o Fórum da Baixada e a Superintendência da Agricultura no Maranhão

O Fórum da Baixada continua na sua trajetória de luta para minimizar os efeitos da seca que, historicamente, castiga a microrregião que ostenta um dos maiores índices do pobreza do Brasil, com essa finalidade, reuniu-se no dia 18 de janeiro do ano de 2024, na sede da Superintendência Federal de Agricultura e Pecuária – SFA/MA, com o Superintendente  Wellington Reis Sousa e sua equipe.

Inicialmente, os representantes do Fórum da Baixada relataram os problemas sazonais de seca e alagamento enfrentados pelas comunidades locais e a necessidade de implantação de planos de enfrentamento destes problemas, visando o desenvolvimento econômico e social da região.

Também foi informado sobre projetos de dragagem em igarapés e um estudo realizado em 2018 que identificou 103 pontos favoráveis para barragem da água da chuva. Houve uma apresentação geral sobre as ações da Divisão de Desenvolvimento Rural, acerca dos Planos: ABC+; Amazônia Sustentável; Agro Nordeste e Indicação Geográfica.

Encaminhamentos: 1) Envio de apresentação das atividades desenvolvidas pelo Fórum da Baixada; 2) Incluir o Fórum da Baixada nos programas ABC+ e Amazônia Sustentável e Agendar reunião para apresentação detalhada dos programas desenvolvidos pela Divisão de Desenvolvimento Rural.

Participaram da Reunião: Wellington Reis, Dario Erre Rodrigues, Ana Isabela Lima Ribeiro e Letícia Raquel Silva Sousa, pela SFA/MA; Expedito Nunes Moraes e Antônio Lobato Valente, pelo FDBM.

O FDBM encaminhou Ofício ao Sr. Superintendente, acompanhado do Portifólio das principais ações desenvolvidas pela Instituição, solicitando parceria com a Superintendência. Posteriormente, a SFA/MA marcou nova reunião para o dia 21 de fevereiro do corrente ano, para detalhamento das solicitações.

Ofício ao Ministério da Agricultura                     Portifólio do FDBM

A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM MARIA RITA

Ciente da importância da Barragem de Maria Rita, como grande obra estruturante, pois, vai promover o desenvolvimento da atividade econômica nos municípios de toda a região, dentre eles Bequimão, São Bento, Alcântara, Bacurituba, Palmeirândia e Peri-Mirim, a Academia de Letras, Ciências e Artes Perimiriense (ALCAP) promoveu, na última quinta-feira (25/01/2024), uma Expedição com acadêmicos, professores, alunos e idosos, para visita às obras da Barragem Maria Rita. A expedição saiu às 8 horas da Praça São Sebastião em Peri-Mirim, com destino à sede do município de Bequimão, onde foram acompanhados por uma equipe técnica, conforme determinação do Exmº Sr. Prefeito, João Martins, a pedido da presidente da ALCAP, Ana Creusa Martins dos Santos.

Durante a viagem, a fim de que ficasse clara a natureza educacional da expedição, o confrade Francisco Viegas proferiu uma palestra, ainda no interior do transporte, na qual abordou a história da Barragem, que segue resumida abaixo:

HISTÓRICO DAS BARRAGENS PERI-MIRIM/BEQUIMÃO

A primeira barragem conhecida como Barragem dos Defuntos foi construída no primeiro mandato do prefeito Agripino Álvares Marques, entre 1948 a 1951. (Página 16 do livro Curiosidades Históricas de Peri-Mirim).

A referida barragem foi feita no braço pelos destemidos perimirienses. Pois naquela época o município não dispunha de máquinas para edifica-la. Depois de terminada ela passou por vários problemas de rompimento, provavelmente devido a compactação do barro e a largura insuficiente que suportasse o volume d’água. Por isso quase todos os invernos precisava de reparos. (Tapagem dos furos).

Trinta e dois anos após a sua construção, a barragem estava desgastada e não cumpria mais a função de anteparo das águas: doce de um lado e salgada do outro.

Consciente da importância da barragem, o então prefeito Benedito de Jesus Costa Serrão, construiu, nas proximidades da Flor Amarela e cerca de quinhentos metros distante da Barragem dos Defuntos, a nova barragem, que ficou mais próxima da sede do município perimiriense. Esta barragem teve sua edificação através de maquinários adequados para a obra.

A Barragem da Flor Amarela, ou Benedito de Jesus Serrão (nome aprovado pela Câmara Municipal de Peri-Mirim), media 3.236 metros de extensão e foi concluída no ano de 1983 e, cuja verba de edificação foi da própria Prefeitura.

Atualmente está sendo construída a Barragem Maria Rita, entre Buritirana, em Bequimão e São Bento, que contempla a LUTA do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense.

A construção está a cargo da Empresa Edecansil Construções e Locações Ltda, com as seguintes especificações: 16 KM de comprimento, mais 10 KM de estrada até a MA 106. Ela tem 15 metros na base e 9 metros no cume, sendo duas pistas de rolamento de 3 metros cada e 1,50 metro de cada lado como fuga. Informação dada pelo Agente Comunitário, Sr. Tonilsom Ferreira.

De onde surgiu o nome Maria Rita?

Havia na localidade Aurá, nas proximidades Tubarão, duas aldeias, que foram perseguidas pelos portugueses e tendo os índios se evadidos para as matas. Na fuga pegaram uma indiazinha a cachorro, mas lhe pouparam a vida. Ela era muito bonitinha e o senhor que a caçou lhe pôs o nome da sua filha, que se chamava Maria Rita. Ela cresceu e ficou uma moça bonita. Ao local da sua prisão, deram-lhe o nome de Maria Rita. Como a Barragem passa por lá, deram-lhe o nome dela. (Página 116 do livro Tapuitininga – Da Colônia à República, do escritor e pesquisador Domingos de Jesus Costa Pereira. “conhecer de perto para contar de certo”. (08:00h do dia 25.01.2024).

Peri-Mirim, 25 de janeiro de 2024.

Francisco Viegas Paz.

O Secretário de Infraestrutura, Sr. Tonho Martins e Leônidas Neto nos acompanharam até o Povoado de Buritirana, onde iniciam as obras, fomos recebidos por Tonilson Ferreira líder Comunitário e Agente de Saúde. A partir daí, os expedicionários questionavam sobre as obras e se maravilhavam com ela, com o maquinário, com os trabalhadores e, em especial, com as pessoas do lugar. Conforme relatado acima, Viegas forneceu dados sobre a construtora e quilometragem da barragem.

Um show à parte se deu com a conversa que os expedicionários tiveram com o Sr. Zé, proprietário de um retiro, onde cria porcos, patos e galinhas. A construção é rudimentar, de pau a pique, com dois pavimentos: o de baixo ficam as criações e o de cima serve de moradia, com rede de dormir e outros apetrechos típicos da Baixada Maranhense. Ele disse que não trocaria aquele lar por nenhuma mansão. A proximidade da noite de lua cheia, fez o campesino se inspirar, com gracejos ligados ao amor e à paixão.

A expedição foi bastante proveitosa, na medida em que o desenvolvimento sustentável é uma necessidade, a fim de preservar as potencialidades naturais, sem comprometer a vida da presente e futuras gerações. Todos sabem que a construção da barragem, além da necessidade, para evitar a salinização dos campos e preservação da água doce, é a realização de um sonho.

Entretanto, alguns expedicionários ficaram muito preocupados e com dúvidas relacionadas a alguns aspectos, os quais já foram levados à apreciação do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (FDBM), solicitando vistoria de especialistas no assunto e que fazem parte da instituição, pois, sabe-se que há vontade política de realizar a obra da melhor forma possível.

Fonte: https://oresgate.net.br/

PASSEIO PELA BAIXADA MARANHENSE

A Baixada no olhar de João Silveira*

Fui dar um pulo na Baxada,
Começando pur Arari,
Ondi cumi melancia
E travessei o miarim.
Passei drento de Vitória,
Mar num achei nada ali.
Ino in Garapé do Meio
Pro mode cumprá farinha,
Arresorvi i in Monção
Ispiá o que lá tinha,
E travessei pra Cajari,
Cidade piquinininha.
Peguei no rumo de Viana
Pra vê se um peixe eu cumia,
Mar de peixe num achei nada,
Lá só tinha carestia.
Daí rumei pra Penalva,

Lugar de boa cachaça,
Terra de bom pescadô,
Cabôco bom de tarrafa.
Num cheguei in Jacaré,
Pois num dava pra ir de a pé
E carro pra lá num passa.
Desci pa Pedo do Rosário,
Mar de lá tive que vortá
Pra incurtá o caminho
E por Matinha passar,
Pra mode cumê u’as mangas,
Qui é produto do lugar.
Seguindo no rumo da venta,
Em Olinda Nova eu parei,
Mas resorvi i adiante
E em São João armoceí.
Terra de caboco home,
Grandes criador de gado.

Lá tem muita gente grande,
Muito cabra indinherado.
Disimbargador e médico,
Já deu inté deputado.
Mar, dizem que a aligria
É quando o boi tá laçado.
Deichando São João Batista,
Pra São Vicente eu rumei,
Quiria cumê carambola,
Pena que num encontrei.
Num sei se num era tempo,
Ou foi um azar que eu dei.
Sai no rumo do campo,
Pra viage continuar.

Passei pur Bacurituba
Mar lá num quis incostar.
Fui inté Cajapió,
Tinha praga pra daná,
Vortei pur riba do rasto
Pra pernoitar in São Bento,
Cumeno um queijinho bom,
Saboreando um mussum
E arroz cum jaçanã dento…
Mar num achei nada disso
Pur lá in lugar ninhum.
Andei, andei… e só vi mermo
Um pução e muinto anum.
Pensei qui in Parmeirândia
Pudesse me arrumar.
Ou mesmo in Peri Mirim,
Qui diz qui é piquinininha,
Mar, eu acho qui né tanto assim.
Entonce, indo adiante
Fui batê in Bequimão,
Cidade bem cuidadinha.

Pur nosso amigo João.
Diz que tem té ponte nova,
Mar pur lá num passei não.
Dali, vortei pra Pinheiro
A princesa da Baixada,
Que, se num é das mais bela,
Mar é uma cidade arretada.
O seu povo todo é rico
E a cidade abastada.
Não pude dechá de ir
In Prisidente Sarney,
U’a cidade pequena
Que fica naquele mei.
Na sagrada Santa Helena,
Da bera do rio vortei.
Pur curpa da Geografia
Eu num fui ao litoral.
Nim Guimarães, Porto Rico,
Cururupu e Cedral,

Muinto meno in Central,
Qui já num son mar Baixada,
Sigundo os intelectual.
Me discurpe os cumpanhero,
Os verso de pé quebrado
I a viage mal’arrumada.
Tava sem tempo i dinhero,
Mar cum o peito apertado
De sardade da Baixada.

(*João Silveira é piscicultor, natural de Matinha – Maranhão, membro fundador do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (FDBM, utilizando o linguajar baixadeiro, presenteia seus conterrâneos com este significativo texto).

Presidente do FDBM, Expedito Moares, convida para reunião de Planejamento

“O desenvolvimento regional compreende um esforço das sociedades locais na formulação de políticas regionais com o intuito de discutir as questões que tornem a região sujeito de seu processo de desenvolvimento”. Rodolfo Alves Pena.

O presidente do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (FDBM) convoca para reunião de Planejamento que se dará com a assessoria do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE/MA), nos seguintes termos:

Prezados Companheiros Forenses,

  1. REUNIÃO: DIREÇÃO DO FORUM/SEBRAE
  2. OBJETIVO: Traçar as Diretrizes básicas. (Diretrizes: servem para orientar a tomada de decisões e ações em determinada área, processo ou atividade. Elas têm como propósito principal garantir a qualidade, eficiência e segurança nas práticas desenvolvidas, além de promover uma uniformidade e padronização que facilitem a gestão e controle dos processos.), ou seja construir um Plano eficaz e possível;
  3. LOCAL: MULTICENTER SEBRAE ao lado do Centro de Convenções e Assembleia Legislativa;
  4. DIA E HORÁRIO: 12.01.24 (sexta feira), das 16 às 18 HORAS

Os nossos ancestrais, assim como nós, conviveram e convivem com os flagelos das secas e enchentes na nossa região por séculos. É possível solucionar isto? Eu acredito que sim. Como? Essa resposta é que pretendemos ter num ou vários em encontros com técnicos, estudiosos, nativos, gestores municipais, estaduais, federais, universidades, etc. A  ideia é definir um Plano para execução a curto, médio e longo prazo. Esse plano deverá fazer parte do Plano de Estado.

De posse desse Plano teremos resposta para, entre outras coisas, responder perguntas que há pouco foram feitas pelo nosso Governador aos baixadeiros: “…digam o que eu posso fazer?”. Porém, os nossos representantes, também, não sabem. E nem nós sabemos responder como podem ser feitas obras estruturantes de que necessitamos. Só sabemos que temos que apresentar um Plano, Programa e Projeto, para isso temos que nos dispor a formulá-los, pois:

O PLANO 

É mais abrangente e geral;

Deve contemplar as linhas políticas, estratégias e diretrizes;

Marco de referência para estudos setoriais e/ou regionais para subsidiar a elaboração de programas e projetos específicos;

Deve sistematizar objetivos e metas;

Deve contemplar os tipos e a magnitude dos recursos humanos, físico e instrumentais indispensáveis, acompanhados, sempre que possível, de cronograma;

Deve atribuir responsabilidades de execução, controle e avaliação dos resultados;

Deve especificar as fontes e/ou modalidades de financiamento;

Maior nível de agregação de decisões.

PROGRAMA 

É o desdobramento do plano;

Os objetivos setoriais do plano constituirão os objetivos gerais do programa;

Permite projeções mais detalhadas;

Deve conter a estratégia e a dinâmica de trabalho a serem adotadas para a realização do programa;

Contempla as atividades e os projetos que comporão o programa, bem como os recursos humanos, físicos e materiais a serem mobilizados.

PROJETO 

Sistematiza e estabelece o traçado prévio da operação de um conjunto de ações;

Proposição de produção de algum bem ou serviço, com emprego de técnicas determinadas, com a finalidade de obter resultados definidos em um período temporal específico e conforme limite de recursos;

É a menor unidade do processo de planejamento;

Executa empreendimentos mais específicos;

Deve haver simplicidade e clareza na redação e

Descreve cada operação da ação.

Para tanto, necessitamos de ajuda profissional. Nesse sentindo contamos com a ajuda do SEBRAE, nosso parceiro que nos reuniremos no dia 12/01/2024 (sexta-feira), para início à elaboração dos referidos documentos.

Respeitosamente,

Expedito Moraes

Presidente do FDBM

ACADEMIAS NA BAIXADA, A VEZ DE PENALVA

Foi realizada a primeira reunião para a instalação da Academia de Ciências, Artes e Letras de Penalva, no dia 24 de de maio de 2023, no Espaço Cultural da Livraria AMEI em São Luís. O evento contou com o apoio do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (FDBM), com a presença do presidente e vice-presidente da entidade, Expedito Nunes Moraes e Ana Creusa Martins dos Santos. Atuou como Secretário da reunião Gilmar Pereira.

Participantes: Alberto Muniz, Ana Creusa Martins dos Santos, Célia Leite, Carlos César Silva Brito, Expedito Moraes, Raimundo Balby, Mario Garcês e Luciana Arruda Garcês e Gilmar Pereira, que lavrou a presente Ata:

Às 17:0 horas do dia 24 do mês de maio do ano de 2023, na Associação Maranhense de Escritores Independentes – AMEI, foi realizada a primeira reunião para discutir um plano para instalação da fundação da Academia de Letras e Artes de Penalva. O Sr. Carlos César Silva Brito, presidiu a reunião para deliberar a respeito das questões abaixo: 

  1. a) a relação dos fundadores e estabelecimento de regras;
  2. b) formação da comissão;
  3. c) reunião de posse: administrativa e solene;
  4. d) sede provisória;
  5. e) mandato e presidência: duração de 2 anos;
  6. f) nomes: 40 cadeiras;
  7. g) patronos: pessoas falecidas e figuras expressivas.

Levando-se em consideração todas as questões aqui debatidas, foi estabelecido também, a respeito do número de cadeiras, a escolha do nome dos patronos, do principal patrono penalvense para ser o patrono da Academia, dos membros fundadores (12 fundadores), no mínimo, a relação da diretoria e a data da reunião da fundação da Academia.

Ademais, foi sugerida elaboração do Estatuto, registro em Cartório e inscrição no CNPJ.

Além disso, na reunião foi comentado a respeito do papel da Academia – que vive do passado – como instituição literária que valoriza a língua, a arte e a literatura, como destaque, foram citadas as Academias da Baixada Maranhense que são valorizadas por todo o diferencial que possuem.

Ao final da reunião, foram feitas algumas observações como: a elaboração da Assembleia de Fundação, agendar a primeira reunião em Penalva/MA e por último, a formação da primeira Diretoria Executiva da Academia.

Sendo o que havia para o momento, deu-se por encerrada a reunião às 19:00 horas e, para constar, eu, Gilmar Pereira Santos, lavrei a presente ata, que após lida e aprovada, segue assinada por mim e pelos demais participantes.

 

UMA “ESPIADA” NA BAIXADA MARANHENSE

Por Zilda Cantanhede*

Nos dias 21 a 23 de abril de 2023, a Baixada Maranhense recebeu visitas de muitos filhos que estão morando na capital São Luís, além de convidados especiais, como alguns imortais de diversas Academias e do SEBRAE. Estou falando dos forenses que compõem a agremiação denominada Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (fundado em 2015). Hoje presidido pelo baixadeiro de Cajari Expedito Moraes.

Foi um passeio inesquecível; com um seleto roteiro e uma programação cuidadosamente organizada pela diretoria do Fórum e pelo presidente do Sistema Maracu de Rádio e TV, Benito Filho.

O acolhimento ficou por conta dos anfitriões Linielda de Eldo e Carrinho Cidreira, prefeita e prefeito, respectivamente dos municípios de Matinha e Viana.

Em Matinha tivemos um jantar, cujo cardápio, genuinamente baixadeiro, escolhido pessoalmente pela prefeita Linielda, que executado pelas mãos habilidosas da proprietária do Restaurante dos Amigos, Dulce Moraes deu um toque especial daquela comida feita em casa. Torta de traíra seca, a jabiraca, pato e galinha ao molho pardo, carne de porco assada na brasa, peixe frito e assado, foram algumas das iguarias gastronômicas servidas à lá carte, regadas com sucos de frutas típicas da região ou com as famosas cachaças da Dose & Prosa da matinhense Maria Freitas e a Santo Ambrósio, da vianense Ana Valéria Ambrósio, ambas bastante degustadas.

Ao som dos tambores e das matracas, o bumba-boi Flor de Matinha fez jus à tradição, à nossa cultura. Não deu para resistir, entramos na roda e protagonizamos a festa junto com todos os personagens desse folguedo, que é tão nosso!

O ponto de encontro dos tripulantes para o tão esperado passeio lacustre foi no Parque Dilú Melo, em Viana. Lá os transportes já nos aguardavam. São lanchas motorizadas. Uma espécie de Cruzeiro Baixadeiro. Música, danças, bebidas comidas e muita diversão somada à contemplação da natureza, um exuberante cenário.

A rota contemplou pontos turísticos de três municípios: Viana, Matinha e Cajari, neste, um recorte: a beleza contrastante do povoado Os Coelhos, onde os moradores vivem literalmente sobre as águas.

Não tem como não nos emocionar! Uma gama de sentimentos aguçados e muitos questionamentos …
Uma parada para almoço em Viana, no cardápio a nossa deliciosa culinária, com destaques para o angu e o arroz de toucinho que estavam de lamber os beiços.

Ainda deu tempo de fazer um merchandising dos livros de muitos dos forenses-escritores.

São Pedro deu uma trégua nesses três dias e fechou as torneiras, para que o sol, com toda sua majestade brilhasse ainda mais. Sob o calor intenso e águas cristalinas, uma combinação perfeita para um banho na Enseada do Nazaré, em Matinha.

Finalizamos o dia onde começamos: Parque Dilú, ambiente que respira poesia, perfeito para encontros e reencontros, prosas, causos e construção de memórias.

Um café na casa do prefeito Carrinho Cidreira, marcou o encerramento da expedição que promove o ecoturismo. O mesmo itinerário feito pelas águas, daqui a alguns meses é possível fazê-lo sobre os torrões.

E nos estaremos prontos para dar uma espiada.

Venha conhecer a Baixada Maranhense; dona de dupla face, que em ambas versões vale muito a pena espiar.

*Maria Zilda Costa Cantanhede Presidenta da Academia Matinhense de Ciências, Artes e Letras – AMCAL; Especialista em Linguística, Educação do Campo, Educação Pobreza e Desigualdade Social; Articulista, cronista, poetisa, revisora textual; Professora da Rede Estadual de Ensino; Supervisora de Normas e Organização da Rede Integral/ SUNORI/SEDUC/SAEPI; Coordenadora de Mostras e Feiras Científica do CNPq/MCTI; Pesquisadora do CNPq.