NO “EMBALO” DAS CANTIGAS

Por Zé Carlos

Atualmente nos encontramos muito tensos, “com os nervos à flor da pele”. Precisamos “desafogar” a mente e a alma. Então, vamos no “embalo” das cantigas …

Torna-se quase unanimidade a máxima de que ser “inocente” é “um sinal” de “estar fora do mundo”, estar “desatenado”. Algumas vezes, até ser, grosseiramente, taxado de “otário”. “Cala a boca inocente!” Aparecem, então, as conotações em suas mais diversas formas. Mas, a “inocência”, a ser tratada aqui, prende-se às “boas” construções – algumas vezes surreais, beirando ao absurdo, para não dizer “sem pé nem cabeça” – das cantigas que embalaram nossos sonos, infância adentro, “sem esse patrulhamento do tão politicamente correto”; o que vem se tornando “uma verdadeira chatice”.

Fomos “criados” em meio aos afazeres domésticos, em que nossas mães desdobravam-se insanamente para ter a casa “em ordem”. Não lhes sobrava tempo “pra nada”. Muito menos, “vigiarem” compositores “desmiolados”. Então, o que dizer de uma criança chorona, “derretida como manteiga”, que, além de abrir o berreiro, a toda hora, ainda ficava com os “olhos vidradinhos”, “esbugaiados”, “mais acesos que uma lamparina”? “Cheirava a um ataque de nervos”. A saída única e certa, uma cantiga! Um sonífero poderoso. Um alento. “Encaramos”, pois, cantigas de todos os matizes. E sobrevivemos.

Sobrevivemos, bravamente. Quem “perdeu o juízo” ao ser “nanado” por um boi assustador, que pairava no quarto, a nos aterrorizar, após já sermos massacrados pela “careta”, “outro bicho medonho”?! Ou com o “berro” horripilante de um “miau”, que escapou do “pau da morte”, por já estar “escaldado” de tanta “manha”?! Ou com a figura temível do “carangueijo”, que não se decidia ante a oscilação das marés. No mínimo bipolar. Ora peixe ora … bolas?! Ou com as “lambadas” prometidas ao “samba lelê” – na verdade, nunca cheguei a entender o que vem a ser – que seria castigado pelo pecado de estar “doente”, com a cabeça quebrada?! Ou com uma barata “desconfiada” e tão mentirosa quanto suas vestes, a azucrinar, vejam só, a cabeça do “vovô Quinquim”, “valsador” exímio, mesmo com as pernas tortas?!

Se fosse hoje, quantas terapias a resgatarem a autoestima dos “pequenos”, implacavelmente torturados pelos “monstros das cantigas”?! “Inventaram” até a versão do “não atirei o pau no gato, e o gato não morreu”, para quem nunca brincou com um “radinho”, feito de uma caixa de fósforos, com um besouro dentro; ou “de médico”, para os mais destemidos, que dissecavam um sapo ou uma “paquinha” com maestria ímpar. Fora outras artimanhas não recomendáveis, nos dias de hoje.
Vivemos em tempos abençoados! Não éramos fracos, não.

Para nossa salvação, como contra ponto, no entanto, existia o belo, o sereno, o sublime, traduzidos na majestade do alecrim, que não nascia à toa, uma vez que a sua finalidade era abençoada. Colorir e perfumar nossos sonhos. Também, da nossa rua, linda, ricamente “lastreada” por ladrilhos de brilhantes, para servir de passarela aos amantes e palco sagrado das nossas brincadeiras; e de Teresa, a escolhida de Jesus, Senhor amado, que, ao se salvar de um providencial tombo, eternizou o amor.
Realmente, escapamos … Amém! … do bombardeio de um tal de “Ilariê” e “do vizinho comedor de coelhinho”!

A Associação dos Filhos e Amigos de Cururupu pede providências urgentes e cabíveis para regularizar os serviços de Ferry Boat

A entidade civil,  por meio de Representação, solicitou  à Agência Estadual de Mobilidade Urbana e Serviços Público do Maranhão (MOB) que sejam adotadas providências urgentes e cabíveis no sentido de regularizar a situação dos serviços, assegurando a integridade à vida de todos os cidadãos  que utilizam os serviços portuários de ferry boats.

A Associação dos Filhos e Amigos de Cururupu (AFAC) justificou o seu pedido, pois representa a população dos municípios de Cururupu, Guimarães, Alcântara, Bequimão, Central do Maranhão, Cedral, Porto Rico, Mirinzal, Serrano do Maranhão, Bacuri e Apicum  Açú, que integram a microrregião do Litoral Ocidental Maranhense, que utilizam o serviço portuário de ferry boats para travessia da Baía de São Marcos, com trajeto São Luís–Cujupe e Cujupe-São Luís.

No documento, a AFAC destacou que, apesar de anunciada por diversas, vezes o processo de Licitação para que outras empresas possam explorar os serviços com qualidade, tal fato ainda não se concretizou e que os ferry boats são muito antigos, já possuindo vida útil bastante comprometida e que o incêndio ocorrido em uma das embarcações, no último domingo (6), deixou os usuários desse transporte em estado de alerta, pois o acidente poderia ter ocorrido em alto mar, podendo atingir características de tragédia.

Por fim, a entidade reitera providências cabíveis e enérgicas por parte do Poder Público. O documento foi assinado pelo Presidente da entidade, Dr. Paulo Silvestre Avelar Silva e pelo Assessor Jurídico, Dr. Francisco Sales da Costa Filho.

A MINHA RUA

Por Zé Carlos

Há muitas ruas. “Muitos donos”. Muitas histórias. Entretanto, não há rua igual a minha.
Não digo a rua, pavimentada e super povoada, de hoje. Não. A minha rua “só areia”, recheada de terrenos baldios, com vizinhos de verdade: “seu” Joca Morais, Oneildo e Maria Joana, dona Ana Sousa, Evaristo, Arias e Socorro Marinho, meus avós Antônio do Rosário e Dedé, “seu” Nemésio e dona Filomena, “titío” Júlio e tia Bela, dona Adelaide e dona Maria Helena.

Nela, podia correr livre e seguro. Andar de bicicleta. Jogar bola, pião, dama, dominó, “peteca” (hoje, bola de gude; o que me causa uma certa decepção), “sopapo” (vim a saber que é a verdadeira peteca), “chucho”, amarelinha (nome mais sem graça, para quem queria apenas chegar “no” céu!). Pular elástico, e o que mais a imaginação pudesse idear.

Eu só não podia empinar pipa (papai era funcionário da CEMAR). Que inveja dos amigos. Mas, há três anos, fui à praia, com meu filho, e passamos o dia “todinho” soltando pipa. “Matei a vontade”. Não sei quem estava mais feliz.

No entanto, a magia da minha rua acontecia à noite. Tanto que, à tardinha, tudo era feito “às carreiras”. O encontro com os amigos tornava-se reunião-família! Dali saía o “bom barquinho”, repleto de “peraltinhas”, num serpentear “maroto”, navegando a mesma canção, nunca “enjoada” nem descartável, em busca do primeiro ou último porto seguro.

Também, o coqueiro inalcançável, testemunha única do choro mais puro e sincero da viúva tão jovem em busca de um novo bem querer. E o “boca de forno”, mandão e tirânico, a distribuir o “bolo”, num castigo gostoso, e sendo obedecido com os mais inocentes sorrisos. E o “já ou?!”, que ficou perdido no leito da rua, soterrado pelo devastador progresso. Duvido que alguém ainda se lembre do “já ou?!”. E o queimado? E o roubar bandeira (…)?!
Depois, “era uma luta pra banhar!”

Na minha rua, até São João vinha brincar os seus folguedos, montado nas costas do boi de Donzinho; e São Pedro chegava sereno a abençoar “compradios”, e batismos no “fogo” da amizade.

Essa era a minha rua. Onde as poucas intrigas, por meras banalidades (uma inocente cuspida ou um pisão no retrato da madrinha, rabiscado no chão), duravam tanto … até uma nova brincadeira!

A minha rua quase foi o meu sepulcro. Num impulso de herói, quis atravessá-la primeiro que a caçamba da prefeitura, levando Chaguinha, de Chico de Anália, o motorista, literalmente a “água de açúcar”. Tal presepada foi coroada com umas bem aplicadas chineladas “no lombo”. A primeira e única vez que vovó “relou a mão” em mim. E, ainda, foram poucas. Saí no lucro. Estou vivo. Mereci mais.

Quantas aventuras no palco da minha rua, onde ocorreram os mais diversos espetáculos!
No entanto, o verdadeiro, o legítimo espetáculo só acontecia após o apito da usina. “Desfazia-se” a luz. Enfim, o céu em sua plenitude. Era a hora de me apossar das estrelas. Eu tinha um “rebanho” considerável delas, que já não vislumbro mais. Não pela “gaiatice” da luz elétrica, mas pelos olhos tão encharcados, que me tomam agora.
Tomemos nossas ruas!

“HUM, (R)HUM”, NEM TE DIGO NADA!

Por Zé Carlos

Há algum tempo … muito tempo, venho matutando a respeito das peculiaridades linguísticas em nosso estado. Um campo vasto para uma pesquisa significativa. Entretanto, encantei-me pelo “hum, (r)hum”. Onomatopeia, por demais curta, e estupidamente poderosa, que em lugar algum “do mundo” apresenta-se envolta em tanto mistério, graça e vigor como aqui, no Maranhão.

Duvido se há algum maranhense, que nunca entendeu e/ou se fez entender com um “hum, (r)hum”. É-lhe, sem dúvida, um patrimônio sagrado. Um “patrimônio material”, haja vista a sua “onipresença” em cada ladeira, cada esquina, cada beco, cada escadaria (…). Verdadeiramente, a “maranhensidade!”, para “ficar na moda”.

Acontecimento linguístico, único e “multifacetado” (a polissemia é-lhe pouco), traduzido em um impassível olhar, um suspiro, um leve meneio de cabeça, um espichar de beiços, um “sorriso amarelo”, um descontentamento, um palavrão, uma apoplexia (…). Com certeza, tudo se fala, e pode, com o “hum, (r)hum”.

A sua força impõe-se silenciosa e definitiva, a nos encantar com o seu ciciar, ou com os seus sussuros, ou com os seus muxoxos, ou com os seus gritos silenciosos. Também, a nos dominar com a sua simplicidade; e a nos guiar com a sua bonomia; e a nos “enigmar” com as suas reticências.

Enigma que torna o “hum, (r)hum” o mais espetacular e indecifrável possível, ao ser empregado, quando se fala ao telefone. Afinal, a expressão facial é “a alma do negócio”; e quem não vê cara, não poderá ler fielmente os traços do “destino”.

Assim, a imaginação “viaja” – “livre, leve e solta” – sem idear, com precisão, se a certeza vem na mesma medida da dúvida; ou se o suspense não “cora” nem “dá fuga ao sangue”; ou se a preguiça tornou-se menos enfadonha; ou se, até, o “papo” descontraído virou uma contrita conversa com Deus!

Então, é melhor ficar “cada um em seu canto”. “Hum, (r)hum”, “tá reno”, nem te digo nada!

Mais um livramento dos usuários: Ferry boat pega fogo no porto da Ponta da Espera em São Luís

O ferry boatCidade de Pinheiro” pegou fogo na madrugada deste domingo (6) quando ainda estava ancorado no porto da Ponta da Espera. A embarcação é de propriedade da empresa Internacional Marítima Ltda., que tem como principal sócio, o mega empresário Luiz Carlos Cantanhede Fernandes.  O ferry fez sua última viagem às 16h deste sábado (5) e estava ancorado na boia aguardando a próxima viagem. 

A falta de manutenção, embarcações velhas, muitas sem condições de navegação, constitui um conjunto de fatores para uma tragédia anunciada. Segundo registra o G7, ao que parece, o problema somente será resolvido quando ocorrer uma grande tragédia, com vítimas fatais, grandes prejuízos materiais, ou atingir alguma autoridade constituída.

Já foram tentadas licitações internacionais, intervenção do governo estadual, do Ministério Público e nada foi resolvido, ao contrário, piorou.

Segundo informações, a tripulação foi dormir por volta das 21h30 e às 2h da manhã os funcionários acordaram sentido cheiro de fumaça, momento em que a tripulação se retirou às pressas da embarcação. Não houve feridos.

O incêndio foi somente nos salões, com danos materiais. Tudo indicia que pode ter sido uma lâmpada que estourou, alguma falha de ar condicionado, ou outro equipamento elétrico.

Segundo nota publicada pela Agência Estadual de Mobilidade Urbana e Serviços Públicos (MOB), a embarcação terá prazo de 6 meses para retornar à operação e que a segurança da embarcação é de responsabilidade da Marinha do Brasil. O Corpo de Bombeiros foi acionado para conter o incêndio, mas a embarcação ficou totalmente destruída pela chamas, que atingiram quase 100% do ferry. 

Os usuários dos serviços de ferry boat já fizeram protestos, procuraram autoridades, fizeram tudo que estava aos seus alcances e nada foi resolvido e a situação se agrava a cada dia. As tragédias ocorrem todos os dias pelo desrespeito aos passageiros, falta de higiene nas embarcações, atraso nas viagens, etc.

As autoridades parecem estar interessadas, não em resolver o problema, mas em homenagear o mega empresário  Luiz Carlos Cantanhede Fernandes que já recebeu o título de cidadão ludovicense  no plenário da Câmara Municipal de São Luís, em 2019. O empresário já teve seu nome envolvido em esquema de Caixa 2 e, recentemente foi envolvido em crime de omissão de socorro.

O incêndio com a embarcação ancorada, para alguns, é considerado mais um livramento dos usuários dos serviços de ferry boat, especialmente das microrregiões da Baixada e Litoral Ocidental Maranhense, pois esse acidente poderia ter ocorrido durante uma viagem e a tragédia seria em proporções apocalípticas. Pois, juntamente com as pessoas, os ferrys boats transportam veículos abastecidos com combustíveis inflamáveis. 

A empresa Internacional Marítima atua hoje nos seguintes estados: Maranhão, São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Santa Catarina. Resta saber se, em todos esses estados, a prestação dos serviços se equivalem aos péssimos serviços prestados aos maranhenses?

Fonte: G7, Câmara de Vereadores de São Luís, site Internacional Marítima.

Luiz Carlos recebendo o título de cidadão ludovicence, proposta do Vereador Honorato.
Autuação por omissão de socorro.
Corpo de Bombeiros no local do acidente

DITO POR DITO

Por Zé Carlos

Há algum tempo, por estar distante, venho sendo acometido da “síndrome da Baixada”, se é que tal doença “existe”. Porém, dói, e muito. A “boca seca”, a “vista turva”, o ar “escasseia”, a saudade “aperta”!

Então, só me resta buscar algumas fagulhas, paradoxalmente vorazes e insaciáveis, que me “pescam” o sono, madrugadas inteiras, e me transportam ao vigor do Pericumã, à tranquilidade da Faveira, aos afagos da mais materna relva e ao “calor humano” dos baixadeiros.

Quanta “loucura”! Quantos devaneios! Quanto “sonhar acordado”!
E, sonhando acordado, me pego resgatando alguns e maravilhosos “ditos”, motes, “relaxos”, provérbios, anexins (“que chique”), que me acompanharam a infância/adolescência inteira; e que me levam ao riso, às vezes, em local e situações inapropriados.

Mas, como ficar “sério”, quando “me vem à mente”, tal uma cena, no “Cine Iaci”, de um trabalhador já “liso” e desesperado, ante a insistência de um filho – pidão, choroso, teimoso e “turrão” – por “uns vínti conto” ou por um mero “trocado”. Trocado que “se escafedeu e ganhou o mundo”, antes do fim do mês!!! Muitas explicações. Muitas negativas. Até se ir embora toda a paciência paterna, que se traduz em um aterrador “só se eu tirar do cu com gancho”. Fantástico!

Encerrada a “questão”. Não havia mais o que fazer. “Caminho do feio por onde veio”. Consolo, único e certo, “procurar a rede” e ficar “curtindo” a vontade de “peruar” o “bailho”.
Ou, ainda, me imaginando com a sorte, do outro Zé, de ter nascido com “a bunda virada pra lua”. O que muito “me incuca”: por que logo a bunda?! Não é mais lógico a “cuca”?!
“Cucas”, que “encheram” de “pérolas” a nossa abençoada região, onde é possível se “quebrar ou ‘drobar’ o canto”; ir “apressado” e não se “comer cru”; “passar sabão na cara do cavalo”; e, na volta, escolher entre “ficar com cara de cachorro pidão” ou “de um santo sacana”! “É cada uma que parece duas!”

Alguns “ditados”, no entanto, apresentam-se não recomendados, nem recomendáveis. “Iscritinho” quando “vaca não reconhece mais o bezerro”. Tudo pode “ficar remoso”; e não quero sair apavorado como o cachorro que pensa que “o seu rabo é um relho”. Melhor “deixar de nigrinhagem” e não correr o “risco” de escutar, de novo, “esse minino só se encasqueta com o que não presta!”

Eita, Baixada “danisca”, que me traz e me leva a/em seus mistérios; e bem poderia ser traduzida na mais perfeita “máxima”, do meu primo Antônio Capilobo: “justo e abotoado quem não tem cabelo é careca!”

CORPO SÃO, MENTE, NEM TANTO II

Por Zé Carlos

Após alguns pedidos, volto às crendices!
Certamente, há curiosos querendo saber a finalidade do chá do bico do pica-pau. Por mera curiosidade, ou, então …

Brincadeiras à parte, o tema é sério. Absurdamente fascinante!
E, por isso, se encontra tão “enraizado” em nossas trajetórias, as quais já “testemunharam”, por certo, algumas delas.

Quem “nunca ouviu falar” e/ou apelou ao vento (ventou, ventou, ventou), em uma sinfonia de assobios, como o último recurso, no afã de empinar as rebeldes pipa ou curica ou “arraia” ou papagaio, que teimavam em “subir pra baixo”?! Santa agonia e frustração!

Tal qual a chantagem, “mais sincera da vida”, a São Longuinho, sacramentada em três “pulinhos”, não tão santos, após “ficar no mato sem cachorro”!

Há, no entanto, quem ‘abusa da sorte”, radicaliza! Chega ao surreal! Então, vejamos: um “chá de côco seco”, para neutralizar o veneno de cobra, não é das melhores pedidas; bem como uma porção de “merda de vaca”, ainda verde, ou uma colher de café em pó, ou um chumaço de teias de aranha, visando à rápida cicatrização de “feridas”, idem.

Todavia, amenizemos. Pular as ondinhas, no réveillon, dá-nos a certeza das bênçãos de Iemanjá; assim como “salvar” a donzela aprisionada na “curacanga”, bastando apenas enfiar uma agulha virgem em um buraco feito na parede. Acabou-se o encanto!

Mas a campeã, em solucionar situações embaraçosas, é a cachaça, a pinga, a “marvada”. Uma dose enche-nos de coragem, aquece-nos, clareia-nos a vista, corta o catarro, traz-nos a lua, torna-nos poetas (…). Até o “sortudo” do santo é agraciado (com uma dose), quando há de nos guiar, “os bebuns”, em nossos trajetos, geralmente em linhas não tão certas, assim.

Agora, o que mais me intriga é ter ficado com esta aparência, um tanto quanto estranha, após ter passado boa parte da minha vida, escondido, atrás das portas, “chicleteando”, com avidez persistente, o insosso, porém milagroso, “cabilouro”!

Praia nos campos da Baixada Maranhense, como isso é possível?

Por Ana Creusa

Durante o verão, as brincadeiras das crianças da Baixada Maranhense mudam para um areal que se forma à frente das casas localizadas à beira do Campo. Ali praticam competição de corrida, jogo de bola, queimado e pega-pega.

Quando as crianças caem ao chão, sempre sorrindo pela diversão, percebem que a areia é salgada, como as areias das praias. Como assim, salgada? se o campo é formado por água doce?

José Santos explicava a seus filhos que aquele campo já fora mar no passado e que, depois de muitos anos, pode voltar a ser mar novamente. Mais tarde aprenderam que a Baixada Maranhense localiza-se abaixo do nível do mar e por causa dos tesos e outros elementos geográficos, a água do mar não penetra nos campos, formando uma grande piscina de água doce, constituída pela água da chuva caída no inverno.

Com a degradação ambiental, a água do mar está invadindo os campos e provocando a salinização dos campos, inclusive do lençol freático.

A continuar esse processo, os campos irão misturar-se ao mar e uma nova paisagem se formará, com mudança do ecossistema, a partir de desmatamentos, queimadas, etc.  Estas mudanças têm afetado a duração e o nível das inundações e permanência da água nos campos.

Mas por que os baixadeiros lutam para que o processo de salinização dos campos não ocorra de forma brusca e lutam pela construção dos Diques da Baixada?

A resposta é simples: a necessidade humana é por água doce, como afirma Alexandre Abreu, forense especialista nos Diques da Baixada, que publicou no site do Fórum da Baixada, um artigo intitulado, Diques da Baixada na Ponta da Língua.

O projeto dos Diques da Baixada foi concebido há mais de quarenta ano e até hoje não saiu do papel.

Os baixadeiros pretendem continuar com a praia no verão e não a cada vazante da maré. Não querem que a Baixada vire mar, para serem mais um vivente perdido à beira do mar. Querem, pois, a singularidade da região: no inverno, campo cheio e no verão, torrão e praia. Cada estação diferente e não a previsibilidade do mar, imenso e igual. #Diques da Baixada Já!

Brincadeira de Queimado, realizada no Povoado Cametá/Peri-Mirim/MA/Brasil, no dia 15 de novembro de 2019.

Confira o inteiro teor do Ofício solicitando a conclusão e recuperação da barragem de Maria Rita

Os prefeitos de Bequimão, Peri-Mirim, Alcântara, São Bento e Bacurituba solicitaram ao Excelentíssimo Senhor Secretário de Estado de Agricultura Familiar –SAF, Rodrigo Lago, a conclusão da Barragem de Maria Rita, bem como como a recuperação do trecho que já foi construído.

O obra irá beneficiar diretamente os municípios de Bequimão, São Bento, Alcântara, Peri-Mirim e Bacurituba, além de outros municípios da bacia do rio Aurá (Palmeirândia, Cajapió e São Vicente de Ferrer).

A área onde será construída a barragem de Maria Rita, possui aproximadamente 12 km de extensão e interliga os municípios de Bequimão, São Bento, Alcântara, Peri-Mirim e Bacurituba (entre os manguezais na bacia do rio Aurá e os campos inundáveis). A barragem terá finalidade de conter à água doce e combater a salinização dos campos naturais inundáveis com a entrada de água salgada pelos igarapés nas áreas mais baixas da região.

Confira o inteiro teor do OFICIO BARRAGEM DE MARIA RITA

Engenheiros da prefeitura de Bequimão e moradores locais no trabalho de georeferenciamento e levantamento das coordenadas geográficas da barragem de Maria Rita, vejam as fotos:

PERI-MIRIM: Secretaria Municipal de Agricultura reúne produtores rurais para apresentação de novos projetos

O encontro ocorreu no povoado Três Marias, nesta quinta-feira 03 de junho, tendo como pauta apresentação de dois projetos que visam o fortalecimento da agricultura familiar, a fim de fomentar a produção em maior escala, gerando renda para as famílias que praticam atualmente apenas a agricultura de subsistência, por falta de estrutura e apoio suficiente para desenvolverem os trabalhos de forma profissional.

Visando resolver esse problema, o prefeito Heliezer de Jesus Soares e o secretário de Agricultura e Meio Ambiente,  Luís Eduardo França Tupinambá, foram em busca de parceria com o Sebrae para que atue na parte educativa, principalmente de empreendedorismo.

O consultor do Sebrae Adriano destaca como o principal entreve para o desenvolvimento de novas técnicas sustentáveis de agricultura,

A falta de conhecimento e visão empreendedora impedem o crescimento econômico dos produtores rurais.

Um dos projetos apresentados consiste na produção de mandioca de forma coletiva, a ideia é capacitação de mão de obra, para facilitar o processo de plantio, cultivo e comercialização do produto.

O segundo projeto tem como foco as famílias em situação de vulnerabilidade social, que vivem em situação de extrema pobreza. No tocante a este projeto, o secretário Eduardo destacou que:

A prefeitura vai ofertar condições para construção de um (Sisteminha), modelo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), com tanque suspenso para criação de peixe, criação de galinha e horta.

Os dois projetos são altamente viáveis, pois já foram amplamente testados pelos órgãos envolvidos.

O cultivo da mandioca já é tradicional no município, mas praticada de forma artesanal, que agrava a degradação ambiental, pois a cada ano, há necessidade de desmatar outras áreas, remanescendo no local as famosas “capoeiras” que levam muitos anos para recompor a floresta. A ideia neste caso, é mecanizar pequenas áreas que serão utilizadas de forma sustentável.

Por sua vez, o Projeto do Sisteminha é novidade para os perimirienses, mas é de fácil assimilação. O secretário acredita que após o treinamento, muitas famílias irão se beneficiar.

Fonte: https://saobentonews e informações de participantes da reunião.