Resumo para compreendermos a atual situação da Travessia da Baía de São Marcos entre o Porto da Espera e Porto de Cujupe

Por Expedito Moraes*

As duas empresas que, ainda, são responsáveis pelas embarcações que fazem o trajeto (São Luís Cujuoe -São Luís) são: a Internacional Marítima  e a  Serv Porto (sobre intervenção do Governo do Estado do Maranhão).

A empresa Internacional Marítima possui atualmente os seguintes Ferrys:

  1. O Cidade de Alcântara, já operando dentro dos padrões exigidos pela última licitação;
  2. O Baia de São Marcos, já operando desde às 5 horas da manhã de 23.05.22;
  3. O Cidade de Pinheiro no estaleiro da Internacional Marítima para reforma e adequação, com data prevista para novembro/2022 e
  4. O Cidade de Cururupu operando sem adequação.

 

A empresa Serv Porto, atualmente, possui os seguintes Ferrys, porém, nenhum operando no momento:

  1. O Cidade de Araioses está fora de operação e encontra-se docado no estaleiro da Internacional para reforma e adequação;
  2. O Cidade de Tutoia com sérios problemas de máquinas e casco está no Porto da Espera, sem condições de operar e
  3. O Baia de São José em manutenção, na Ponta da Espera sem condições de operar.

Portanto, esta empresa não tem nenhum Ferry, atualmente, operando ou em condições de operar.

É bom lembrar, que no Maranhão só existe um estaleiro capaz de prestar serviço a este tipo de embarcação, que é o Estaleiro São Luís, localizado entre a Ponta da Espera e o Porto da Madeira.

Ressalta-se que existem, além de SÃO LUÍS, 3 microrregiões que dependem do FERRY BOAT para o transporte de veículos, cargas e passageiros. São elas com a quantidades de seus respectivos municípios:

a) LITORAL OCIDENTAL com 13 municípios dependendo totalmente;

b) GURUPI com 9 municípios, dependem quase totalmente e

c) BAIXADA com 21, que dependem mais ou menos 11, os outros dependem das estradas.

Em conclusão, vejam: estas 3 regiões somam 43 municípios, ou seja, 33 três deles dependem exclusivamente dos FERRYS, isto significa que são quase 1 milhão de habitantes ou aproximadamente 700 mil votos.

São 43 prefeitos e quase 500 vereadores, vários deputados federais e estaduais dessas regiões ou votados nelas, empresários, etc. Cadê eles? Afinal, os sofredores com a terrível carência de transporte adequado e infraestrutura de qualidade são seus eleitores.

*Expedito Nunes Moraes é natural do povoado Cachoeira em Cajari (MA). Graduado em Administração (UEMA). Foi deputado estadual entre 1995 a 1997 e empresário da construção civil. Exerceu vários cargos na administração pública do Maranhão. Presidente de Honra do Fórum da Baixada (gestão 2016/2017); 1º Vice Presidente (gestão 2019/2021) e Presidente do Fórum da Baixada (gestão 2021-2023).

O PODER DOS LIVROS

Por 

No lugar de equipamentos ou astronautas, o empresário dono da SpaceX enviou seu carro – um Tesla Roadster vermelho-cereja – ao espaço, com um boneco vestido em traje espacial sentado no banco do motorista.

Mas a verdadeira surpresa estava no porta-luvas. Ali, imortalizado em vidro gravado, havia uma cópia da série de livros da Fundação Isaac Asimov.

A saga de ficção científica se passa em um império galáctico em ruínas, 50 mil anos no futuro. Foi ela que instigou o interesse de Musk por viagens espaciais quando ainda era adolescente. Agora, flutuará pelo nosso Sistema Solar pelos próximos 10 milhões de anos.

Esse é o poder dos livros. Do software fictício “Terra”, descrito no romance Snow Crash, de Neal Stephenson, que inspiraria o Google Earth, até um conto sobre telefones inteligentes que pode ter levado à criação da internet, a leitura plantou sementes nas cabeças de inúmeros inovadores.

O ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama disse que a leitura o ensinou a ser quem ele é e no que acredita.

Mesmo que você não tenha ambições tão grandes, ler livros pode dar um impulso à sua carreira. Foi comprovado que o hábito pode reduzir o estresse, impulsionar o funcionamento do cérebro e até mesmo melhorar a empatia.

Isso sem mencionar os benefícios óbvios que todas as informações contidas em suas páginas podem trazer.

Confira abaixo um guia com os benefícios comprovados da leitura de livros – e saiba como se juntar ao clube de pessoas que fazem isso por pelo menos uma hora todos os dias.

Empatia

Seja empático. Embora o mundo dos negócios normalmente deixe de lado a inteligência emocional em detrimento de características como autoconfiança e capacidade de tomar decisões importantes, nos últimos anos a empatia tem sido amplamente considerada como uma habilidade importante.

De acordo com um estudo de 2016 da consultoria de recursos humanos Development Dimensions International, líderes mais empáticos tendem a ser 40% mais eficientes.

Em 2013, o psicólogo social David Kidd debruçou-se sobre quais atividades poderiam levar a uma maior empatia. “Como leitor de longa data, ocorreu-me que a ficção é um meio em que tradicionalmente nos envolvemos com as experiências únicas de outras pessoas”, diz ele.

Junto com um colega da New School for Social Research em Nova York, Kidd decidiu investigar se a leitura pode melhorar a chamada teoria da mente – a capacidade de entender que temos pensamentos e desejos diferentes. Não é o mesmo que a empatia, mas acredita-se que as duas habilidades estejam intimamente ligadas.

Para isso, pediram aos participantes do estudo que lessem trechos de livros renomados da “ficção literária” – como Grandes Esperanças de Charles Dickens – ou ficção popular, como thrillers policiais e romances. Outros foram convidados a ler um livro de não-ficção ou não lerem nada. Posteriormente, os pesquisadores analisaram se a teoria da mente dos participantes havia melhorado.

A ideia era de que a escrita realmente “boa”, como a de obras premiadas, tende a apresentar um mundo de personagens mais realistas, que facilita a imersão do leitor – uma espécie de campo de treinamento para aprimorar sua compreensão sobre outras pessoas.

Por outro lado, a dita ficção popular foi tirada de uma antologia, sem o mesmo endosso dos críticos. Os pesquisadores imaginavam que essa escrita provavelmente seria de baixa qualidade e talvez com personagens unidimensionais que agem de maneira mais previsível.

Os resultados foram impressionantes: os leitores da ficção literária endossada pelos críticos obtiveram as maiores pontuações em todos os testes comparados com aqueles que leram ficção popular, não-ficção ou nada.

E, embora os pesquisadores não tenham medido diretamente o impacto da teoria da mente no mundo real, Kidd diz ser praticamente certo chegar à conclusão de que os leitores regulares experimentam um crescimento de empatia. “A maioria das pessoas, se souber como os outros estão se sentindo, usará essa informação de maneira positiva.”

Além de melhorar sua capacidade de se relacionar com colegas e subordinados, a empatia pode levar a reuniões e colaborações mais produtivas. “Existem pesquisas que mostram que pessoas tendem a ser mais produtivas em grupos nos quais se sentem livres para expressar discordância – especialmente em se tratando de tarefas criativas”, diz Kidd. “Acho que é um exemplo de que uma maior sensibilidade e interesse nas experiências de outras pessoas podem ser úteis no local de trabalho.”

Dicas de leitores ávidos

Agora que você talvez esteja mais convencido dos benefícios da leitura, lembre-se disso: de acordo com uma pesquisa de 2017 com 1.875 pessoas realizada pelo Ofcom, órgão regulador de mídia do Reino Unido, o adulto britânico gasta em média duas horas e 49 minutos no celular todos os dias. Para atingir a meta diária de uma hora com livros, a maioria das pessoas teria de reduzir o tempo de tela em um terço.

Assim, seja você um colecionador natural – o tipo de pessoa que gosta de acumular conhecimento em sua estante de livros na esperança de que um dia esse conteúdo se infiltre organicamente no seu cérebro – ou um exagerador presunçoso – o tipo de leitor que gosta de evangelizar sobre seus livros favoritos por horas, tendo apenas terminado a primeira página -, conheça algumas dicas de pessoas que podem se chamar orgulhosamente de leitores ávidos.

1 – Leia por querer, não por obrigação

Cristina Chipurici aprendeu a ler sozinha quando tinha quatro anos de idade. Quando foi tomada por sua nova paixão, ela diz ter devorado todos os livros na casa de seus pais. Mas, então, algo aconteceu. “Quando entrei para a escola primária e a leitura tornou-se obrigatória, desenvolvi uma repulsa por causa de um professor que tínhamos, e isso me fez não querer ler nunca mais”, diz.

Além de melhorar sua capacidade de se relacionar com colegas e funcionários, a empatia pode levar a reuniões e colaborações mais produtivas.

Essa aversão aos livros durou até os 20 anos, quando Chipurici começou a se dar conta lentamente do que estava perdendo – aonde as pessoas que liam tinham chegado e todas as informações disponíveis nos livros que poderiam ter feito diferença em sua carreira.

Ela reaprendeu a amar a leitura e acabou criando o The CEO Library, um site sobre os livros que moldaram as carreiras das pessoas mais bem-sucedidas do mundo, de autores a políticos, passando por magnatas do investimento.

“Diversos fatores causaram essa mudança. Desde mentores, passando pela decisão de investir em um curso online no qual descobri um sistema educacional diferente, até ler os artigos do blog de Ryan Holiday (ele é autor de vários livros sobre a cultura de marketing e foi diretor de marketing da marca de moda American Apparel), em que sempre fala sobre como os livros o ajudaram, e provavelmente muitos outros fatores de que nem eu mesmo sei”, diz Chipurici.

Se há uma moral nessa história, é ler porque você quer – e nunca permitir que isso se torne uma obrigação.

2 – Encontre um formato de leitura que funcione para você

Embora o estereótipo de um bibliófilo seja alguém que ande por aí com dezenas de livros de papel e cuide de suas cópias de primeira edição como se fossem preciosos artefatos antigos, não precisa ser sempre assim.

“Demoro duas horas para chegar ao trabalho”, diz Kidd. “Não é o ideal, mas tenho muito tempo para ler.” Quando está indo e voltando para o trabalho – não dirigindo! – ele descobriu ser muito mais conveniente ler em uma tela, como a de um celular, em vez de carregar um livro o tempo todo. Ao mesmo tempo, quando está lendo não-ficção, que tende a ser uma leitura mais desafiadora, diz preferir audiolivros.

3 – Não defina metas irreais

Acompanhar os hábitos dos CEOs pode ser uma tarefa intimidadora. Dois nomes proeminentes que foram entrevistados pela The CEO Library são Fabrice Grinda, um empreendedor de tecnologia francês que começou com US$ 100 mil (R$ 384 mil) de dívida de cartão de crédito e já ganhou mais de US$ 300 milhões vendendo sua participação em investimentos bem-sucedidos, e Naveen Jain, um empreendedor e filantropo indiano que fundou a Moon Express – uma startup do Vale do Silício que pretende explorar recursos naturais na Lua. O primeiro lê 100 livros por ano; o segundo gosta de acordar às quatro da manhã para ler livros por três horas.

Mas não precisa ser assim. Andra Zaharia é freelancer e trabalha com produção de conteúdo, tem um podcast e se define como uma leitora apaixonada. Sua principal dica é evitar expectativas irreais e metas impossíveis.

“Incorporar a leitura ao seu dia a dia, acho, é uma questão de começar de baixo”, diz ela. Zaharia sugere começar perguntando aos amigos por recomendações de livros e lendo apenas uma ou duas páginas. “Você não precisa definir uma meta de 60 livros por ano. Os livros digitais, como no Kindle, podem ser mais fáceis na verdade, pois você não consegue ver o número de páginas restantes.”

4 – Se você está realmente tendo dificuldade, tente a ‘Regra de 50’

Essa regra geral vai ajudá-lo a decidir quando desistir de um livro. Se você está propenso a abandonar impiedosamente uma leitura na página quatro ou preso com volumes gigantes que aprendeu a odiar, a ideia é ler 50 páginas e depois decidir se o livro traz – nas palavras de Marie Kondo – “faíscas de alegria”. Se isso não acontecer, desista.

A estratégia foi inventada pela autora, bibliotecária e crítica literária Nancy Pearl e explicada em seu livro Book Lust (Desejo de Livro, em tradução livre). A regra é a seguinte: se você tiver até 50 anos, leia as primeiras 50 páginas para decidir se vale a pena ou não continuar a leitura. Se você tiver mais do que 50, subtraia a sua idade de 100: o resultado será o número de páginas que você deve ler antes de desistir de um livro. Por exemplo: se você tiver 70 anos, foque nas 30 primeiras páginas.

A lógica de Pearl é de que, na medida em que envelhecemos, a vida se torna curta demais para ler livros ruins.

Deixar seu celular de lado por apenas uma hora por dia e substituir suas mensagens de texto por um livro podem aumentar seus níveis de empatia e torná-lo mais produtivo. Se as pessoas mais ocupadas e bem-sucedidas do mundo conseguem, você também pode.

Quem sabe o que você fará com todo esse conhecimento e inspiração extra? Você pode até acabar fundando sua própria empresa aeroespacial e enviando seu carro ao espaço.

Título do artigo original: como cultivar um hábito de leitura diário, in https://www.geledes.org.br/como-cultivar-um-habito-de-leitura-diario/

O TIO BOBO VII (A VÍTIMA DO TURI)

Por Zé Carlos

Após a fúria das tempestades últimas, que inundaram o chão sedento da Chapada, as águas baixaram com uma tremenda rapidez. Algo, que impressionou a todos.

A expectativa, criada, portanto, era de uma temporada de pesca “lá pras bandas” do Turi. Afinal, “o tempo prometia”. Fartura de peixes secos, para “entupir” o paiol e garantir, até o fim do ano, o assado, a torta e o cozidão ao leite de coco.

Com essa atmosfera festiva, tio Bobo, o maior personagem e filósofo da Baixada, animou-se. Preparou o seu “balaio” e partiu, depois de acertar todos os quês e porquês, “tintim por tintim”, com um dos seus (dele) compadres, que morava nas proximidades do Rosário. A única tristeza, nessa aventura, foi não ter Zefa, a sua companheira de sempre, ao seu lado, a acompanhá-lo. Ela sabia que o Turi tem seus mistérios e seus caprichos. Pediu-lhe que fosse ao Pericumã. Mas, nada o fez mudar de opinião. Nem quando lhe disse que suas (dela) carnes não iriam ser comidas pelo rio. Vil profecia. Palavras ditas, palavras cumpridas. E, assim, a vontade do rio fez-se. O tio Bobo “viu-se às voltas” com a sezão, que ia e vinha, num ritual diário. Santo “impaludismo”!

O seu compadre desdobrou-se em cuidados. O chá de quinino fez-se onipresente e foi a sua salvação, pois já estava bem castigado. Vista turva, “injôos”, baldeação, “zumbido nozouvido”, “fastio terrive”.

Após todo esse “dileme”, o tio Bobo voltou só a “titela”. Um espírito cadavérico, sustentado em dois “cambitos”, arqueados e bambos, que incomodavam a quem os visse arrastarem-se como se estivessem dançando, definitivamente, ao sabor do vento. Até parecia que o tio Bobo trocou-se pelos peixes e foi para a secagem no jirau, de talos de palmeira babaçu.

O seu retorno foi uma delicada operação, para “uma saúde tão delicada”. Mas, enfim, viu-se em casa. E, com uma tremenda vontade de viver, recuperava-se, como dizia a minha avó, “a olhos vistos”, sob os cuidados de Zefa, que, incansável, não o deixava um minuto sequer. Haja canja de galinha!

Durante sua convalescença, na varanda do seu velho casarão, passou a tresvariar, o que levou a funda e surrada “baladeira”, dos embalos refrescantes, e o “urinol” a serem as testemunhas mudas e fiéis das inquietações, a lhe assaltar. Inquietações, traduzidas em um mar de lembranças, que lhe se apregaram com uma vitalidade tremenda, remetendo-lhe a mais fortes e inusitadas situações, que estavam adormecidas.

Assim, viu-se menino marcado pelas doenças. Sempre amarelo e barrigudo, “lombringuento”, a arrastar-se pelo terreiro, repleto de “criações”. Escapou do quebranto, com as rezas da “tia” Zuzu, que também lhe livrou de um nó nas tripas e lhe “fechou a arca”. Mas, “tinha o corpo doce”. Então, foi acometido por bexiga, “papeira, dor d’olho, ferida braba, sarampo, turica”. Sem falar, da tossizinha insistente, que mais parecia “um pinto com gôgo”. Tudo combatido com chá de todos os gostos e matizes: raiz de algodão do campo, cabelo de milho, melão de São Caetano, coquinho, buchinha, boldo. Além de leite de janaúba, mijo de vaca preta, gemada, ovo batido com farinha e açúcar, azeite de carrapato, aguardente alemã, salsa três quinas, cerveja preta.

Lembranças, que lhe faziam tremer, mas, paradoxalmente, lhe faziam um bem enorme, por mais irônico que pareça. Via-se no tempo, em que as pescarias eram recorrentes, levando-o a se entreter com chumbada, caniço, linha, para fazer a alegria de sua mãe, quando retornava com as cambadas de jejus e traíras, que iriam aliviar a fome, sempre a rondar os seus 12 irmãos. Ou espreitando e assaltando as arapucas, que, fartas, sempre se apresentavam (…) Além de que “faziam a festa”, com ele, no jogo de petecas, improvisado com as “mucajubas”; e na guerra de piões, vorazes e perigosos, feitos com o coco babaçu.

Benditas reminiscências, que o levavam a um sorriso pleno, a lhe dar a certeza de que, mesmo com todas “essas dificulidades”, valeu a pena!
Eita, tio Bobo, porreta!

O milagre do querosene

Por Ana Creusa

Era lusco-fusco, quando a mãe percebeu que não havia querosene em casa, a quitanda ficava um pouco distante, mas era o jeito: pegou meia dúzia de ovos de galinha e uma garrafinha de vidro na cor verde, para que as irmãs inseparáveis comprassem o produto na quitanda do seu cunhado.

Porém, antes a mãe recomendou:

– Se Manoel colocar pouco querosene, reclamem!

As duas irmãs entreolharam-se: como iriam fazer essa tarefa, reclamar com o tio? ela mesma não permitiria isso!

Seguiram as duas em direção ao comércio, praticar o escambo dos ovos com o querosene, modalidade de negócio muito praticado na Baixada Maranhense até os dias atuais.

Chegando ao comércio, as duas meninas pediram a troca dos ovos por querosene. Viram o tio pegar o galeão de querosene, usar o funil e colocar na garrafinha. Novamente as duas se olharam, desta feita preocupadas – a quantidade de querosene era ínfima, mal três dedos no fundo da garrafa.

No caminho de volta, já noite, o caminho escuro, as irmãs se puseram a rezar e fazer promessas para o querosene aumentar. Uma era devota de Nossa Senhora, a outra de São Benedito. Pensaram em pôr água na garrafa para “interar” o querosene, mas resolveram confiar nas orações e foram encarar a mãe.

Chegando a casa, ao entregar a garrafa para a mãe, as duas perceberam que o querosene havia aumentado, entreolham-se alegres, mas incrédulas, no mesmo instante em que ouviram a voz da mãe pronunciar:

– O que “deu” em Manoel, ele colocou bastante querosene!

As irmãs tiveram certeza que houve um milagre e ambas começaram as pagar as suas promessas e até hoje, elas têm certeza que o querosene aumentou na garrafa durante a viagem, um milagre comprovado!

*As personagens dessa história são as irmãs Ana Creusa e Ana Cléres, filhas de José dos Santos e Maria Amélia.

Princesa Isabel

Primeira senadora brasileira e primeira mulher a assumir uma chefia de Estado no continente americano, a princesa Isabel se revelou uma política excepcional nas três vezes que exerceu a Regência do país (1871, 1876 e 1888)

Em 13 de maio de 1888, ela assinou a lei Áurea que aboliu a escravidão no Brasil.

Abolicionista convicta, financiava com dinheiro próprio a alforria de dezenas de escravos.

Ela também se preocupou imensamente com a integração condigna e justa dos antigos escravos na dinâmica social e econômica do Brasil. Por isso, foi buscar incentivo ao ensino profissional.

Ela queria uma solução para o problema de como seria o futuro dos escravos, depois de libertos. Temia que, abandonados pelos antigos senhores, vivessem sem eira nem beira, em condições precárias, formalmente livres, mas, de fato, presos a um sistema que lhes impedisse o acesso a condições melhores de existência.

Compreendeu que somente a formação profissional poderia ser adequada para, naquele contexto, assegurar, aos libertos do cativeiro, uma adequada inserção na sociedade brasileira.

Correspondeu-se com o carismático sacerdote João Bosco, fundador da Congregação Salesiana. Dom Bosco foi sem dúvida, um dos maiores e mais completos pedagogos que já existiram em toda a História, com seu “método preventivo”. A princesa pediu, inclusive, que ele mandasse missionários para o Brasil, oferecendo-se para ajudar.

Infelizmente, o golpe republicano de 1889 não permitiu que a Princesa subisse ao trono e completasse a obra redentora dos cativos. O plano grandioso que concebera para a justa e digna inserção dos antigos escravos na sociedade brasileira foi abortado, ficando sem realização. A República desinteressou-se completamente pelos antigos cativos e deixou-os abandonados à sua triste condição. Até hoje, os seus descendentes pagam um pesado preço por esse abandono.

– Elisa Robson, jornalista e pré-candidata à deputada federal pelo DF.

Alexandre de Moraes suspende parcialmente os decretos de redução de IPI expedidos pelo Governo Federal

O Ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu parte dos decretos 11.047 e 11.055 que reduzem as alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

Na decisão, o ministro explica que a suspensão dos efeitos do Decreto 11.052, de 28/04/2022, e dos Decretos 11.047, de 14/04/2022, e 11.055, de 28/04/2022, se aplica apenas

no que se refere à redução das alíquotas em relação aos produtos produzidos pelas indústrias da Zona Franca de Manaus que possuem o Processo Produtivo Básico.

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu parcialmente os dois decretos que reduzem em 25% e 35% as alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), na ação movida pela bancada do Amazonas, que alegava prejuízos ao modelo da Zona Franca de Manaus (ZFM).

A Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) foi apresentada pelo Solidariedade, a pedido da bancada. Na decisão, Moraes também solicitou informações sobre o contexto da situação ao governo, no prazo de 10 dias, e que, após esse prazo, dê-se vista ao processo à Advocacia-Geral da União e à Procuradoria-Geral da República, no prazo de cinco dias.

A decisão, de acordo com Marcelo Ramos (PSD-AM), vice-presidente da Câmara dos Deputados, mostrou que a estratégia da bancada do Amazonas no Congresso, de estabelecer um diálogo no STF, deu resultado. “Nossa opção pelo diálogo franco com o ministro Alexandre de Moraes, baseando nossa argumentação sob o ponto de vista jurídico, econômico, social e ambiental foi fundamental”, revelou.

Entenda

Na prática, a decisão de Alexandre de Moraes suspende os efeitos na íntegra do Decreto 11.052, de 28 de abril de 2022, que zerava imposto no setor de concentrados. Sobre os Decretos 11.047 e 11.055, também editados em abril desde ano, o ministro do STF suspendeu os efeitos apenas da redução das alíquotas em relação aos produtos da Zona Franca de Manaus que possuem o PPB, justamente o pedido dos parlamentares amazonenses.

A ADI foi impetrada pelo partido Solidariedade. Na última terça, Omar e parte da bancada se reuniram para discutir o tema presencialmente com Moraes.

Fontes: G1; CNN Brasil e Correio Brasiliense.

4 de Maio é o prazo final para tirar ou regularizar o Título de Eleitor

O objetivo principal da campanha é estimular e lembrar a juventude sobre a importância de emitir o título de eleitor até o dia 4 de maio. As peças também explicam às pessoas que já possuem o documento como acessar o Autoatendimento do Eleitor, no Portal do TSE, que auxilia na regularização do título, garantindo às cidadãs e aos cidadãos a participação nas Eleições 2022.

Consulte no link:

 

Receita Federal prorroga o prazo para a declaração do imposto de renda

A Receita Federal prorrogou para 31 de maio de 2022 o prazo de entrega da Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda das Pessoas Físicas, da Declaração Final de Espólio e Declaração de Saída Definitiva do País. A decisão consta da Instrução Normativa nº 2.077, publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (5/4).

O imposto a pagar apurado também teve seu vencimento adiado para o final do mês de maio, mas as restituições seguirão o cronograma anterior, sem alteração. As datas permitidas para o débito automático passam a ser 10 de maio, para a primeira cota, e até 31 de maio para as demais, ou seja, para as declarações enviadas após o dia 10 de maio, o pagamento da primeira cota deverá ser realizado com DARF.

A prorrogação visa mitigar eventuais efeitos decorrentes da pandemia da Covid-19 que possam dificultar o preenchimento correto e envio das declarações, visto que alguns órgãos e empresas ainda não estão com seus serviços de atendimento totalmente normalizados.

Resumo

Declaração de Ajuste Anual (declaração normal): prazo até 31 de maio de 2022.

Declaração Final de Espólio (pessoa falecida): prazo até 31 de maio de 2022 e imposto pago até a mesma data, quando:
1) A decisão judicial da partilha, sobrepartilha ou adjudicação dos bens inventariados tenha ocorrido até 2021 e que tenha transitado em julgado até o último dia do mês de fevereiro de 2022;
2) A lavratura da escritura pública de inventário e partilha tenha ocorrido em 2021; ou
3) O trânsito em julgado da decisão judicial da partilha, sobrepartilha ou adjudicação dos bens inventariados tenha ocorrido entre 1º de março e 31 de dezembro de 2021.

Declaração de Saída Definitiva do País: prazo até 31 de maio de 2022 e imposto pago até a mesma data, quando a pessoa se retira do país:
1) Permanentemente em 2021, ou
2) Temporariamente, e tenha completado 12 meses consecutivos de ausência durante 2021. 

Fonte: https://www.gov.br/economia/pt-br/receitafederal.

Lançamento do livro Retalhos de uma História: um marco na história de Peri-Mirim

No dia 31/03/2022 às 19:30 realizou-se o lançamento do livro Retalhos de uma História de autoria de Eni do Rosario Pereira Amorim. O evento se deu na Escola Carneiro de Freitas, contou com a presença de moradores do local, professores, acadêmicos, amantes das letras e familiares da autora.

O evento teve início com a composição da mesa de honra formada por:

1) Francisco Viegas Paz, autor dos livros: Seminarista Graças a Deus, Curiosidades Histórias de Peri-Mirim e Peri-Mirim, Cem Anos de Emancipação e participação no livro Ecos da Baixada e vários artigos publicados em jornais;

2) Edna Jara Abreu, professora, autora de vários artigos e crônicas sobre a história de Peri-Mirim, uma das revisoras do livro que ora será lançado;

3) Luís Eduardo França Tupinambá, biomédico e secretário de Agricultura do município e

4) Eni do Rosario Pereira Amorim, Técnica em Segurança do Trabalho, bacharel em Serviço Social, tem vários contos, crônicas e poesias publicadas em redes sociais, autora do livro Retalhos de uma História.

Após a formação da mesa de honra, foi executado o hino da cidade, seguindo-se do pronunciamento dos componentes da mesa.

Momento especial se deu quando aa Professora Laurijane Pereira Amorim (Nita), irmã da autora do livro declamou o poema Gratidão. Logo após, desfez-se a mesa de honra e deu-se início à sessão de autógrafos.

O lançamento do livro de Eni Amorim, 1ª presidente da Academia de Letras, Ciências e Artes Perimiriense (ALCAP), deu-se no dia do 103º aniversário de emancipação do município de Peri-Mirim, e constitui-se em um marco na construção da história do município, pois resgata fragmentos da vida e obra de Maria Isabel Martins Nunes, ambientada no Povoado de Santana. A obra é permeada de fatos pitorescos envolvendo o quotidiano de vários personagens, cuja lembrança aproximará os perimirienses de suas memórias e contribuirá para a formação de laços inesquecíveis, destacou Ana Creusa.

O evento contou com a animação agradável na voz de Frank Hudson, secretário de Cultura do município, ocasião em que foi servido um delicioso coquetel aos convidados.

A autora enalteceu a parceria do Fórum em Defesa da Baixada, Cida Cosméticos, Nossa Clínica e Secretarias municipais de Agricultura, Educação e de Cultura.

Confira a lista dos secretários do Governo de Carlos Brandão

O governador Carlos Brandão (PSB), começou a anunciar na noite de domingo (3), os primeiros nomes do seu secretariado e nesta segunda-feira (4), novos nomes já foram apresentados.

Confira a lista do primeiro escalão do Governo do Maranhão. Ainda faltam alguns nomes, mas de acordo com os novos anúncios, vai ocorrer a atualização.

  1. Murilo Andrade – Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP)
  2. Marcellus Ribeiro Alves – Secretaria de Estado da Fazenda (SEFAZ)
  3. Tiago Fernandes – Secretaria de Estado da Saúde (SES)
  4. Luís Fernando – Secretaria de Estado do Planejamento e Orçamento (SEPLAN)
  5. Gerson Pinheiro – Secretaria de Estado Extraordinária de Igualdade Racial
  6. Tatiana Pereira – Secretaria de Estado Extraordinária da Juventude (SEEJUV)
  7. José Reinaldo Tavares – Secretaria de Estado de Programas Estratégicos (SEPE)
  8. Joslene Rodrigues – Secretaria de Estado das Cidades e Desenvolvimento Urbano (SECID)
  9. Leuzinete Pereira – Secretaria de Estado da Educação (SEDUC)
  10. Raysa Queiroz – Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais (SEMA)
  11. Walquíria Moraes – Chefe do Cerimonial
  12. Karen Barros – presidente do Instituto de Promoção e Defesa do Cidadão e Consumidor do Maranhão (PROCON)
  13. Cassiano Pereira – Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Energia (SEINC)
  14. Silvia Carla Ferreira – Secretaria de Estado de Relações Institucionais (SRI)
  15. Davi Telles – Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI)
  16. Coronel Silvio Leite – Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP)
  17. Coronel Humberto Aldrin – Chefe do Gabinete Militar
  18. Aparício Bandeira – Secretaria de Estado da Infraestrutura (SINFRA)
  19. Paulo Casé – Secretaria de Estado do Desenvolvimento Social (SEDES)
  20. Pedro Chagas – Secretaria de Estado da Gestão, Patrimônio e Assistência dos Servidores (SEGEP)
  21. Raul Mochel – Secretaria de Estado de Transparência e Controle (STC)
  22. Sérgio Sombra – presidente da Junta Comercial do Maranhão (JUCEMA)
  23. Diego Rolim – Secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF)
  24. Hewerton Pereira – presidente do Detran (MA)
  25. Sebastião Madeira – chefe da Casa Civil
  26. Júnior Viana – subsecretário da Casa Civil
  27. Cauê Aragão – presidente Agência Estadual de Defesa Agropecuária (AGED)
  28. Anderson Ferreira – presidente do Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (ITERMA)
  29. Marcello Duaillibe – presidente da Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (EMSERH)
  30. Paulo Sérgio Rodrigues – Secretaria de Estado Extraordinária da Região Tocantina
  31. Marcos Aurélio Freitas – Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (CAEMA)
  32. Luzia Waquim – secretária de Estado Chefe do Gabinete do Governador
  33. Daniel Brandão – Secretário-chefe da Assessoria Especial do Governador
  34. Rubens Pereira – Secretaria de Estado de Articulação Política (SECAP)
  35. Cynthia Mota – Secretaria de Estado Extraordinária de Articulação de Políticas Públicas (SEEPP)
  36. Rodrigo Maia – Procuradoria Geral do Estado
  37. Amanda Costa – Secretaria de Estado dos Direitos Humanos e Participação Popular (SEDIHPOP)
  38. Paulo Matos – Secretaria de Estado do Turismo
  39. Naldir Lopes – Secretaria de Estado do Esporte e Lazer (SEDEL)
  40. Paulo Victor – Secretaria de Estado da Cultura
  41. Sorimar Amorim – Fundação da Criança e do Adolescente (FUNAC)

Fonte: G1 e Diêgo Emir.