CIÊNCIA: Nasa extrai oxigênio respirável do ar rarefeito de Marte

“A NASA registrou outro extraterrestre pela primeira vez em sua última missão a Marte: converter dióxido de carbono da atmosfera marciana em oxigênio puro e respirável”,  afirmou a agência espacial dos EUA.

A extração sem precedentes de oxigênio, literalmente do nada em Marte, foi conseguida na terça-feira (19/04) por um dispositivo experimental a bordo do Perseverance, um equipamento científico de seis rodas que pousou no Planeta Vermelho em 18 de fevereiro, após uma viagem de sete meses da Terra.

Embora a produção inicial tenha sido modesta, a façanha marcou a primeira extração experimental de um recurso natural do meio ambiente de outro planeta para uso direto por humanos.

Em sua primeira ativação, o instrumento do tamanho de uma torradeira apelidado de MOXIE, abreviação de Mars Oxygen In-Situ Resource Utilization Experiment, produziu cerca de 5 gramas de oxigênio, equivalente a cerca de 10 minutos de respiração para um astronauta, disse a NASA.

A primeira corrida de conversão de oxigênio veio um dia depois que a NASA alcançou o histórico primeiro voo controlado de uma aeronave em outro planeta com uma decolagem e pouso bem-sucedidos de um helicóptero robô em miniatura em Marte.

Como o MOXIE, o helicóptero de dois rotores apelidado de Ingenuity pegou uma carona para Marte com Perseverança, cuja missão principal é pesquisar vestígios fossilizados de micróbios antigos que podem ter florescido em Marte bilhões de anos atrás.

Fonte: https://www.reuters.com/

Dia Internacional da Terra, com o tema “Restaurar nossa Terra”

A ONU reconheceu a data em 2009, como o Dia Internacional da Mãe Terra. O tema deste ano é ‘Restaurar nossa Terra’. A finalidade da data é estimular a consciência para os problemas da contaminação, degradação e devastação ambiental. 

A WISCONSIN GIANT FOUNDING EARTH DAY ONE OF MANY ACHIEVEMENTS OF THE FORMER GOVERNOR AND SENATOR GAYLORD NELSON: 1916-2005 | Latest News | madison.comO Dia Internacional da Mãe Terra, ou apenas Dia da Terra, foi criado em 22 de abril de 1970 pelo então senador dos Estados Unidos Gaylord Nelson. A intenção era chamar a atenção da população e de governantes para problemas ambientais que afetavam nosso planeta. A convocação foi um sucesso e milhões de pessoas se manifestaram nos Estados Unidos a favor de mudanças de atitude pelas causas ambientais.

O Dia da Terra 2021 é o tema do Doodle exibido na página inicial do Google nesta quinta-feira (22). Em formato de vídeo, a ilustração mostra pessoas adultas plantando diferentes árvores e ensinando crianças a fazer o plantio enquanto envelhecem. O processo se repete com diferentes personagens, mostrando que as árvores permanecem na natureza mesmo com o passar do tempo. O Doodle está sendo exibido em quase todos os países, na versão do buscador para computador e celular.

Segundo o Google, o Doodle deste ano destaca como todos podem plantar a semente para um futuro mais brilhante, uma muda de cada vez. “O vídeo Doodle de hoje mostra uma variedade de árvores sendo plantadas dentro de habitats, uma das muitas maneiras pelas quais podemos fazer nossa parte para manter nossa Terra saudável para as gerações futuras. Encorajamos todos a encontrar uma pequena ação que possam fazer para restaurar nossa Terra”, disse a empresa.

A ilustração foi criada pela designer Sophie Dao, que revelou ter se inspirado nas árvores e flores que admira pela janela da sua casa.

Em 1990, o Dia da Terra já era celebrado em muitos países e em 2009, reconhecendo a importância desta data, a ONU instituiu definitivamente o dia 22 de abril como sendo Dia Internacional da Mãe Terra.

Dia da Terra | 22 de abril - CalendarrA Mãe Terra está claramente pedindo uma chamada à ação. A natureza está sofrendo. Oceanos se enchendo de plástico e ficando mais ácidos. Calor extremo, incêndios florestais e inundações, bem como uma temporada recorde de furacões no Atlântico, afetaram milhões de pessoas. Agora enfrentamos COVID-19, uma pandemia mundial de saúde, link para a saúde de nosso ecossistema.

Hoje a Cúpula de Líderes sobre o Clima foi aberta nesta quinta-feira (22), em evento organizado pelo governo dos Estados Unidos. O anfitrião é o presidente Joe Biden, que faz a coordenação do evento. O discurso de abertura ficou sob a responsabilidade da vice-presidente Kamala Harris. Pelo Brasil, o presidente Jair Bolsonaro discursou e prometeu que o país terá neutralidade climática até 2050. “Determinei que nossa neutralidade climática seja alcançada até 2050, antecipando em 10 anos a sinalização anterior. Entre as medidas necessárias para tanto, destaco aqui o compromisso de eliminar o desmatamento ilegal até 2030”.

Fonte: Google. https://www.techtudo.com.br/ e https://www.terra.com.br. Foto de destaque da Internet

Curiosidades e lendas envolvem a história do dia 21 de abril; relembre o que foi a Inconfidência Mineira

Autora Rafaella Dotta

Dono de um feriado nacional em seu nome, Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, possui uma história em parte desconhecida e em parte misteriosa.

Você sabia, por exemplo, que sua cabeça foi roubada e nunca mais reapareceu? Ou que a barba e o cabelo compridos são provavelmente invenções? Dúvidas como essas abrem possibilidade para se conhecer um pouco mais sobre a revolta acontecida em Minas Gerais, conhecida como “Inconfidência Mineira”.

Era século XVIII, por volta de 1790, quando um grupo de intelectuais, padres e detentores de patentes militares de Vila Rica (hoje Ouro Preto) começou a pensar em uma revolta contra a coroa portuguesa.

O professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), João Furtado, explica que a maioria dos inconfidentes se rebelava contra a forma agressiva com que Portugal cobrava os impostos no estado. “Ricos, principais sonegadores, tinham seus bens confiscados à força”, diz.

Os inconfidentes não tinham um grande projeto para o país, não tinham os mesmos pensamentos sobre a escravidão e não passaram da fase de planejamento da revolta, segundo o historiador.

Em abril de 1792, os reis portugueses descobriram a conspiração e mandaram enforcar e esquartejar Tiradentes, a fim de inibir movimentos que também articulassem a liberdade do Brasil de Portugal.

Símbolo do movimento

De todos os integrantes da revolta, por que apenas Tiradentes foi morto?

“Ele era o líder que mais divulgava as ideias da Inconfidência. Ao dar muita publicidade à Inconfidência, foi identificado como o principal propagandista e escolhido para ser eliminado pela coroa”, explica o professor. Outros dizem que ele foi o escolhido para servir de exemplo por ser o mais pobre entre seus companheiros, que eram integrantes da burguesia da época.

O enforcamento de Tiradentes aconteceu no Rio de Janeiro, na praça da Lampadosa (hoje praça Tiradentes). Pedaços de seu corpo foram colocados ao longo da estrada até Vila Rica, onde foi exibida sua cabeça.

Curiosas inconfidências

Será careca? Historiadores afirmam que Tiradentes não era como as pinturas mostram. Como era um alferes (tenente do Exército), precisava manter cabelo e barba raspados. A figura que conhecemos hoje teria sido inventada para se parecer com Jesus Cristo e facilitar a simpatia pelo inconfidente.

Onde ele está com a cabeça? Nos dias seguintes à morte de Tiradentes, a corte portuguesa enviou pedaços de seu corpo a todo território nacional para amedrontar pessoas que se organizassem pela independência do país. Para Ouro Preto enviou a cabeça e a colocou em um poste na praça central. Entretanto, a cidade tomou um susto ao amanhecer. A cabeça de Tiradentes havia sido roubada. Até hoje diversas lendas rondam a história e seu crânio nunca foi encontrado.

Tiradentes, um vilão? Por 98 anos, desde a sua morte (1792) até a proclamação da República do país (1889), Joaquim foi considerado um exemplo a não ser seguido, odiado por toda a corte portuguesa. Quando o Brasil, enfim, declarou independência, ele passou a ser reconhecido como o mais importante rebelde que lutou pela liberdade do país.

Proclame-se feriado! Tiradentes é o único personagem brasileiro que possui um feriado nacional em sua homenagem.

Fonte: https://www.brasildefato.com.br/  Foto: Estátua de bronze de Tiradentes: historiadores questionam a imagem do líder da Inconfidência barbudo e cabeludo – Tomaz Silva/Agência Brasil

O STF também colaborou para a suspensão do Censo de 2021?

A suspensão do Censo afeta o país. Compromete as políticas públicas e a divisão de verbas. Houve uma drástica redução de verbas no orçamento de 2021.

Além dos cortes orçamentários e da Covid-19, o Supremo Tribunal Federal (STF) impediu o compartilhamento de dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) com o IBGE, o que impossibilita a realização do Censo por esse meio.

Ainda no ano passado, o Supremo Tribunal Federal, suspendeu a eficácia da Medida Provisória (MP) 954/2020, que previa o compartilhamento de dados de usuários de prestadoras de serviços de telecomunicações com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), para dar suporte à produção estatística oficial durante a pandemia do novo coronavírus.

A relatora, ministra Rosa Weber, deferiu medidas cautelares solicitadas em cinco Ações Diretas de Inconstitucionalidade propostas pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB (ADI 6387), pelo Partido da Social Democracia Brasileira – PSDB (ADI 6388), pelo Partido Socialista Brasileiro – PSB (ADI 6389), pelo Partido Socialismo e Liberdade – PSOL (ADI 6390) e pelo Partido Comunista do Brasil (ADI 6393).

A MP brigava as empresas de telecomunicações a informarem nome, número de telefone e endereço de pessoas físicas e jurídicas. O objetivo era viabilizar a produção de estatísticas oficiais do IBGE em meio a impossibilidade de realizar pesquisas presenciais domiciliares durante a pandemia do novo coronavírus. O instituto, inclusive, já havia requisitado às operadoras que entregassem os dados dentro dos limites legais de sete dias previstos na MP, de acordo com a liminar do Supremo.

A ministra também ressaltou que não há interesse público legítimo no compartilhamento dos dados pessoais dos usuários dos serviços de telefonia e que a norma não oferece condições para avaliação da sua adequação e da sua necessidade, pois não define a forma e o objetivo da utilização dos dados coletados, em aparente violação à garantia do devido processo legal.

A falta de dados atualizados deve afetar diretamente a distribuição de recursos da União para estados e municípios. A contagem populacional é um dos parâmetros utilizados para o cálculo dos repasses do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e dos Municípios (FPM).

Nas unidades federativas, o indicador demográfico também é base para a definição do porcentual de transferência de impostos como IPVA e ICMS para as prefeituras. Até mesmo a quantidade de representantes nas Câmaras Municipais, Assembleias Legislativas e no Congresso Nacional depende do total de habitantes de cada ente federativo.

Fontes STF, IBGE, Gazeta do Povo. Foto Poder 360.

Como a suspensão do Censo de 2021 afetará o repasse de verbas para estados e municípios

A falta de dados atualizados deve afetar diretamente a distribuição de recursos da União para estados e municípiosA contagem populacional é um dos parâmetros utilizados para o cálculo dos repasses do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e dos Municípios (FPM).

Nas unidades federativas, o indicador demográfico também é base para a definição do porcentual de transferência de impostos como IPVA e ICMS para as prefeituras. Até mesmo a quantidade de representantes nas Câmaras Municipais, Assembleias Legislativas e no Congresso Nacional depende do total de habitantes de cada ente federativo.

Suspenso em 2020 em razão da pandemia da Covid-19, o Censo Demográfico foi praticamente inviabilizado em 2021 após o corte de 96% dos recursos para o levantamento na versão aprovada pelo Congresso da Lei Orçamentária Anual (LOA). Mais do que uma contagem do número de habitantes, o levantamento traz um panorama atualizado de indicadores sociais em nível inframunicipal, permitindo a formulação e acompanhamento de políticas públicas e distribuição de recursos para os entes federativos, por exemplo.

No início do mês, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelo Censo, decidiu suspender as provas do concurso para recenseadores e agentes censitários após a redução da verba destinada ao levantamento, que despencou de R$ 2 bilhões para apenas R$ 71,7 milhões. As 204,3 mil pessoas que seriam contratadas iriam a campo entre agosto e outubro deste ano. A presidente do IBGE, Susana Cordeiro Guerra, pediu exoneração do cargo logo após o Congresso cortar recursos.

Nos períodos intercensitários, o IBGE faz estimativas de populações estaduais e municipais aplicando um método matemático que leva em consideração a projeção da população estadual, a distribuição por meio de métodos demográficos e a tendência de crescimentos dos municípios delineada pelos números captados nos últimos dois Censos. Além disso, incorpora alterações de limites territoriais municipais ocorridas desde o último recenseamento.

O problema é que, em razão da pandemia de Covid-19, há estudos que apontam que alguns municípios brasileiros devem registrar número de óbitos equivalente ou até superior ao total de nascimentos nos próximos meses. O movimento foge da tendência observada no país historicamente, o que se torna um complicador aos modelos de estimativa populacional utilizados pelo IBGE.

“Neste momento, o Censo é oportuno para atualizar os números, que, por causa dessa sobre mortalidade, certamente vão ter diferença em relação às estimativas”, afirma o economista e matemático Paulo Jannuzzi, pesquisador na área de estatísticas públicas e professor da Escola Nacional de Ciências Estatísticas do IBGE. “Além disso, é uma doença que tem atingido de forma desigual a população negra e mais pobre, então há mudanças sociais muito relevantes.”

Em 2022 completam-se 150 anos da realização do primeiro Censo Demográfico do Brasil. O primeiro levantamento, realizado em 1872, quando o país era governado por Dom Pedro II, foi o único feito na época do Império, ainda durante o regime escravocrata. Novos recenseamentos ocorreram em 1890, em 1900 e em 1920.

A partir de 1940, a pesquisa passou a ser feita em intervalos de dez anos, tendo sido adiadas apenas as edições de 1990, que ocorreu em 1991 por causa do atraso na contratação de recursos humanos, e de 2020, em razão da pandemia do novo coronavírus.

Fonte: IBGE e Gazeta do Povo.

SÃO LUÍS: Vacinação para profissionais da educação começa nesta segunda-feira (19)

A vacinação para os profissionais da educação de São Luís começa hoje segunda-feira (19). O anúncio foi feito pelo prefeito Eduardo Braide (Podemos).

A vacinação começa com os profissionais da ativa, de 55 anos ou mais, que atuem na rede municipal de Educação de São Luís.

Local: Centro de Convenções da UFMA – Horário: de 8h às 18h.

Manhã: Serão vacinados os nascidos de JAN a JUN. Tarde: Serão vacinados os nascidos de JUL a DEZ.

Vale lembrar que ao mesmo tempo estão sendo vacinados os idosos de 62 anos em São Luís.

Programa Maranhão Verde chegou neste ano de 2021 à Baixada Maranhense

Criado para incentivar projetos de conservação e recuperação ambiental, o Programa Maranhão Verde chegou neste ano de 2021 à Baixada Maranhense. São mais 400 famílias atendidas.

O programa dá bolsas financeiras para pessoas que ajudem a preservar o meio ambiente. Os participantes recebem capacitação ambiental, social, educacional, técnica e profissional.

Ao todo, mais de 60 mil mudas serão plantadas na Baixada. Cada uma das 400 famílias vai receber a Bolsa Maranhão Verde de R$ 300 bimestrais.

Lançado em 2017, o programa já beneficiou mais de 452 famílias. Agora, chega a quatro municípios da Baixada Maranhense (Pinheiro, Penalva, Palmeirândia e Santa Helena).

“A efetivação das políticas públicas ambientais perpassa pela produção e plantio de mudas objetivando a recuperação de áreas degradas, pelo enfrentamento das queimadas por meio da brigada contra o incêndio e pela preservação da flora e corpos hídricos por meio da conscientização e educação ambiental de modo amplo”, disse o secretário de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais, Diego Rolim.

Mais sobre o Programa

O primeiro projeto do Maranhão Verde foi executado no Parque Estadual do Mirador, por meio do Projeto Berço do Rio Itapecuru, com a participação de 189 famílias do parque. Atualmente, o programa é realizado no Parque Estadual do Bacanga, com o projeto Florestas Protetoras de Mananciais, destinado à conservação e recuperação das matas ciliares e áreas de recarga do parque, com foco nas regiões do reservatório do Batatã e do Rio Prata.

Matéria publicada em 06/02/2021

Preservação ambiental é o foco do projeto (Foto: Handson Chagas)

Prefeito de Peri-Mirim participa de reunião para viabilizar a reconstrução da Barragem de Maria Rita

Para viabilizar a reconstrução da barragem, prefeitos da região formaram o Consórcio da Barragem de Maria Rita.

Heliezer Soares, prefeito de Peri-Mirim, participou, na última sexta-feira (16/04/2021), de reunião liderada pelo presidente do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (FDBM) e prefeito de Bequimão, João Martins, com representantes do Governo do Estado do Maranhão, a prefeita de Bacurituba, Letícia de Sibá; e o vice-prefeito de Alcântara, Nivaldo Araújo, representando o prefeito Padre William. Dino Penha, prefeito de São Bento, justificou sua ausência, pois se encontrava em outra agenda de trabalho em São Luís.

Também participaram da reunião que tratou da conclusão da construção da Barragem de Maria Rita, o vice-prefeito de Bequimão, Sidney Nogueira (Magal); o Secretário Adjunto de Radiodifusão do Estado e diretor geral da Rádio Timbira, Robson Paz; e o ex-vereador do município e articulador político do Governo do Estado na região, Fredson Pereira.

O encontro teve como objetivo viabilizar a conclusão da construção da Barragem de Maria Rita, que possui 12 km de extensão e beneficia diretamente os municípios de São Bento, Palmeirândia, Peri-Mirim e Bequimão.

Durante a reunião, os gestores municipais da região assinaram um documento conjunto, solicitando a construção dos seis quilômetros restantes da estrutura ao Governo do Estado e a manutenção dos seis quilômetros já construídos pela Prefeitura de Bequimão, com recursos próprios, na administração do ex-prefeito Zé Martins.

O ofício foi endereçado ao secretário de Estado da Agricultura Familiar, Rodrigo Lago, foi entregue ao seu secretário adjunto, Ivaldo Rodrigues. Nele, o Consórcio da Barragem de Maria Rita ressalta a importância da obra para cerca de dois mil agricultores que vivem da pesca, do plantio e da criação de animais na região.

Pleito antigo, a conclusão da Barragem de Maria Rita é defendida pelo prefeito João Martins desde os tempos em que esteve à frente da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf).

João Martins destaca que: “com a primeira etapa concluída, já observamos resultados positivos. A barragem permitiu que a água permanecesse por mais tempo nos campos e evitou a temida salinização. É evidente a importância dessa obra para a nossa região e para a subsistência de milhares de famílias, que retiram o seu sustento dos campos inundáveis”

A reconstrução da Barragem de Maria Rita faz parte de uma das principais reinvindicações dos perimiriense. Vale lembrar que em janeiro de 1968, na gestão de gestão de José Ribamar Martins França, o Zé Bacaba; a Câmara Municipal de Peri-Mirim concedeu o título de Cidadão Perimiriense, para o então Secretário de Agricultura do Governo do Estado do Maranhão, Lourenço Vieira da Silva, em reconhecimento pela construção da Barragem do Gigante, antes denominada Barragem do Defunto e atualmente denominada de Barragem Maria Rita.

Há registro histórico que parte da Barragem do Defunto foi construída pelo Prefeito Agripino Marques, em forma de mutirão com os moradores para região.

Essa barragem é fundamental para impedir que a água do mar avance nos campos, reduzindo o período de estiagem, viabilizando a criação de animais, a pesca e também o plantio em geral.

Heliezer e os demais prefeitos do Consórcio da Barragem de Maria Rita entrarão para a História, pela reconstrução dessa importante obra. Fica a sugestão à Câmara de Vereadores de Peri-Mirim que, a pós a reconstrução da Barragem, conceda o Título de Cidadão Perimiriense ao Secretário de Agricultura Familiar – repetindo o gesto de 1968.

Fonte Tribuna de Bequimão, Sites do FDBM e O Resgate.

OAB/Maranhão ajuíza ação contra o Estado por baixo percentual de vacinação e cobrando reinstalação de hospital de campanha com 200 leitos na grande ilha

Em defesa do direito à saúde e da preservação da vida da população maranhense, a OAB Maranhão, por meio da Comissão de Direito à Saúde, ingressou na Justiça com uma ação civil pública, com pedido de liminar, requerendo que o Estado do Maranhão seja obrigado a apresentar, em até 05 dias, o cronograma de aquisição de vacinas do Estado, bem como requerendo a reinstalação de novo hospital de campanha em São Luís com mínimo de 200 leitos, sendo 186 clínicos e 14 UTI, mesmo tamanho do hospital de campanha instalado no ano de 2020 e fechado antes que a pandemia tivesse atingido seu momento mais grave.

Em seu pedido, a OAB cobra que o Estado apresente também os documentos que comprovem quais as providências tomadas no sentido de adquirir novos imunizantes, devendo indicar com quais laboratórios iniciou negociação e apresentar as propostas formuladas, bem como que o Estado apresente, ainda, os dados quanto ao monitoramento, supervisão e avaliação de cada município, nos termos do item “4.10” do Plano Estadual de Vacinação (que atribui tal responsabilidade ao Estado), uma vez que a maioria dos municípios aplicaram menos de 80% (oitenta por cento) das vacinas recebidas.

“É uma situação de fato preocupante. Temos acompanhado o desenvolvimento e a condução da pandemia em nosso estado. E para a elaboração dessa ACP levamos em consideração o cenário de subnotificação, novas variantes do vírus no estado, taxa de 90% de ocupação de leitos de UTI’s na Capital, a alta na mortalidade, baixa taxa de vacinação nos municípios, colocando o Maranhão nas últimas colocações no ranking nacional e ainda o fato do hospital de campanha que está sendo construído agora ter menos da metade da capacidade daquele que fora desativado em setembro do ano passado” observou presidente da Comissão de Direito à Saúde da OAB/MA, Pedro Ivo Corrêa.

Em sua ação, a Seccional Maranhense da Ordem leva em consideração: 1. Que o Maranhão está liderando o ranking de maior alta em média de mortes; 2. Que ocupamos a 23ª colocação do ranking de vacinação do País; 3. Termos ultrapassado, na capital, a taxa de 90% de ocupação de leitos de UTI exclusivos para Covid-19, e; 4. Termos, segundo os dados do Ministério da Saúde do Governo Federal, 126.369 doses de vacinas já recebidas pelo Estado e ainda não disponibilizadas aos municípios.

“Mais uma vez a OAB/MA vem cumprir o seu papel de defensora da constituição, da cidadania e da sociedade, e dessa vez pelo bem maior de nossa população que é a vida. Não conseguimos avançar no processo de imunização de nossa população e temos visto a cada dia os números de infecção e de mortes aumentando. Soma-se a isso o fato de que estamos as portas do colapso na rede pública e privada de saúde. O que buscamos é a preservação da vida e evitar que o caos se instale em nosso Estado e que a população não seja, mais ainda, a grande vítima de toda essa situação”, explicou o presidente da OAB Maranhão, Thiago Diaz.

Fonte: OAB/MA, 22/03/2021.

CPI do Combustível aponta irregularidades em 73% dos postos investigados

Dados apresentados pela CPI do Combustível na última quarta-feira, 14, apontam aumentos abusivos em 73% dos postos investigados na ilha de São Luís. As investigações foram feitas a partir da quebra de sigilo de mais de 200 postos em São Luís e no interior do estado, apontando que, a cada dez postos, sete aumentaram os preços de forma abusiva.

O presidente da Comissão, o deputado estadual Duarte Júnior (Republicanos), relatoria ficou a cargo do deputado Roberto Costa (MDB). definiu uma investigação minuciosa através de documentações de distribuidoras, revendedoras, órgãos estaduais e federais.

Os abusos se caracterizaram por reajustes acima dos anunciados pela Petrobras, até agora somando oito este ano, sendo que alguns desses antecederam a definição de preços da estatal, ainda que o estoque do combustível fosse comprado pela distribuidora pelo valor antigo.

Fonte: Assembleia Legislativa e O Imparcial.