Gato com mão de gente

Autora: Gracilene Pinto

Dona Severina já vivia há muito tempo, como diz o populacho, na “idade do condor”. Com dor aqui, com dor ali, passava seus dias a gemer, coitada.

– Ai, delho! Ai, delho! Mandei chamar Sirvana, Sirvana num veio. Vida de véio é mermo assim, ninguém liga mais da gente. Num se presta pra nada! Ai, delho! Cuma se num bastasse as dor, inda me deixam sem cumê. Ai, delho! Ai, qui fome!

– Mãe Velha, dizia a neta Das Dores, a sinhóra é capaz de falar mal de Deus. Terminô de almuçá agorinha. E se mamãe ainda não veio é porque deve tá ainda trabalhando na farinhada.

– Quem?! Eeeeuu qui cumi? Tu tá é mentindo! Tu come a cumida toda e adispois me dexa cum fome, pequena mintirosa. Ai, delho!

Com seus oitenta e tantos anos, entre todos os males que lhe atormentavam a vida, como o reumatismo que já quase não a deixava caminhar, dona Sivica, como era chamada na comunidade, também havia o tal do alemão, o Alzeimer. Por conta disso esquecia das coisas, tinha acessos de fúria e momentos de grande saudosismo.

Morava com a anciã sua neta Das Dores, mulata de alma quente e corpo bem modelado, que há muito tempo já dera com os burros n´água, quando sucumbira às cantadas de um primo e deixara a virgindade atrás da moita no caminho do poço. Desde então, não enjeitava parada, só tinha cuidado para que a avó não soubesse das suas aventuras. Porém, confiante na demência de Dona Sivica, muitas vezes, às tantas da noite a moça levava os namorados para a redinha de fio armada no canto da camarinha da pequena casa de barro e palha.

Ocorre que, dona Sivica dormia na sala, sua rede estrategicamente armada no canto, bem na direção da porta que dava para a camarinha, permitindo-lhe, até certo ponto, vigiar Das Dores, para evitar que a neta caísse na sem-vergonhice.

E assim, já que as dores no joelho e no corpo todo não deixavam dona Sivica dormir, a anciã passava as noites entre uma baforada e outra do cachimbo de barro a gemer, a reclamar da vida ou a lembrar dos bons tempos da mocidade.

Nessa noite Das Dores já estava deitada, mas combinara previamente com o namorado que deixaria a porta de meançaba apenas encostada. Assim que a avó adormecesse, a moça faria um sinal para que o rapaz entrasse discretamente a fim de deitar-se com ela. O sinal seria um miado de gato.

Dona Sivica demorou um tempão falando, falando. Então, quando Das Dores ouviu o ressonado da avó imediatamente imitou o gato e o rapaz entrou, tentando ser o mais silencioso possível. No entanto, para chegar ao paraíso, que era a rede de Silvana, o homem precisava vencer sérios desafios. O primeiro e maior deles, seria passar por debaixo da rede de dona Sivica, tendo em vista que sono de velho quase sempre é muito leve. Depois, como localizar o penico naquela escuridão para não enfiar os pés ou as mãos no mijo? Mas, como paixão não mede distância nem dificuldades, corajosamente o moço agachou-se e começou a arrastar-se por debaixo da rede. Porém, terminou roçando na rede que estava muito baixa. Com muito jeito tentou levantar a rede devagarinho segurando pelos punhos, e só se ouviu a voz esganiçada da velha reboando no casebre:

– Quem tá aí?!!

– Quem havéra de tá, Mãe Véia? Só pode sê gato. – respondeu Das Dores do quarto.

– Gato num tem mão de guente! Gato num tem mão de guente! – declarou a anciã em um momento de rara lucidez.

Solidariedade: o confinamento em casa não é desculpa

A pergunta é: em que eu posso ajudar? Milhares de pessoas pelo mundo não têm, nem mesmo, as armas básicas para combater o vírus: água e sabão. O Brasil está em risco, principalmente pela desigualdade social. É hora de união, solidariedade e amor ao próximo.

As precauções são difíceis de aplicar principalmente em locais vulneráveis, como nas imensas periferias brasileiras, moradores de rua, nos hospitais ou nas prisões superlotadas em todo o Brasil.

Vários países optaram por fechar suas fronteiras para tentar se isolar da pandemia. Aqui no Brasil, os políticos e os demais cidadãos ainda não conseguiram lidar com a crise da pandemia, sem esquecer as desavenças ideológicas ou partidárias, só atrapalham. Precisamos, justamente, do contrário: de união, foco e espírito público.

Entretanto, o que fazem os políticos: campanha eleitoral: o governo federal, governadores e prefeitos estão em franca competição, em campanha eleitoral que, além de antecipada, é inadequada!

A Itália, país mais afetado da Europa, já registrou mais de 4.000 mortes, foi o primeiro que ordenou o confinamento da população e se prepara para reforçar suas medidas diante da catástrofe sanitária. Aqui no Brasil, o ministro da Saúde já anunciou que haverá um colapso no sistema de saúde a partir do final do mês de abril. Como vamos lidar com isso? com egoísmo é que não é …

“Aplaudaço”: cidadãos prestam homenagem a profissionais de saúde

Em meio à pandemia do novo coronavírus, cidades se mobilizaram na internet para homenagear os profissionais da saúde com um “aplaudaço”.

Nas redes sociais, circulam registros de várias regiões de São Paulo, do Rio de Janeiro e de outras capitais, inclusive São Luís. “Enquanto estamos protegidos em casa, os profissionais da saúde estão enfrentando essa crise. Vamos mostrar nossa gratidão a todas essas pessoas com uma salva de palmas das nossas janelas no dia 20”, diz um convite que circulou nas redes sociais.

Governo declara estado de transmissão comunitária do coronavírus

O Ministério da Saúde declarou estado de transmissão comunitária do novo coronavírus em todo o Brasil. A ação tem a intenção de unificar ações em todos os Estados e tornar mais restritivas as medidas de contenção da covid-19, como a limitação da circulação de pessoas acima de 60 anos.

A Portaria, publicada em edição extra do Diário Oficial da União, também garante a possibilidade de atestado médico para a família de pessoas com sintomas de gripe, independente da idade.

Segundo o decreto, a medida foi tomada pela “necessidade premente de envidar todos os esforços em reduzir a transmissibilidade e oportunizar manejo adequado dos casos leves na rede de atenção primária à saúde e dos casos graves na rede de urgência/emergência e hospitalar”.

Nesta tarde, a pasta atualizou que o país está com 904 infectados pela Covid-19. O número de mortes subiu de sete para 11.

Os Estados que já registraram a transmissão comunitária, também conhecida como sustentada, são Rio de Janeiro, Minas Gerais, Santa Catarina, Pernambuco, Rio Grande do Sul e São Paulo. Este tipo de propagação é caracterizado no momento em que não é mais possível identificar a origem da contaminação de uma pessoa naquela cidade. Ainda assim, o governo decidiu ampliar a medida para todos os entes da federação.

Fonte: Agência Brasil e Correio Brasiliense.

Os idosos e a pandemia

Autor: João Paulo Nogueira Ribeiro*

As medidas preventivas para diminuir a transmissão do coronavírus certamente teriam engajamento muito maior da sociedade se a Covid-19 fosse mais letal em crianças e adultos jovens. Acontece que a nova doença provoca morte e sequelas graves sim, principalmente em idosos, pacientes crônicos e pessoas com imunidade comprometida de forma geral. A marginalização desses grupos e o cruel preconceito de que as pessoas mais velhas são reais e podem enviesar as atitudes ou omissões individuais.

É fundamental exercitarmos, neste momento de crise, a consciência do outro. Em cenário de tanta polarização e extremismo, a pandemia nos desafia a pensar e agir de forma coletiva, ainda que afastados fisicamente. Os estudos publicados em revistas científicas a partir dos casos da China e da Europa mostram que a mortalidade da Covid-19 é muito maior nos pacientes idosos, em torno de 14%. Por si só, o idoso tem diminuição de reserva funcional e consequente queda da imunidade, que é essencial para combater esse e todos os outros vírus. Soma-se a isso o fato de que, pelo desgaste dos longos anos de vida, o idoso é o paciente que mais sofre de doenças crônicas.

Diabetes, disfunção renal, doenças pulmonares e cardiopatias estão entre as mais perigosas para o desenvolvimento de casos graves de Covid-19. Todas as fragilidades, porém, merecem a atenção adequada e o quadro de cada um deve ser considerado, sempre, em sua integralidade.
Idosos não devem ir a prontos-socorros a menos que estejam realmente em situação de emergência. A zona cinzenta sobre a regulamentação da telemedicina em nosso país precisa ser rompida para que instituições privadas e públicas consigam fazer a triagem a distância e orientar as famílias dos grupos de risco caso a caso. Evitar deslocamentos desnecessários ao comércio e a atividades sociais é medida para ontem, assim como o contato com qualquer pessoa que não more na mesma casa.
As crianças são vetores de alto potencial para a transmissão do vírus, pois não têm a maturidade suficiente para reforçar os hábitos de higiene e estão muito habituadas a dinâmicas naturais para elas de compartilhar objetos e alimentos. Com o fechamento das escolas, os responsáveis não podem negligenciar essa realidade e deixá-las sob os cuidados de idosos ou em contato frequente com eles.
Os avós desempenham papel fundamental na rede de apoio a quem tem filhos pequenos, mas, neste momento, os idosos é que precisam da ajuda de todos para não serem expostos a uma doença que pode ser letal. A sociedade precisa compreender isso e cada um de nós, em suas esferas de relações profissionais e pessoais, deve se atentar para os desdobramentos que permeiam uma situação tão inusitada quanto dramática. Vamos reprogramar nossas rotinas e cada decisão do nosso dia a dia para nova configuração adequada a quem depende do nosso olhar neste momento.
Em cada lar onde há alguém do grupo de risco, a higiene e a restrição de contatos com pessoas que usam transporte público ou atuam em ambientes hospitalares, além das crianças, precisarão ser rigorosas. Isso vale para as instituições de longa permanência de idosos, que são mais de 1,5 mil somente em São Paulo e muitas das quais contam com pouca estrutura e nem sequer têm acompanhamento médico diário. Os órgãos de saúde responsáveis precisam, de forma muito ágil, orientá-las e regulamentar medidas preventivas emergenciais. A demora que se vê é mais um indício de marginalização das pessoas que vivem ali.
As orientações podem mudar em tempo real. Estar atento a elas, fugindo das crenças fáceis e das fake news, é outra medida preventiva a adotar. Não se acomode esperando que alguém faça algo ou que as próprias pessoas dos grupos de risco, ainda que sejam ativas, possam lidar com tudo isso sozinhas. Quem está lendo este texto agora certamente recebeu o cuidado e o zelo para chegar até aqui. Precisamos retribuir a atenção e carinho aos nossos pais e avós. Legados se constroem com exemplos bons e consistentes. Já pensou quem poderia cuidar de nós se o amanhã fosse hoje?
* DrJoão Paulo Nogueira Ribeiro, Médico Geriatra, fundador do Instituto Horas da Vida.
Fonte: Correio Brasiliense

Carlos Madeira, juiz federal aposentado, defende suspensão das eleições municipais de 2020 e utilização do fundo partidário para o combate ao coronavírus

José Carlos Madeira defende a suspensão das eleições municipais e a relocação dos recursos do fundo partidário para os órgãos de saúde do País.

O juiz federal aposentado, José Carlos do Vale Madeira, é pré-candidato a prefeito de São Luís pelo partido Solidariedade. Nesta quarta-feira, 18, em suas redes sociais, o pré-candidato defendeu a suspensão das eleições municipais deste ano.

Segundo Carlos Madeira, diante da pandemia do coronavírus é prudente a completa reformulação do calendário eleitoral. “Esse assunto somente poderá ser tratado por norma constitucional, mas uma Emenda à Constituição pode ser encaminha ao Congresso para modificar a Constituição Federal e prorrogar os mandatos dos atuais prefeitos e vereadores por seis meses, ficando designadas novas eleições para o primeiro semestre de 2021”. Acrescentou Madeira.

Em sua postagem, o juiz aposentado Carlos Madeira, também disse ser favorável a realocação dos recursos do fundo partidário para os órgãos de saúde do País. “Nesse momento dramático vivido pelo País, todos os esforços e recursos financeiros devem ser voltados para proteger a saúde das pessoas, sobretudo dos mais pobres” ponderou.

Carlos Madeira finalizou sua postagem dizendo que devemos todos nos unir, superando convicções políticas e ideológicas e que a união pela saúde e pela paz será decisiva para enfrentar esse momento terrível da história da nossa história.

As eleições gerais deveriam ocorrer somente em 2022. Pelo visto, não há clima para realização das eleições neste ano. Considerando que a proposta de declaração de calamidade pública, votada ontem (18) pela Câmara de Deputados prevê que o estado de calamidade deve durar até 31 de dezembro. Como as eleições ainda são presenciais, ao que tudo indica, não há condições de realização do sufrágio neste ano de 2020.

Fonte: Central de Notícias

Petrobras anuncia redução de preço da gasolina, do diesel e do gás de cozinha

A Petrobras anunciou, nesta quarta-feira (18), a redução nos preços do litro da gasolina, em 12%, do diesel, em 7,5% e do gás de cozinha (GLP), em 5%. Os valores referem-se aos produtos vendido pelas refinarias da estatal e valerão a partir desta quinta-feira (19).

Resta saber se esses preços serão reduzidos aos consumidores, dependendo da carga tributária incidente sobre a cadeia de distribuição dos combustíveis, principalmente do ICMS de competência dos estados e Distrito Federal.

Os valores finais aos motoristas dependerão de cada posto e distribuidor de GLP, que acrescem impostos, taxas, custos com mão de obra. Além disso, o mercado brasileiro é baseado na livre concorrência, fazendo com que cada empresa cobre o que achar melhor, segundo explica a Petrobrás.

“Os preços para a gasolina e o diesel vendidos às distribuidoras têm como base o preço de paridade de importação, formado pelas cotações internacionais destes produtos mais os custos que importadores teriam, como transporte e taxas portuárias, por exemplo. A paridade é necessária porque o mercado brasileiro de combustíveis é aberto à livre concorrência, dando às distribuidoras a alternativa de importar os produtos. Além disso, o preço considera uma margem que cobre os riscos (como volatilidade do câmbio e dos preços).”

Fonte: Agência Brasil

Câmara dos Deputados aprovou decreto de calamidade pública para ações de combate ao Coronavírus

A declaração de estado de calamidade pública é uma medida inédita em nível federal. A mensagem presidencial nº 93/2020 prevê a decretação de estado de calamidade pública até o dia 31 de dezembro de 2020.

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou na noite desta quarta-feira (18), por votação simbólica, o pedido do governo federal para declaração de estado de calamidade pública no país.

O projeto será encaminhado para votação no Senado e precisa de pelo menos 41 votos para ser aprovado. Na mensagem, o governo pediu que seja dispensado de atingir a meta fiscal, entre outras medidas, para combater a pandemia.

O governo argumenta que a medida é necessária “em virtude do monitoramento permanente da pandemia Covid-19, da necessidade de elevação dos gastos públicos para proteger a saúde e os empregos dos brasileiros e da perspectiva de queda de arrecadação”.

Para fins de início do combate do Covid-19, já houve a abertura de crédito extraordinário na Lei Orçamentária Anual no importe de mais de R$ 5 bilhões, conforme Medida Provisória nº 924, de 13 de março de 2020, longe de se garantir que tal medida orçamentária seja suficiente para dar cobertura às consequências decorrentes deste evento sem precedentes.

A decretação do estado de calamidade pública terá tramitação semelhante a caso de intervenção federal.

Fonte: Agência Brasil

General Heleno informa que testou positivo para coronavírus

No Twitter, o ministro disse informa que: “o resultado do meu segundo exame, realizado no HFA, acusou positivo. Aguardo a contraprova da FioCruz. Estou sem febre e não apresento qualquer dos sintomas relacionados ao COVID-19. Estou isolado, em casa, e não atenderei telefonemas”.

 Augusto Heleno Ribeiro Pereira é 16º integrante da comitiva que acompanhou o presidente Bolsonaro aos EUA a contrair a doença. Atualmente ele é chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República. Ele está com 72 anos de idade, portanto, enquadra-se no grupo de risco.

Censo é adiado para 2021 por avanço do coronavírus

O Conselho Diretor do IBGE decidiu hoje (17) pela suspensão da coleta domiciliar presencial da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), considerando o quadro de emergência da saúde pública causado pelo COVID-19 e as orientações do Ministério da Saúde.

Em breve, o IBGE anunciará o novo cronograma do Censo Demográfico. Segundo informações, o próximo Censo terá como referência 31 de julho de 2021 e a coleta será realizada entre 1º de agosto e 31 de outubro de 2021.

O concurso para 208 mil vagas anunciado para a realização do Censo foi suspenso. Os candidatos que já fizeram o pagamento da inscrição serão reembolsados.

Fonte: IBGE