Um olhar da Comunidade de São Raimundo sobre a realização do 2º evento de Resgate de Brincadeiras Culturais

No último domingo, dia 10 de outubro de 2021, a comunidade de São Raimundo realizou o Segundo Evento de Resgate de Brincadeiras Culturais em homenagem ao dia das crianças.

O evento consiste em um projeto concebido pelos idealizadores da Comunidade: Otávio Oliveira Silva, mestrando em Cultura e Sociedade (UFMA) e professor de Filosofia da Escola Carneiro de Freitas e Nilton Silva Azevedo, líder comunitário, em colaboração com Dauriane Silva Azevedo.

O objetivo do projeto, segundo os idealizadores do evento, é preservar a memória das brincadeiras culturais (tacobol, peteca, dama, baralho, passa a pedrinha, ciranda cirandinha, anjo bom, anjo mau, corrida de saco, rouba-bandeira, queimada, etc) e compartilhar os saberes entre as diversas idades em torno das memórias “esquecidas ” sobre as brincadeiras culturais.

Por que esquecidas? Na percepção dos idealizadores do evento, as brincadeiras culturais estão se perdendo no tempo, isto é, entrando em processo de esquecimento, o maior inimigo da memória. Pois, em razão do próprio processo de mudança cultural imposto pelo capitalismo, as pessoas da Comunidade são obrigadas a se dispersarem para outros lugares em busca de trabalho, deixando suas raízes (memórias) perdidas no tempo, de modo que, esse processo impede o compartilhamento de saberes.

Além disso, entendem que a tecnologia e redes sociais usadas em excesso estão prejudicando a concentração das crianças, a interação social e, portanto, o compartilhamento de memórias e saberes. Não se trata de ser contra a tecnologia, não é esse o caso, porque ela é uma ferramenta de ajuda criada pelo homem, porém, seu uso em desmedida prejudica nossas relações, na medida em que, em vez de nos aproximar e nos tornar melhores, ela nos afasta.

Por isso, a intenção dos idealizadores, por meio do compartilhamento de memórias e saberes das brincadeiras culturais, é transformar o evento em tradição, possibilitando o reavivamento do Espírito infantil que existe em cada um de nós.

Os idealizadores do evento contaram com o apoio de vários colaboradores, além dos membros da própria comunidade, pessoas de fora, que contribuem para o sucesso do evento, tais como Diego Nunes e Ana Cléres, ambos membros da Academia de Letras, Ciências e Artes Perimiriense (ALCAP) e Sargento César, que são os apoiadores chave do evento, a quem os idealizadores agradem a parceria e o apoio, sem o qual não seria possível manter a qualidade do trabalho realizado.

Além destes, a comunidade o evento contou com a ajuda do Vereadores Joubert de Peri-Mirim, os secretários Eduardo Tupinambá da pasta de Agricultura, o secretário Frank da pasta de Cultura, Elitânia, secretária da Assistência Social e o Vereador da cidade de Palmeirândia Brígido Djalma, e a mestranda da Universidade Federal de Goiás em História, Juliana Araújo.

Deixe uma resposta