Um amor e duas irmãs

Por Ana Creusa

Uma das irmãs estava em uma barraca de vendas de sorvetes da sobrinha, com a bolsa pendurada no encosto da cadeira. Saiu para ajudar levar os apetrechos da barraca para guardar em um shopping próximo. Quando retornou, haviam furtado a sua bolsa. Sem celular e sem dinheiro, aceitou carona de um dos feirantes.

Mal saíram do local, a moça pediu ao motoqueiro que parasse:

–  Se meu namorado souber que eu peguei carona, termina o namoro na hora!

Desceu da motocicleta e foi caminhar pelo shopping, acreditando encontrar alguém conhecido, pois aceitar dinheiro para o transporte, também era impensável.

Parou em um salão de beleza, lá encontrou sua irmã, fazendo depilação. As duas ficaram em mesas próximas, para conversarem em linguagem cifrada que ninguém entendia, nem que estivesse atento.

Logo depois, chegou o namorado de uma delas. Não se sabe como, mas ele entrou na sala de depilação e viu as duas em trajes menores. Falou com ambas, com aquele vozeirão de locutor de rádio: – espero vocês lá fora! As duas retomaram a conversa, mas o assunto era outro, recaía sobre o namorado de uma delas.

Comentavam sobre as características físicas e caráter daquele homem singular. De vez em quando falavam juntas: – que homem! – Não sei como ainda está solteiro? A escolhida do rapaz dizia: – o que ele viu em mim? A outra consolava, e assim terminaram a depilação, saíram e se deparam com aquele homem digno de contos de fadas.

No caminho, reencontraram a sobrinha, depois da guarda dos materiais da barraca. Ela caminhava com dificuldade carregando os seus pertences pessoais e se encaminhava à parada de ônibus. As duas irmãs resolveram ajudá-la, juntamente com o namorado.

Foram encontrando mais pessoas conhecidas, que formavam um aglomerado para acompanhar a menina. Naquele momento, o casal de namorados ia na frente conversando. De repente o rapaz disse: – vou ajudar a menina, e fez caminho de volta. A namorada ficou desajeitada com o abandono, mas seguiu em frente.

Curiosa, olhou para trás e viu que o rapaz conversava alegremente com sua irmã. Achou estranho, mas nada para se preocupar, confiava na irmã.

Caminhando sempre à frente encontrou seus colegas de faculdade, César e Anderson que eram amigos do seu namorado, parou para lhes relatar o ocorrido e eles disseram uníssono: – bem feito, você não ligava para o coronel, ele foi procurar outra. Ela respondeu: – precisava ser minha irmã?

O restante da história todos podem deduzir, só não podem imaginar que houve intriga entre as irmãs, apenas falavam: coisas do amor.

Essa história aconteceu em uma noite de sábado. As duas irmãs agora são avós. Quem teve o sonho se sentiu jovem novamente, só não teve a sorte de ter sido a escolhida do príncipe encantado.

Deixe uma resposta