FORMAS DE PESCARIAS NA BAIXADA: heranças históricas de um povo

Autor João Carlos da Silva Costa Leite

 Resultado da miscigenação dos três povos que constituíram  a nação brasileira: o branco (português, algumas pinceladas de árabes, os carcamanos); o negro (trazido a força do continente africano como escravo); e o indígena (nativo), o  baixadeiro tem no seu DNA, na sua origem, elementos desses segmentos étnicos em atitudes sociológicas, políticas, filosóficas,  etc…

 Dessa forma, quando assistimos o jeito singular de um conterrâneo  nosso  quando fala, comercia, executa  atos artísticos/culturais, vemos ali representado  pelo menos 400 anos de sincretismo histórico.

 Poderíamos citar inúmeras manifestações populares que comprovam  essa assertiva, no entanto, falaremos apenas de uma, que traz no seu bojo, as linhagens bem representadas e delineadas: o bumba meu boi, especialmente o de matraca, tão comum a nós.

As índias e o cazumba, espelham o componente  autóctone; o amor desmedido  de pai Francisco por  Catirina, sua obsessão em   presentear   a amada  com a língua bovina, mostram os portugueses; e a batida rítmica das matracas, tambores, refletem o povo que aqui chegou como escravo, os africanos.

A mãe natureza contemplou este  torrão  – refiro-me aos 21 municípios da Baixada Maranhense, bem como os 13 do Litoral Ocidental -, de vasta e bela rede fluvial, lacustre, marítima, sem paralelo no Estado, transformando-o num verdadeiro manancial, onde a água e a piscosidade acontecem com magnifica intensidade. Além disso, lagoas, campos inundáveis, rios temporários, perenes, igarapés, charcos, riachos, pântanos, poções etc. unem, desembocam, interligam, conectam-se, durante o período invernoso (de janeiro a julho), convertendo uma imensa faixa da  região em estrada liquida.

Desse ambiente resultam extraordinária variedade de peixes, crustáceos, mariscos.  Para ter acesso a estes, prendê-los, transformá-los em apetitosos pratos, matar a fome, o morador usa de uma infinidade de ardis, que por si só traduzem a inteligência, astucia, perspicácia, sagacidade, desse povo abençoado por Deus.

Resgatarei a seguir   essas ferramentas de aprisionamento.

 

PESCARIA DE FLECHA

 Não cheguei a ver, mas tive informações que foi muito utilizada nos lagos Aquiri, Itans, Museu,  capturando  curimatás, pescadas, pirapemas (camurupins), aracus, surubins, enormes traíras.

Praticada durante  anos, hoje não é mais exercida. Usava-se uma flecha (planta nativa,  com  pequena parecença   da   cana de açúcar), de composição muito leve. Na ponta um arpão, enrolado por um arame fino. Podia ser jogada pela força do braço, ou  empregando um arco de jeniparana.

 

PESCARIA DE ANZOL

 São  várias as maneiras  de alcançar  peixes com   anzol:

Bagrinhos. Chamados de capadinhos em Arari, e  anojados em  outras cidades. Sua colheita  é feita durante o inverno, nas áreas de campos inundáveis, quando as muitas águas invadem os territórios apinhados de pés de araribas, criviris, aningais, marajazaisalgodoais, (algodão do campo).

 É efetuada  a noite, em canoas. Com caniço pequeno e linha curta, sem estrovo ou chumbada. O chamariz  é o bicho de tucum ou de coco babaçu, essas larvas de um tipo de besouro, da família dos bruquídeos, também são intituladas  gongo.

 Começa  no lusco fusco do dia, quando já vai anoitecendo, a escuridão tomando conta do ambiente, pois se ainda houver claridade, as sardinhas, piabas e piranguiras não deixam o cevo em paz. A canoa com no máximo três pessoas (o ideal são duas, um na popa, outro na proa), embrenha-se sob  crivirizeiros, araribeiras, marajazais, ou mesmo no limpo, entre o algodoal do campo, folhas de gapeua, pés de  junco, capim, mururu. Levada por alguém que a dirige da popa, com remos ou varas,(dependendo da fundura), sendo orientado  pelo canoeiro  que segue na proa, o proeiro.

Confecciona-se  pesqueiros, e as eventuais presas são chamadas com a tradicional batida na água, complementada com o esmagamento de dois ou três bichos de tucum, de preferência já bem vinhosos. Quando por sorte consegue-se achar bons cardumes, é possível em pouco tempo arranjar-se bastante deles, chegando a encher a embarcação.

Outro  modo  de pescaria de anzol onde os bagrinhos    aparecem, ocorre   nos igarapés ou rios. A isca é a mesma, o horário idem (noturno), a diferença é que nessa esfera,   não são hegemônicos, mesclam-se aos deliciosos jandiás, eventualmente  piabas, piaus, mandis nobres, mandis rabo mole, os mandis lisos, (popularmente conhecidos por faz cagar, em função da descomunal dor causada pela furada de seus esporões), caranguejos de água doce, traíras, jejus.  Raramente sarapós e muçuns, que não são bem vindos, haja vista, sua propensão ao roubo dos  engodos.

Apronta-se com antecedência um local   à margem do igarapé, tendo a cautela de preparar mais um ou dois sobressalentes, pro caso do primeiro escolhido, não consegui suprir a demanda. Os caniços (geralmente de amejuba ou tauari), são compridos e a linha para o anzol bem mais extensa que a da pescaria no campo. Nesse item  encontramos ainda  a pescaria de jirau. Dar-se  quando as enchentes invadem áreas próximas aos igarapés ou rios, não deixando beirada para se sentar. Fabrica-se então o jirau.

 Enterra-se  no  mato inundado, quatro estacas de boa grossura, fixadas  numa distância de mais um menos um metro e meio. Depois são postas as travessas, com varas mais finas, produzindo o estrado. Neste são  colocadas folhas de palmeira, rachadas ao meio, ou de cauaçu da folha grossa. Ocasionalmente uma cobertura para livrar das chuvas. Alguns  mais perfeccionistas, põem dois andares, ou degraus, para uma melhor subida/ descida do recinto.

 Essas  maneiras    de pescar  de anzol acima elencados, são implementados  a noite, sem lua e chuva. A presença desses fatores afastam os peixes. Nesse aspecto então, quem os executa  de modo constante, precisa indispensavelmente   monitorar as duas atividades.

Destarte, não sair de casa quando o tempo está carregado, pressagiando   toró,  fazer o ato   até a saída da lua, nas horas iniciais da noite, ou quando esta iluminar fortemente, deixar para praticar   durante a  madrugada, como dizia papai, “depois que a lua se esconder,” torna-se um imperativo.

Piabas. A apreensão  destas   é desenvolvida  nos campos e igarapés, sempre durante o dia. Os caniços são mais flexíveis, linhas e anzóis confeccionados de agulha usada para coser roupas, entortadas no fogo brando de uma lamparina, para definir o contorno ideal.  A ceva pode ser pedaços minúsculos de carne, bichos de tucum partidos ao meio,  minhocas, (pescaria nos igarapés).

 No campo, obrigatoriamente  bolinhas  de farinha d’agua ou  miolo de pão. As vezes junto com as piabas, parecem  piranhas pequenas(piranguiras). Lógico que no campo utiliza-se canoas; nos riachos, igarapés,  aboleta -se  nas beiradas

Piabas de litro – É uma das formas mais lúdicas e aprazíveis de agarrar  esse gostoso peixinho. Recorre-se a  um litro, onde se retira o fundo, total ou parcialmente. Coloca-se um tampo, com um orifício onde estas possam entrar, e enterra-se a outra parte, normalmente pondo como isca  farinha seca ou bicho de tucum. Após algum tempo, vem-se mirar.

Acará preta –  Conhecida  como carambanja, em Arari e Vitória do Mearim, pescar acará preta  com anzol, dá-se na extremidade dos poções ou tesos, por entre os mururus ou algodão do campo.   Desempenhada com um caniço bem comprido, mais de dois metros, linha de boa dimensão. Usa-se minhocas coletadas cavoucando as bordas dos locais úmidos. É executada a pé, necessitando o pescador (ou pescadora, muitas mulheres    praticam ), entrar na água. Apanham-se  também  traíras e jejus.

 Citaria ainda a pescaria de piranhas, modalidade  bem perigosa, não recomendada  a  amadores. Consiste em instalar-se estrategicamente em local isolado, dentro de uma canoa, num silencio absoluto. Munido de  caniços compridos, geralmente de bambu, anzol com um estrovo reforçado,  um arame entre este e a linha, para evitar o corte pelos afiados dentes desse animal  voraz. São pegas  piranhas grandes, de vez em quando uma traíra,  um jeju, todos de bom tamanho. As iscas são pedaços de carne e vísceras de boi ou porco.

Jandiás – Aplicada  nos igarapés e  rios temporários, durante o dia. As iscas são minhocas ou bichos de tucum. Sai-se a caminhar pela beira  a procura dos peixes, podem ser encontrados ainda traíras, acarás pretas, jejus, piaus, piabas, muçuns e sarapós, esporadicamente, um bagrinho ou outro, perdido durante o dia.

Ocorre ainda    método análogo, que chamaríamos de água toldada ou “tordada”, no linguajar mais simples. Compreende em mexer na terra por onde passa o igarapé,  riacho, na porção de cima, tornando-a turva (ou suja), correndo rapidamente na direção baixa da corrente, e lançando o anzol já previamente pronto para enquanto durar a toldação,  pegar o maior número possível de peixes, normalmente jandiazinhos. Podendo ainda atingir   bagrinhos, traíras, jejus, atordoados pela  turves da  água . Essa operação será refeita mais vezes e em outras partes, após  a limpidez retornar.

Linha – Um carretel de fibra de nylon com anzol chumbado é jogado das margens do rio Mearim, em Arari e Vitoria; Pindaré em Monção, Cajari. No lago Aquiri na parte relativa a Viana, (não é uma prática em Matinha), próximo ao Poção do Engenho. Também  vi pessoas pescando dessa forma às margens do Pericumã em  Pinheiro; e Turiaçu, Santa Helena.

 Na ponta do anzol, camarão de água doce, carne ou outro peixe pequeno. Levada pela correnteza, a isca  pode trazer no seu engate surubins, mandis, bagres do rio, (não confundir com bagrinho), que é  uma  espécie de uritinga da água doce, mandubés pembas ou mandubés sapos, lirios, carraus (corrós), boi acaris, (bodós).

Corda –  Bastante empregada  no rio Mearim. Expressa-se na concepção de uma corda trançada e  grossa, dessas usadas por barcos ou  navios( Arari possui  muitos trabalhadores  marítimos), que será esticada da margem do rio para dentro deste. Nesta  de 80 em 80 centímetros, é amarrado um cordel de linhas mais finas com um metro de comprimento e um anzol grande.  Na outra ponta da corda grossa (a de dentro do rio), ficará uma poita, (ancora) bem pesada para segurá-la contra a correnteza, outras poitas mais leves e menores serão fixadas na corda principal, para mantê-la abaixo da superfície, mas sem afundar muito. A ponta da margem será atada a um galho de ingá ou aninga grossa, em não havendo, enfia-se um mará ou vara profundamente no solo fofo, e amarra-se a ponta  neste.

As   iscas  são geralmente piabas, pacus, camurins(dorme na sala), cascudos, e ainda vísceras de boi. Podem ser capturados surubins, bagres do rio, camurins,(robalos), pescadas do rio, mandubés  (pembas e sapos),pirapemas, dentre outros.

 

PESCARIA DE CHOQUE.

 Choque ou socó, é uma armadilha montada  com talos retirados da madeira marajá, uma palmeira espinhosa que existe nos pântanos baixadeiros, ou em menor escala com varinhas normalmente de papa terra, uma espécie de árvore, também com espinhos, só que mais volumosos, em que mesmo o mais fino ramo é bastante duro e resistente. Está atualmente quase extinta.

 Assim como  o  anzol, existem várias maneiras de pescar de socó:

Camboa no limpo – Efetivada  em área onde inexiste mato, mururus, etc.. chamado de limpo, geralmente  por mais ou menos vinte pescadores, que saindo um para a direita outro para a esquerda, combinam em formar um círculo, a camboa.  O circuito vai se fechando gradativa e vagarosamente, deixando os peixes que tiveram o azar de serem achados nesse espaço, confinados. Com isso facilitando suas capturas.

É uma  forma bem perigosa  de pesca, concomitantemente proveitosa. Pois é possível, devido estarem cercados, apanhar copiosos e diferentes tipos  de peixe.  Ao  serem sitiados, animais como o jacaré, cobras rabo seco e o poraqué,(peixe elétrico), além da edaz   piranha vermelha e  a não menos destrutiva  piranha ambeua, de cor branca, viram verdadeiras feras enjauladas.

Inúmeros  peixes são pegos: arangaus, peixes – cachorro, piranhas, pacus, curimatás, surubins, tubis, sarapós, traíras, acarás pretas, acarás pitanga, calambanjes, pirapemas, piaus, jejus, peixe sabão, branquinhas,(tapiacas), mandi tatu,(mandi rato), jandiás, bagrinhos, boi acari, carrau, cascudos, violas, dentre outros.

Camboa no matoTambém chamada de pesca puxando mato. A organização é quase igual da forma  anterior. Faz-se  uma coluna   de pessoas, que escolhem determinada área a ser atingida, como se fosse um eito na  roça. O pelotão passa então a puxar o mato (plantas aéreas) mururus, dando a possibilidade ao   socó ser afundado.

A cada choqueada, a mão tem que ser posta dentro deste, pois diferentemente da modalidade  no limpo, onde os peixes estão em águas menos turvas, portanto mais passiveis de se debater, ao serem alcançados; devido aos balcedos, e barros existentes no terreno, mesmo estando presos, não se sente as batidas    nas talas

A operação se encerra, quando a meta  anteriormente definida, é alcançada.  Volta-se  para onde começaram realizando  uma espécie de rescaldo na zona ocupada, pois devido ao grande número de mato, balcedo e barro, muitos peixes  passaram despercebidos, enterrando-se. Essa ação, algumas vezes consegue ser mais efetiva que a primeira.

A variedade de peixes encontrados nesse tipo de pescaria são todos os elencados na parte relativa a pescaria de camboa no limpo, exceto os chamados peixes brancos. No mato estes  não transitam.

Choqueando a esmo. Uma, duas, três ou mais pessoas saem no meio dos poções  choqueando  sem rumo  definido. Serve tanto para o limpo como para o mato.

Temos ainda a pescaria solitária puxando mato, por  entre os mururus e pés de aninga. As vezes cortando, outras puxando, e choqueando no espaço vazio. É sempre necessário  a cada descida do choque na água, que a mão entre na armadilha, para comprovação de se algum peixe foi coberto, como já foi explicado antes.

Miminga. A partir do mês de agosto, quando os poções começam a separar-se   podemos observar o   fenômeno da miminga. Que é o ato de respiração do peixe, no fundo d’agua, refletido em borbulhas de ar que sobem a superfície.

 Antes que o vento caia, entre cinco e seis da manhã, um exímio pescador, em canoa ou a pé, com um socó na mão, observa os locais onde as erupções aparecem, quando as vê, de modo mais silencioso possível, enfia a armadilha. Não dá outra, embaixo estará uma  traíra.

Corre mão. Em fevereiro ou março, quando as chuvas se intensificam, e águas começam a invadir o capim de marreca, iniciando a piracema,  observamos um dos mais belos modos de pescar.

 Tendo o socó apenas como coadjuvante, o pescador invade silenciosamente a área, e ao ver  as espumas, sinal de que ali está se desenvolvendo um procedimento de reprodução, consegue com a mão, agarrar a presa. Esse mesmo processo é executado nos meses do abaixamento, desta vez claro, sem a babugem da piracema, e contando só com o sentido do tato e a capacidade de se manter em silencio.

Tive o privilégio de conhecer dois ases nesse tipo de pescaria: Lauro, meu irmão e Nézio  dos Santos, apelidado de Jaburu. Era empolgante vê-los entrar no campo, só com o socó e o cofo na cintura, depois largavam-no, e  saiam agachados, as mãos na água.  Logo aparecia como num passe de mágica uma traíra. Em pouco tempo, o cofo estava cheio.

PESCARIA DE GAIOLA.

 Muito comum no lago Aquiri. Prepara-se uma armadilha que será posta no  lago, em áreas não muito fundas, denominadas gaiolas. Seu  tamanho é de mais ou menos um metro de altura com 50 centímetros de circunferência. Geralmente confeccionada de  talas de buriti, palmeira ou anajá.

Possui dois dispositivos de entrada: uma na parte de cima onde os peixes são introduzidos, induzidos pela ceva posta dentro  da trapeira, feita com talinhas  de folhas de palmeiras, anajás, pontiagudas nas partes que ficam no interior, permitindo só o acesso  da presa, e impedindo a saída  devido as pontas afiadas. Na parte relativa as talas sobrepostas na vertical, prepara-se um janela que terá duas serventias: permitir a colocação das iscas, bem como a retirada dos peixes aprissionados.

Utiliza-se : vísceras, ou qualquer outra   coisa que escorra sangue, visando pegar especificamente piranhas, especialmente  as vermelhas grandes;  cupim, para pegar aracus, surubins, mandis, bagrinhos, mandubés, lirios…etc..

PESCARIA DE TAPAGEM.                                                                                                     

Basicamente são duas as formas de tapagens.

Nos igarapés ou rios temporários. Os rios que cortam a Baixada, em sua maioria são ocasionais. Contam-se nos dedos os  perenes existentes, de Arari a Alcantara. Em Matinha não há nenhum, ou poderíamos citar os rios do Jenipaí ou Tamataí, que são córregos dentro do lago Aquiri, numa área fronteiriça entre Matinha e Viana e que se “recusam” a secar, mesmo nas estiagens mais inclementes.

Acontecem  quando se iniciam as chuvas do inverno ou período chuvoso, final do mês de dezembro, primeiros dias de janeiro, ou no mais tardar,  começo de fevereiro, tudo dependendo do rigor das águas caindo.

Os leitos dos igarapés, antes poeirentos, agora escorrem o precioso líquido.  Aproveitando-se disto,  prepara-se  dois troncos longos e grossos, que possam abarcar ambas as margens do igarapé. Nestes são apostas folhas de pindoveiras ( palmeiras jovens de babaçu), de modo a não permitir que os peixes impulsionados pelas primeiras chuvas, e subindo o rio para desovar, passem.

No amago das  folhagens são abertos, dependendo do espaço entre as duas barreiras, buracos para a  colocação  dos manzuás ou monzuás, e  matipis. Armadilhas preparadas com material das próprias folhas das pindoveiras.

Os monzuás, são fabricados  da parte central destas palmeiras, as   mais jovens. Põe-se dois arcos, frequentemente  de jeniparana, numa espécie de cano, mais aberto na parte de cima e fechando-se nas pontas, podendo a água entrar e sair. O peixe, não.

São situados  em direção  oposta a  correnteza, com duas funções precípuas: permitir  ao líquido  escoar  velozmente,  encontrando  espaço para atravessar, consequentemente evitando a derrubada  da barragem, e, segurando  no seu bojo alguns  peixes que porventura estejam descendo o rio.

Os matapis, também são confeccionados por folhas do mesmo material dos monzuás, só que desta vez das pindoveiras mais antigas, chamadas palmiteiras( que já podem dar palmito), ou xacheiras, normalmente ainda não tendo chegado na  condição de palmeiras, as que já produzem  cachos.

Construídos a partir da retirada de talas cortadas  cuidadosamente com uma largura mais ou menos de dois dedos, que são sobrepostos sobre dois arcos de jeniparana, bem encostadas de modo a não permitir que passe nada, formando uma espécie de barril, um pouco mais comprido.

No lado da cima, no arco da boca, são amarrados pedaços pontiagudos de mais ou menos um palmo, denominados espeques, que saem abertos e se fecham nas partes acuminadas, objetivando a  fácil passagem e não permitindo  retorno dos peixes. As pontas das talas são amarradas por cipós ou caranãs. É por essa passagem que os peixes são soltos.

Essa armadilha é posta na tapagem de modo inverso ao manzuá, ou seja, contra a correnteza, para poder  pegar os peixes que estão subindo o fluxo d’água para desovar.

Quando as enchentes são intensas, as tapagens nos rios estendem-se para além do leito original. Na perspectiva de evitar a passagem dos peixes, são feitas barragens dos dois lados, chamadas de bamburral. Nesses espaços normalmente não se utiliza matapis, já os monzuás, são  usados. O objetivo, como já falado, permitir o escoamento da água.

Os peixes capturados: jandiás, bagrinhos, traíras, jejus, matapiris, piabas, piranhas, caranguejos, cascudos, piaus, acarás preta, peixe cachorro, sarapós, tubis. Esporadicamente muçuns e poraqués, podendo  ainda   aparecer  cobras ou jacarés.

Nos Campos ou lago Aquiri . Hoje em dia mais raras.  Consistem em cercar com varas de madeiras finas, ou talos de folha de palmeira, uma área dentro lago. Normalmente uma enseada, onde são colocadas gaiolas, e matapis para recolhimento dos peixes.

 Nesse  tipo de tapagem não são usados monzuás. Como o número de  presas é muito grande, e as gaiolas são miradas (olhadas)  durante a noite. É preparado um local, um viveiro, onde os estes  ficam a espera dos compradores, sem sofrer deterioração. Temos ainda uma área   denominada     curral.   Montado ao lado da tapagem,  serve para guardar os peixes grandes.

 As tapagens no campo são feitas em áreas já previamente delimitadas,  Ocorrem  em córregos propensos a  secar mais devagar que as outras partes, onde a água se espalha.

Os peixes pegos são: curimatás, pirapemas, tapiacas, arangaus, surubins, pescadas, peixe cachorros, aracus ,piabas, matapiris, pacus, mandubés, calabanjes, piaus, piranhas (ambeuas e vermelhas) mandis (tatu, amarelo,) jandiás, no âmbito dos peixes brancos. Trairas. Jejus, acará pretas, carraus, cascudos, boi acaris, (bodós),violas, tubis, sarapós, bagrinhos;  peixes pretos. Fortuitamente,  arraias, jacarés, poraqués, cobras.

PESCARIA SECANDO POÇA

Acontece sempre no abaixamento, que é a partir do mês de julho. Quando as chuvas vão rareando, e os riachos secando pela evaporação.

Consiste basicamente na  construção de  contenções, ou desvios, em alguma parte do rio, isolando uma parte mais funda ou poça . A partir da retenção do fluxo, passa-se pra dentro do reservatório com latas, cuias, baldes, objetivando diminuir o máximo possível o volume d’água. Normalmente, essa água é jogada para frente da poça.  Após algum tempo, os peixes já embriagados, sem oxigênio, começam a aparecer e são pegos.

Na captura são usados os mesmos materiais com que foi efetuado o processo de retirada da água, alguns utilizam ainda landruás, uma espécie armadilha feita de fios de náilon, parecido com um saco de coar café.

Esses ambientes  quase sempre possuem locas, buracos que se  estendem por baixo das barreiras, onde os peixes maiores e mais perigosos, bem como poraqués, jacarés, cobras, vão se instalando, a partir da diminuição da água. Aí é necessário usar um cofo, um facão ou os próprios braços, para buscar a caça e consequentemente em havendo outros animais, ter contato com estes.

Pescaria de cofo. Uma variante da forma  falada acima, é a pescaria com cofo. Segue-se quase o mesmo princípio das outras  fases, mas ela acontece com mais assiduidade quanto os rios já estão com suas poças apartadas, ou seja, alguns locais no leito, já estão completamente secos.

Usa-se um cofo grande, de boca bem larga, coloca-se algumas folhas de murta ou cauaçu, e arrasta-se o mesmo dentro d’água, explorando sempre as barreiras. Após  algum tempo, ergue-se o aranhol, arrastando para a parte   seca. A água então escorre, deixando sob as folhas o capturado.

A operação é refeita quantas vezes forem necessárias, ou até  que não tenha mais peixes no local.

PESCARIA DE TARRAFA.

Tarrafas são ferramentas de nylon ou fios de algodão (hoje muito raras),  utilizadas para o aprisionamento de peixes. São produzidas  em tamanhos diferentes, algumas chegando a ter a altura de um homem com o braço para cima.

 Poderíamos chamá-las de um recipiente  comprido de boca larga e circulada  na parte de baixo por canículos de chumbo, objetivando sua descida mais rápida.

Na boca destas  existe o saco, um traçado especial, que enrolado ao chumbo em formato de pequenos dutos, evita a fuga dos  peixes, quando da sua  emersão .

Na parte de cima, uma corda fina, de variados tamanhos,  proporcional ao seu  dimensionamento. Prende as malhas no  centro de junção, e é utilizada para jogar a armadilha sobre as águas.  É subdividida  em malhas. Quanto mais largas, peixes maiores serão pegos. Em Arari e Vitoria do Mearim, existem as camaroeiras, peças especialmente preparadas para  camarões  do rio Mearim, suas malhas são muito próximas umas das outras.

Camboa de tarrafa – Praticada no lago ou em porções  onde a água é limpa, sem matos. Segue o padrão das camboas, incluindo o componente canoa. Um grupo de indivíduos  saem uns para a direita e outros para a esquerda até formarem um círculo.

Após,  dois homens, um na popa, a parte de trás, o  popeiro, conduzindo a embarcação com  remo ou  vara; na proa, o proeiro, em pé segurando a tarrafa, e a jogando na água de tempos em tempos.

Então, esta é retirada e posta para dentro da embarcação, onde eventuais peixes aprisionados  são retirados. Volta-se novamente a postura  anterior. Tudo isso   é  simultaneamente sincronizado, e o circuito  sendo gradativamente fechado.

 A visão das tarrafas singrando os ares harmoniosamente, com seus silvos característicos, os raios de sol incidindo nas malhas, descendo vagarosamente sobre as águas, e seu  consequente retorno  à tona, tremulante de peixes. É um espetáculo fascinante.

Uma variante desse método, é denominada de pescaria de  ponga. Os canoeiros implementam o arco,  num tamanho que proporcione a todos participarem, as embarcações vão de forma equitativa e coordenada, efetuando seu fechamento sem usar as tarrafas, mas batendo com as varas ou remos na água, de tal modo que os peixes cercados  ocupem   o centro do aro, então, numa posição onde podem todas  serem jogadas juntas, é efetuada apoteose  da pescaria.

Temos ainda  a pescaria de tarrafa  sozinho a pé.  O pescador, portando a armadilha, e um cofo na cintura, entra na água limpa,   e a vai jogando,” bazugando”.  É praticada   normalmente quando as águas já estão cortadas e são formados os poções.

A   pesca de canoa a esmo, é  empreendida  por duas pessoas,  as vezes por uma só, que sentada na popa da embarcação, faz ambas as  atividades de modo simultâneo: remar/ empurrar,   tarrafear.

Nas cidades  banhadas por rios perenes e lacustres,  também é consumada ficando os praticantes as margens, jogando e puxando a armadilha, sem  necessariamente    entrar na água.

Atualmente   nos milhares de açudes que foram abertos profusamente   para a criação   em  cativeiro, na região da Baixada. São pegos  peixes tanto  naturais quanto exóticos desse modo

 PESCARIA DE REDE

As redes são uma forma de pescaria extremamente predatória, pois possuem uma amplitude  muito grande de ação e dependendo do tamanho das malhas, é capaz  dizimar  com os peixes de determinada região.

Contendo  fibras de nylon, que são atadas a dois cordames paralelos de linhas do mesmo produto, em configurações  que dependem da fundura do local onde será efetivada a pescaria, as fibras formam quadrados de diversos tamanhos, denominados  malhas, que vão desde a malha número  dois,  onde mal cabe um dedo ,até a dez, doze, catorze, em rios ou lagos. Podendo ser maiores que  vinte,   nos açudes ou  mar. Essas redes são chamadas malhadeiras.  Quanto ao comprimento,   variam  de acordo com o local e a condição financeira do dono

 São  duas as  maneiras de pescar: a rede  fixa, e a rede de arrasto.

Existe um consenso que talvez nós nem expressemos, alguns por medo, outros por comodidade, por falta de conhecimento, ou plena ignorância: a pescaria com redes e extremamente predatória.

 PESCARIA DE ESPINHEL

Exercida  nos campos e lagos durante  inverno e abaixamento. É um  tipo de ardil que  pega quase exclusivamente traíras. Trata-se de uma mais belas formas de pescaria que conheço.

Começa com o corte de  pedaços da parte central da folha da palmeira seca, buritis, ou qualquer outra madeira  capaz  de boiar. Atualmente já usam pedaços de isopor, na  dimensão de  mais ou menos um palmo e meio,  faz-se um furo ou amarra-se firmemente no centro  um cordame  trançado  de nylon, um pouco maior que ele.

Na ponta solta do cordame, afixa-se uma  minúscula  tala  de marajazeiro, pontiaguda dos dois lados. Coloca-se  então piabas, pequenas acarás, camarões, como  iscas. Esse diminuto   aguilhão  de marajá faz as vezes de um anzol

As  peças são deixadas dentro d’agua aleatoriamente,  ao cair da noite. Logo cedo no dia seguinte, são  pegos   e jogados numa canoa de modo  indistinto, para posterior retirada dos  peixes aprisionados, bem como recolocar novas iscas para outro dia.

Devido o grande número  de espinheis,- algumas pessoas  podem ter mais de cem,- a possibilidade de  mistura entre a propriedade de  um ou outro  é constante.

Esse imbróglio foi superado de modo genial pelos nossos cidadãos:  é impressa  uma marca  própria em cada um deles. Desse modo ao levantá-los, já fazem a previa observação  sobre se  lhes  pertencem ou não. Assim, todos podem tranquilamente acessar suas próprias armadilhas, e não caírem na tentação ou “ esquecimento” de mirarem as que não são.

 

 PESCARIA DE PUDICA

Utilizada nos campos cobertos, esta forma de pescaria,  pela sua simplicidade, merece destaque: usa-se uma   mensaba,  artefato fabricado da palha do centro da pindoveira, ou palmiteira, a mesma matéria prima com que são confeccionados abanos e cofos, e que era bastante utilizada no passado como porta ou janela nas casas mais humildes.

Essas mensabas são amarradas umas as outras, formando um   assoalho, que é armado estrategicamente.  Mururus são postos  por cima das peças, de modo a camuflá-las. A partir daí, um  grupo de pessoas passa  a bater na água com varetas de embira ou urucum,  fazendo  muito   barulho, visando levar os peixes para dentro da pudica.

 Logo após, conjuntamente, cada um  com seu cofo na cintura, erguem  as mensabas acima da lâmina d’agua, permitindo o escoamento do liquido e deixando no seu interior os peixes que fugiram das batidas e gritos e ali buscaram refúgio, além do mato ou mururu que fora colocado anteriormente.

O próximo passo será  a retirada do mato, e  posterior  catação dos peixes  que ficaram. Sendo estes colocados nos cofos.

Pega-se os mais variados tipos de peixes, tanto os chamados peixes pretos, quanto, em menor escala, os brancos. Não os  citarei em função de já tê-lo feito  anteriormente.

 Acredito ser relevante falar que junto aos peixes, também aparecem cobras, poraqués e pequenos jacarés, necessitando muito cuidado quando da coleta, pra não sofrer acidentes.

Cabe registro  especial, a preocupação  com  as piranhas. Devido  essa pescaria se realizar no abaixamento, período em que as águas vão se evaporando, formando os poções que guardam uma infinidade de  piranhas. Estas, quanto mais tênue se torna a lâmina, mais perigosas ficam.

Para evitar seus ataques, muitos  pescadores vestem uma espécie de calça feita de sacos de estopa, um tecido bem  grosso que antigamente acondicionava os produtos  comercializados. No contato com a água, a estopa incha, e quando é mordida pela piranha, não consegue alcançar a carne.

 Por ser um modo de pescar que não exige muito esforço físico, em certos  momentos tornando-se até uma  brincadeira/ diversão, quando das batidas e barulhos na água, alguns aproveitam para jogar o precioso líquido  uns nos outros. A  pudica  tornava-se um evento peculiar, único, que permitia  a participação de famílias inteiras, dando uma característica de congraçamento comunitário.

Não cheguei a praticar, mas na minha memória de criança, ficou gravada a imagem de inúmeras  crianças, adolescentes, mulheres, fazendo muita algazarra, sorrindo, espanando água, quando da etapa de tanger os peixes para dentro das armadilhas.

 PESCARIA DE LUZ

 

A engenhosidade do baixadeiro não tem limites quanto ao quesito pesca. A pescaria de luz ou facho é a prova disto.

Acontece  no verão e inverno e é praticada sempre a noite, quando os peixes, que durante o dia ficam nas partes mais fundas dos rios,  igarapés, lagos e campos, aproveitam o soturno e encostam nas beiradas, para  dormir.

Usa-se uma luminária, acoplada a  um pedaço de madeira leve, já seca, de mais ou menos meio metro, sobre a lamparina uma  placa  de caranã, que é o involucro do palmito de babaçu.

A chapa  que envolve a lamparina, tem dupla função: proteger a chama dos ventos, não permitindo que se apague, e evitar o  ofuscamento,(incandiar) de quem está conduzindo, mais ou menos como se fosse um abajur.

Esse abajur/lucivelo, denominado “careta” também é, ou era, confeccionado com  de folhas de flandres, geralmente  de   latas de óleo para  cozinha.

 Praticada a pé, nas noites escuras, não faz muito sucesso quando existe luar. O pescador, com a luz a frente numa mão,  na outra um facão afiado, vai pé ante pé, caminhando a  d’água,  procurando  peixes dormitando. Ao identificá-los, desfere um rápido e mortal golpe, costumeiramente na cabeça, para não perder o corpo. Ato contínuo,  com o peixe já morto, recolhe-o ao cofo atado na cintura.

 É uma bela cena, digna de cinema, na limpidez da água, sob a fraca luz da lamparina ou mais recentemente, o facho de uma lanterna, traíras, acarás ,jejus, sarapós, dentre outros, com seus corpos tremulantes do suave balouço, madornando, para logo depois, num rápido talho, virarem comida.

Em Arari conheci uma versão diferente e  interessante: a pescaria é efetivada as margens do rio Mearim, por entre os galhos da ingazeiras, troncos de aninga e mururus, que sobem e descem o rio.

 Na proa  da canoa,  lanterna numa mão, na outra em vez do facão, um ancinho  com cinco pontas afiadas.   Pequenos arpões nas extremidades  permitem que os peixes  venham presos para   quem o manuseia.

É chamada  pescaria de gadanho, e diferentemente da outra , onde se utiliza um facão, proporciona a possibilidade, de em havendo dois ou mais peixes próximos, alcançá-los e trazê-los engatados, de maneira integral, pois não  é necessário cortar a cabeça,  ou parte do corpo.

 Provavelmente, devem existir outras formas de pescarias na Baixada, e  eu, por não saber,  preguiça de aprofundar a pesquisa, ou medo de fazer um texto muito longo, deixei de enumerar.

 Em São João Batista, pescam caranguejos; em São Bento e Bacurituba, muçuns. No povoado Bonfim, em São Vicente Ferrer, existe a pescaria de ninquin, uma espécie de cascudo bem pequeno, só encontrado lá.

 Sem contar com mais recentemente, a verdadeira explosão de pequenos e grandes açudes, que estão explorando, implantando, diversificando – sem nenhum juízo de valor -,uma nova forma de criar, e consequentemente,  agarrar esse produto tão apreciado.

CONCLUSÃO

 

Entendo que o explanado dar uma real dimensão da pluralidade  de modelos que nosso povo utiliza para aproveitar os peixes que abundam na região .Revelando o quanto fomos e somos agraciados pelo Criador

Este texto só foi possível, devido a ajuda de muitos irmãos baixadeiros, que não nomearei para não causar  desconforto por ter  deixado de citar algum. A todos, minha  gratidão.

Também me foi muito útil o livro do vianense Ozimo de  Carvalho, a quem homenageio,  Retrato de um Município. Um excelente roteiro abordando  aspectos  sociais, históricos e ambientais, nos anos 1950, na cidade de Viana e cercanias.  Notadamente no capítulo  VIII,  a pesca.

Deixe uma resposta