Os sexos masculino e feminino serão “perseguides” e depois “abolides”

Por Ana Creusa

Sim, a questão de identidade de gênero invadiu a língua portuguesa. Para não dizer, que é coisa tupiniquim, o fenômeno espalhou-se pelo mundo.

A adaptação à linguagem neutra será fácil para os que já utilizam o “todos e todas” em sua comunicação, basta dizer “todes”. Entretanto, quem ainda não se acostumou a essa modernidade, precisará de maior esforço. Fique tranquilo, não é difícil: basta substituir as palavras terminadas nas vogais “O” e “A” pela vogal “E”, que é considerada neutra.

Também não precisa preocupar-se, pois os corretores de texto serão adaptados. E caso você não siga a sugestão e insistir em chamar menino de menino e menina de menina, sofrerá uma advertência das suas redes sociais e, se persistir no erro, será bloqueado e, se reincidir, cancelado.

As vovós do Zap podem, na dúvida, substituir o “O” ou “A” pelo “X”, sem risco de punição, ou podem recorrer à linguagem do personagem Mussum dos Trapalhões, que já estava atualizado na linguagem neutra da substituição. Quem não lembra do famoso “tudes”? À época era engraçado. Agora, não ouse brincar com isso. Não é nada engraçado, é sério!

Você que ainda não se atualizou com a últimas reformas ortográficas, pode continuar usando o trema sem punição. O risco é usar “o” ou “a” no final dos vocábulos, pois pode sofrer bloqueio e até cancelamento nas suas redes sociais, o que seria equivale à morte na atualidade. Imagine se a comunicação progressista iria admitir preconceitos e ignorar a identidade de gêneros?

Para aqueles que dizem: “quando isso ocorrer, já gostaria de ter feito minha passagem”, cabe a advertência: não diga isso, pois, São Pedro já está atualizado e vai lhe perguntar: “filhe, como você se comportou na terre?”. Se você responder “fui bem comportado”, o Santo o mandará direto para o Inferno, porque preconceito é pecado. Somente os que responderem “fui bem comportade” ficarão no Céu.

Vale lembrar que a Língua Portuguesa sofrerá muitas adaptações para a linguagem neutra. Começando pela nomenclatura das classes gramaticais. A sugestão é ir logo treinando: substantivo será “substantive”; verbo, “verbe”; artigo, “artigue” e assim por diante.

Fique atento, ou melhor, “atente”, só não pode questionar. É assim, e pronto! Não gostou, talvez, quando você morrer, pelas suas boas ações; mereça o purgatório, para expiar a sua culpa por “preconceite”. É isso “mesme”!

Deixe uma resposta